Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Temperatura dos oceanos atingiu o nível mais alto já registrado, diz instituto

    Dados do Copernicus Climate Change Service apontam que índice desta semana superou o recorde anterior, registrado em 2016; pesquisador diz que os mares se aqueceram em 12 meses o esperado para 15 anos

    Temperaturas atingiram nível recorde, ameaçando a vida marinha
    Temperaturas atingiram nível recorde, ameaçando a vida marinha Foto: Francesco Ungaro/Unsplash

    Laura Paddisonda CNN

    A temperatura dos oceanos do planeta atingiu novos patamares nesta semana, estabelecendo um novo recorde sem sinais de resfriamento. A temperatura média global  atingiu 20,96 graus no final de julho, de acordo com dados modernos do Copernicus Climate Change Service da União Europeia, superando o recorde anterior de 20,95 graus Celsius estabelecido em 2016.

    Os dados do oceano Copernicus começaram a ser coletados em 1979.

    Os cientistas dizem que o mundo precisa se preparar para que as temperaturas dos oceanos continuem subindo à medida que a chegada do El Niño – a flutuação climática natural que se origina no Oceano Pacífico tropical e tem um impacto de aquecimento – atue como uma camada a mais sobre o aquecimento causado pela ação humana.

    Kaitlin Naughten, oceanógrafa do British Antarctic Survey, disse que os dados do Copernicus pintam um quadro alarmante para a saúde dos oceanos. “Outros conjuntos de dados podem fornecer valores ligeiramente diferentes – por exemplo, [a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA] está relatando que abril passado ainda estava um pouco mais quente do que agora”, disse ela à CNN.

    Mar da Flórida atinge temperatura de banheira de hidromassagem

    Mas o que está claro, disse ela, é “que as atuais temperaturas da superfície do mar são excepcionalmente e excepcionalmente quentes” e trazem implicações de amplo alcance, “especialmente para ecossistemas complexos, como recifes de coral”.

    Gregory C. Johnson, oceanógrafo da NOAA, disse que as temperaturas da superfície do mar dispararam este ano. “O que estamos vendo é um aumento maciço. São cerca de 15 anos da tendência de aquecimento de longo prazo em um ano”, disse ele à CNN.

    O calor pode aumentar ainda mais. As temperaturas da superfície tendem a permanecer altas de agosto a setembro antes de começar a diminuir, disse Johnson.

    “Ainda há espaço para temperaturas mais quentes na superfície do mar” este ano. Algumas ondas de calor marinhas neste ano chocaram particularmente os cientistas por serem inéditas e pelos danos que estão causando.

    O calor do oceano pode levar ao branqueamento em massa dos recifes de corais, bem como à morte de outras formas de vida marinha e ao aumento do nível do mar.

    Em Florida Keys, uma onda de calor marinho empurrou as temperaturas do oceano para níveis recordes de “banheira de hidromassagem”, deixando vários recifes de coral agora completamente branqueados ou mortos.

    Uma onda de calor “totalmente sem precedentes” no Atlântico Norte nas costas do Reino Unido e da Irlanda em junho – definida como “extrema” pela NOAA – registrou temperaturas de até 5 graus Celsius mais altas do que o normal, gerando preocupações sobre os impactos sobre a vida marinha.

    Samantha Burgess, vice-diretora da Copernicus, disse que o calor no Atlântico Norte era surpreendente. “Nunca vimos esse tipo de onda de calor marinho extremo para essa época do ano… vê-los em mar aberto, vê-los na primavera – isso é muito surpreendente”, disse ela à CNN em uma entrevista na semana passada.

    A água oceânica mais quente também tem um impacto climático. Os oceanos desempenham um papel vital como proteção contra a crise climática, absorvendo a poluição que aquece o planeta.

    A água mais quente faz isso com menos eficácia, o que significa que mais carbono é deixado na atmosfera, alimentando o aquecimento global.

    Alguns cientistas estão preocupados que os recordes de temperatura oceânica estabelecidos este ano possam marcar o início de uma tendência alarmante de calor oceânico.

    “Continuamos a lançar gases de efeito estufa na atmosfera”, disse Johnson. “E assim, a longo prazo, as temperaturas da superfície do mar continuarão a aumentar até que nós, como sociedade, decidamos reduzir substancialmente o uso de combustíveis fósseis.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original