Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Temperatura na Europa aumenta mais que o dobro da média global em 30 anos

    Consequentemente, o número de incêndios florestais na União Europeia quadruplicou a média de 15 anos

    Jennifer Grayda CNN

    À medida que a crise climática se acelera, a Europa está se aquecendo mais rápido do que qualquer outra região, de acordo com um novo relatório do Estado do Clima na Europa da Organização Meteorológica Mundial.

    O relatório da OMM vem antes da cúpula internacional do clima da ONU no Egito e é um de uma série de relatórios nas últimas semanas que mostram como o mundo está fora do caminho em seus objetivos climáticos. Não apenas os países estão errando o alvo em seus esforços para reduzir as emissões de combustíveis fósseis que aquecem o planeta, mas as medições mostram que as temperaturas já estão subindo rapidamente.

    A temperatura global já subiu cerca de 1,2 graus desde a revolução industrial, e os cientistas alertaram que essa temperatura deve ser limitada a apenas 1,5 graus para evitar os impactos mais severos da crise climática. Alguns continentes estão sentindo que aumentam mais do que outros.

    O relatório de quarta-feira (2) mostra que as temperaturas na Europa aumentaram mais que o dobro da média global nos últimos 30 anos – a uma taxa de cerca de 0,5ºC por década.

    Uma imagem ao vivo de um mundo em aquecimento

    Relatórios recentes mostram como o aumento da temperatura da região está alimentando o clima extremo.

    No acumulado do ano até julho, o número de incêndios florestais na União Europeia quadruplicou a média de 15 anos. Uma onda de calor mortal e recorde no Reino Unido prejudicou a saúde pública e prejudicou a infraestrutura. Uma seca excepcional assolou o continente neste verão, secando alguns dos rios economicamente mais importantes do mundo. E aquela seca que veio logo após algumas das inundações mais destrutivas que a Europa já viu.

    Em 2021, o último ano completo coberto pela análise de quarta-feira (2), mais de meio milhão de pessoas foram diretamente afetadas por eventos climáticos alimentados por mudanças climáticas.

    O clima extremo causou danos econômicos superiores a US$ 50 bilhões. E o aquecimento acelerado fez com que as geleiras alpinas perdessem 30 metros de espessura de gelo de 1997 a 2021, observa o relatório.

    “A Europa apresenta uma imagem ao vivo de um mundo em aquecimento e nos lembra que mesmo sociedades bem preparadas não estão a salvo dos impactos de eventos climáticos extremos”, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, em um avanço sobre o relatório. “Este ano, como 2021, grandes partes da Europa foram afetadas por extensas ondas de calor e seca, alimentando incêndios florestais. Em 2021, inundações excepcionais causaram morte e devastação”.

    O aquecimento acelerado fez com que as geleiras alpinas perdessem 30 metros de espessura de gelo de 1997 a 2021, observa o relatório. E na Groenlândia, que é coberta pela análise regional da OMM, a chuva caiu pela primeira vez em 2021 na estação do cume no topo da camada de gelo – parte de uma tendência de derretimento que acelerou o aumento do nível do mar.

    “A sociedade europeia é vulnerável à variabilidade e às mudanças climáticas, mas a Europa também está na vanguarda do esforço internacional para mitigar as mudanças climáticas e desenvolver soluções inovadoras para se adaptar ao novo clima com o qual os europeus terão que conviver”, disse Carlo Buontempo, diretor de o Copernicus Climate Change Service, em um comunicado.

    Taalas disse em seu avanço que, embora o ritmo da Europa no corte das emissões de aquecimento do planeta tenha sido “bom”, sua ambição nessa frente “deveria ser aumentada ainda mais”. O relatório observa que as emissões de gases de efeito estufa diminuíram 31% entre 1990 e 2020.

    O bloco pretende reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 55% em relação aos níveis de 1990 até 2030.

    “À medida que os riscos e o impacto das mudanças climáticas se tornam cada vez mais aparentes na vida cotidiana, cresce a necessidade e o apetite por inteligência climática, e com razão. Com este relatório, pretendemos preencher a lacuna entre os dados e a análise para fornecer informações baseadas na ciência, mas acessíveis, que estejam ‘prontas para decisões’, em todos os setores, em todas as profissões”, disse Buontempo.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original