Talibã reivindica vitória no Afeganistão sobre ‘poderoso e arrogante’ EUA

No Dia da Independência do país – que celebra fim do domínio britânico no século 20 –, grupo diz que resistência jihadista forçou retirada dos norte-americanos

Vasco Cotovio e Zeena Saifi, da CNN

Ouvir notícia

O Talibã celebrou o Dia da Independência do Afeganistão, nesta quinta-feira (19), declarando vitória sobre os Estados Unidos, que eles descreveram como uma “força poderosa e arrogante”.

Esta quinta marca a independência do país do domínio colonial britânico, celebrada pelo Tratado Anglo-Afegão de 1919, também conhecido como Tratado de Rawalpindi.

“Louvado seja Deus, hoje celebramos o aniversário da independência da ocupação britânica, enquanto nós – pela graça de Deus – e graças à resistência jihadista, derrotamos outra força poderosa e arrogante (EUA) e a forçamos a retirar-se da terra pura do Afeganistão”, diz o comunicado do Talibã.

O Talibã conquistou vitórias contra as forças norte-americanas, soviéticas e britânicas, atribuindo seu sucesso a um poder superior.

“Não há dúvida de que essa vitória divina foi alcançada por Deus nas mãos de um povo indefeso como o povo do Afeganistão, que derrotou três impérios arrogantes em três séculos sucessivos”, disseram eles.

“É graças a esta bênção que trabalhamos juntos com toda a honestidade e sinceridade para estabelecer este sistema islâmico, para unir este país, para elevá-lo e promovê-lo”, disse a declaração.

Pedimos a Deus que conceda ao nosso povo muçulmano sucesso na realização deste grande desejo para o Afeganistão. Que seja governado pelo Alcorão, e que a paz esteja sobre você e o Emirado Islâmico do Afeganistão

Comunicado do Talibã

Poucas horas depois, o Talibã convocou imãs e pregadores de todo o país para incentivar os cidadãos a cooperar com o novo governo nas orações de sexta-feira, destacando a conexão que procuram estabelecer entre a população do país e seus valores fundamentalistas linha-dura.

Embora os militantes até agora tenham procurado apresentar uma imagem de si mesmos como mais progressistas do que quando o grupo que governou o Afeganistão por meio do terror há duas décadas, cada promessa foi apresentada com um lembrete dos “valores centrais” do Talibã – uma interpretação estrita da Sharia, a lei islâmica, que os especialistas dizem não ter sido drasticamente repensada nestes 20 anos.

A Sharia foi estabelecida há 1.400 anos e só pode ser emendada ou atualizada com extremo cuidado por acadêmicos religiosos, disseram especialistas da região à CNN.

Combatentes do Talibã patrulham as ruas de Cabul nesta quinta-feira (19)
Combatentes do Talibã patrulham as ruas de Cabul nesta quinta-feira (19)
Foto: Rahmat Gul/AP

Quando esteve no poder, o Talibã usou a Sharia como justificativa para inúmeras punições violentas e repressivas, incluindo execuções públicas. Supostos adúlteros foram apedrejados até a morte e a suspeita de roubo era punida com amputação.

“Pedimos a todos os honrados pregadores que entreguem um sermão na sexta-feira (amanhã) Incentivando os cidadãos a cooperar para construir e fazer a nação avançar sem tentar escapar dela, e retornar todos os quadros e riqueza para o país”, disse o comitê do grupo para Advocacia, Orientação, Recrutamento, Desfrutar do Bem e Proibir o Errado, em um comunicado publicado em uma conta oficial no Twitter.

O Talibã também pediu aos pregadores que entregassem “uma declaração de interesses (sobre o sistema islâmico) para os cidadãos e um apelo à unidade e acordo entre o povo” e que abordassem “a resposta estragada à propaganda negativa do inimigo e às provocações em ordem para convencer e tranquilizar as pessoas.”

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN