Talibã conquista a quinta capital do Afeganistão após ofensiva pelo país

Tomadas de cidades ocorrem enquanto Estados Unidos retiram tropas do Afeganistão

Forças afegãs têm mais dificuldade de conter avanços do Talibã após retirada das tropas dos EUA
Forças afegãs têm mais dificuldade de conter avanços do Talibã após retirada das tropas dos EUA Foto: Stringer/Anadolu Agency via Getty Images - 23 jul. 2021

Kareem Khadder, Nick Paton Walsh e Jessie Yeung, da CNN

Ouvir notícia

O Talibã tomou a cidade de Taloquan no nordeste do Afeganistão, marcando a quinta capital provincial a cair sob seu controle em apenas alguns dias, um jornalista local confirmou à CNN nesta segunda-feira (9).

Taloquan, a capital da província de Takhar, é a última de uma série de vitórias que ocorrem quando as forças estrangeiras, lideradas pelos Estados Unidos, completam sua retirada do Afeganistão.

A primeira capital provincial, Zaranj, perto da fronteira com o Irã, caiu nas mãos do Talibã na sexta-feira (6). O próximo, Sherberghan, perto da fronteira com o Turcomenistão, caiu no sábado (7).

Os insurgentes então tomaram Kunduz, uma capital provincial estrategicamente importante no norte do Afeganistão, no domingo (8) – tornando-a a primeira grande cidade a cair nas mãos do Talibã desde o início da ofensiva em maio. Com uma população de 375.000 habitantes, Kunduz é um importante prêmio militar. Também no domingo, as forças do Talibã invadiram a capital da província de Sar-e-Pul, no norte do país.

Na semana passada, os EUA aumentaram os ataques aéreos contra as posições do Talibã em uma tentativa de impedir seus avanços. O Talibã acusou os EUA de bombardear um hospital e uma escola de ensino médio, junto com outros alvos civis na província de Helmand. A CNN não pôde verificar de forma independente suas afirmações.

“As forças dos EUA realizaram vários ataques aéreos em defesa de nossos parceiros afegãos nos últimos dias”, disse Nicole Ferrara, porta-voz do Comando Central dos EUA, à CNN no domingo, evitando a pergunta sobre os alvos dos ataques.

Crise humanitária 

Um oficial de segurança afegão disse que, embora as coisas estivessem mudando rapidamente no campo de batalha, o apoio aéreo dos EUA às forças militares do Afeganistão ainda estava programado para parar no final deste mês, quando a retirada dos EUA estiver completa.

O funcionário disse que não houve mudança na política dos EUA, apesar do rápido avanço do Talibã no terreno.

O comandante do US CentCom, general Kenneth “Frank” McKenzie, declarou publicamente em julho que os Estados Unidos interromperão seu apoio aéreo às forças afegãs – e provavelmente só empreenderão ataques antiterrorismo limitados – assim que a retirada terminar. Todas as forças estrangeiras devem deixar o Afeganistão em 31 de agosto.

Enquanto isso, as preocupações estão aumentando sobre os avanços do grupo militante. A grande maioria deles foi feita desde o início da redução das forças dos Estados Unidos em maio.

Na semana passada, o ministro das Relações Exteriores do Afeganistão, Mohammad Haneef Atmar, disse que a recente ofensiva do Talibã matou mais de 3.000 pessoas em todo o país e deslocou mais de 300.000 nos últimos meses.

Cerca de 5.183 vítimas foram registradas nos primeiros seis meses do ano – um aumento de 47% em relação a 2020 – a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (Unama) disse em um relatório de julho. O relatório da Unama observou que os mortos e feridos aumentaram acentuadamente desde maio.

A Cruz Vermelha ajudou a fornecer tratamento para mais de 49.500 feridos na primeira metade do ano, à medida que os combates aumentavam e muitos fugiram em busca de segurança.

Na noite de domingo, Muhammad Naeem Wardak, porta-voz do escritório político do Talibã, alertou os EUA contra novas intervenções no Afeganistão.

Não há acordo de cessar-fogo com o governo afegão no horizonte, enquanto o Talibã continua seus ganhos militares, disse ele à rede de notícias Al Jazeera Arabic. Ele também culpou o governo afegão por iniciar os recentes combates.

“O governo afegão é quem escolheu começar a guerra em diferentes províncias”, disse Wardak. “As medidas que (o) Talibã tomou foram em resposta e reação aos ataques e ações do governo.”

A embaixada dos Estados Unidos em Cabul criticou a ofensiva do Talibã nas cidades afegãs, dizendo no domingo que suas ações para “impor à força seu governo são inaceitáveis ??e contradizem sua alegação de apoiar um acordo negociado no processo de paz de Doha”.

“Eles demonstram desrespeito ao bem-estar e aos direitos dos civis e irão piorar a crise humanitária deste país”, disse a embaixada. 

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN