Para conter protestos, Talibã atira para o alto e prende manifestantes

Manifestantes pró-movimentos de resistência e jornalistas foram reprimidos e detidos, segundo emissoras locais

Combatentes do Talibã no aeroporto de Cabul
Combatentes do Talibã no aeroporto de Cabul 02/09/2021REUTERS/Stringer/File Photo

Jake KwonTim ListerLauren Said-Moorhouseda CNN

Ouvir notícia

Dezenas de manifestantes afegãos marcharam contra o domínio do Talibã pelas ruas de Cabul de nesta terça-feira (7), no que parecia ser a maior manifestação na capital desde que o grupo militante tomou o poder no Afeganistão no mês passado.

De acordo com fotos e vídeos compartilhados nas redes sociais, ativistas gritaram em apoio aos combatentes da resistência na fortaleza da província de Panjshir e gritaram contra o Paquistão, que eles consideram uma intromissão nos assuntos afegãos.

Vídeos do centro de Cabul mostraram pelo menos dezenas de homens e mulheres marchando pelas ruas gritando “Morte ao Paquistão” enquanto os manifestantes se dirigiam ao palácio presidencial.

Algumas testemunhas estimaram a multidão entre 300 e 500 pessoas – muitas das quais eram mulheres usando o hijab.

Também foram veiculados slogans a favor do líder da Frente de Resistência Nacional (NRF), Ahmad Masoud, que lidera a oposição ao Talibã na província de Panjshir. Na segunda-feira (6), ele convocou um levante nacional contra o domínio do Talibã enquanto o grupo militante conquistava a vitória na região montanhosa, após duas semanas de intensos combates com a NRF.

No entanto, a NRF negou essa afirmação, com o porta-voz Ali Nazary dizendo à CNN: “A resistência ainda está em todo o vale.”

Em um vídeo de Cabul nesta terça-feira, uma mulher é vista enfrentando um combatente do Talibã. O jornalista afegão Ahmad Jawid Kargar disse à CNN que o Talibã deteve dezenas de mulheres que protestavam em frente ao portão presidencial e as levou para o porão do Banco Azizi nas proximidades. A CNN não conseguiu confirmar quantas pessoas foram detidas.

Em meio a cenas caóticas nas ruas, combatentes do Talibã intervieram e dispararam para o ar para dispersar os manifestantes. Os vídeos mostravam pessoas se espalhando ou agachadas em meio a rajadas contínuas de tiros. Não houve relatos iniciais de vítimas.

Vários jornalistas e cinegrafistas foram detidos, de acordo com a rede de notícias afegã TOLO News. Seu equipamento fotográfico foi confiscado pelo Talibã, acrescentou. Ariana News, outra rede de TV privada com sede em Cabul, também informou que seu repórter e cinegrafista foram detidos.

O grupo de direitos humanos Anistia Internacional disse em uma postagem no Twitter que está “profundamente preocupado com relatos sobre o uso de violência contra manifestantes e jornalistas pacíficos em Cabul pelo Talibã. O exercício do direito à liberdade de reunião pacífica é um direito humano. O Talibã deve respeitar e permitir que as pessoas exerçam seus direitos. ”

Enquanto a Human Rights Watch tuitou: “Em mais uma indicação de que os novos governantes do #Afeganistão não tolerarão dissensões pacíficas, o Talibã novamente usou a força para esmagar um protesto de centenas de mulheres # afegãs que pedem seus direitos hoje.”

Anteriormente, houve uma série de protestos menores em Cabul e outras cidades afegãs na semana passada, em que mulheres ativistas pediram ao Talibã que respeitasse seus direitos e permitisse que participassem do governo. Um protesto de mulheres em Cabul foi interrompido no fim de semana.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

 

Mais Recentes da CNN