Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tempestade na Líbia deixa mais de 5 mil mortos e se torna a mais mortal já registrada no Norte da África

    Números ultrapassam a inundação registrada na Algéria em 1927

    Hamdi AlkhshaliMostafa SalemKareem El Damanhouryda CNN

    Mais de 5 mil pessoas são consideradas mortas e 10 mil desaparecidas por conta das fortes chuvas provocadas pela tempestade Daniel no nordeste da Líbia, que causaram o colapso de duas barragens, despejando mais água em áreas já inundadas.

    Tamer Ramadan, chefe da delegação da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho na Líbia, divulgou o número de pessoas desaparecidas durante um pronunciamento a repórteres em Genebra, Suíça, nesta terça-feira (12). “O número de mortos é enorme”, disse ela.

    Pelo menos 5.300 pessoas são consideradas mortas, disse o Ministério do Interior do governo oriental da Líbia nesta terça-feira, segundo a mídia estatal. A CNN não conseguiu verificar de forma independente o número de mortos ou desaparecidos.

    Dos mortos, pelo menos 145 eram egípcios, disseram autoridades da cidade de Tobruk, no nordeste da Líbia, próxima à fronteira com o Egito.

    Os números ultrapassam a inundação registrada na Algéria em 1927, que deixou cerca de 3 mil mortos, tornando a inundação da Líbia a mais mortal já registrada no Norte da África desde 1900.

    A última inundação registrada na Líbia foi em 2019, quando quatro pessoas morreram e dezenas de milhares foram afetados. Mas a escala da tragédia atual é sem precedentes para o país.

    Na cidade de Derna, que sofreu o pior da devastação, cerca de 6 mil pessoas continuam desaparecidas, disse Othman Abduljalil, ministro da Saúde do governo apoiado pelo parlamento oriental da Líbia, a uma TV local. Ele chamou a situação de “catastrófica” quando visitou a cidade na segunda-feira (11) e descreveu o lugar como uma “cidade fantasma”.

    Acredita-se que bairros inteiros tenham sido destruídos na cidade, segundo as autoridades.

    “Os corpos continuam espalhados em muitos lugares”, disse Abduljalil à TV.

    Os hospitais em Derna não funcionam mais e os necrotérios estão lotados, disse Osama Aly, porta-voz do serviço de emergência e ambulância. Cadáveres foram deixados nas calçadas do lado de fora dos necrotérios, disse ele à CNN.

    “Não há serviços de emergência de primeira mão. As pessoas estão trabalhando neste momento para recolher os corpos em decomposição”, disse Anas Barghathy, um médico que atualmente trabalha como voluntário em Derna.

    “Estamos todos apavorados”

    Parentes de pessoas que viviam na cidade destruída de Derna disseram à CNN que ficaram aterrorizados depois de verem vídeos das inundações, sem receber nenhuma palavra de seus familiares.

    Ayah, uma mulher palestina que tem primos em Derna, disse que não conseguiu contatá-los desde o início da tempestade.

    “Estou realmente preocupado com eles. Tenho dois primos que moram em Derna. Parece que todas as comunicações caíram e não sei se elas estão ativas neste momento. É muito assustador ver os vídeos que saem de Derna. Estamos todos apavorados”, disse ela.

    Tempestade na Líbia
    Tempestade deixa milhares de mortos e desaparecidos na Líbia / Handout/Anadolu Agency via Getty Images

    Emad Milad, morador de Tobruk, disse que oito de seus parentes morreram nas enchentes em Derma.

    “A irmã da minha esposa e o marido dela faleceram. Toda a sua família também está morta. Um total de oito pessoas desapareceram. É um desastre. É um desastre. Estamos orando por coisas melhores”, disse ele nesta terça-feira.

    Condições climáticas “ferozes”

    A chuva, que varreu várias cidades do nordeste da Líbia, é o resultado de um sistema muito forte de baixa pressão que provocou inundações catastróficas na Grécia na semana passada e deslocou-se para o Mediterrâneo antes de se transformar num ciclone tropical.

    A tempestade mortal surge num ano de desastres climáticos sem precedentes e temperaturas extremas que bateram recordes.

    Assim como as temperaturas dos oceanos em todo o mundo aumentam devido à poluição que aquece o planeta, a temperatura do Mediterrâneo está bem acima da média, o que os cientistas dizem ter alimentado as fortes chuvas da tempestade.

    “A água mais quente não só alimenta essas tempestades em termos de intensidade das chuvas, mas também as tornam mais ferozes”, disse Karsten Haustein, climatologista e meteorologista da Universidade de Leipzig, na Alemanha, ao Science Media Center.

    A vulnerabilidade da Líbia a condições meteorológicas extremas é aumentada pelo seu conflito político de longa data, uma luta pelo poder que dura há mais de uma década entre duas administrações rivais.

    O país de seis milhões de habitantes está dividido entre facções em conflito desde 2014, após a revolta de 2011 apoiada pela Otan contra Muammar Gadhafi.

    Tempestade na Líbia
    Tempestade deixa milhares de mortos e desaparecidos na Líbia / Handout/Anadolu Agency via Getty Images

    O Governo de Unidade Nacional, apoiado pela ONU, liderado por Abdulhamid Dbeibeh, tem sede em Trípoli, no noroeste da Líbia. Seu rival oriental é controlado pelo comandante Khalifa Haftar e pelo Exército Nacional Líbio, que apoiam o parlamento baseado no leste, liderado por Osama Hamad.

    Derna está sob o controle de Haftar e da administração oriental.

    A política complexa do país “representa desafios para o desenvolvimento de estratégias de comunicação de riscos e avaliação de perigos, coordenação de operações de resgate e também, potencialmente, para a manutenção de infraestruturas críticas, como barragens”, disse Leslie Mabon, professora de Sistemas Ambientais na Universidade Aberta, ao Science Media Center.

    Colapso de barragens

    O colapso de duas barragens, que levou à inundação da cidade de Derna, causou danos catastróficos, disseram as autoridades nesta terça-feira.

    “Três pontes foram destruídas. A água corrente arrastou bairros inteiros, acabando por depositá-los no mar”, disse Ahmed Mismari, porta-voz do Exército Nacional Líbio.

    Casas nos vales foram arrastadas por fortes correntes lamacentas que transportavam veículos e destroços, disse Aly, porta-voz da autoridade de Emergência e Ambulância.

    As linhas telefônicas na cidade caíram, complicando os esforços de resgate, e os trabalhadores não conseguiram entrar em Derna devido à grande destruição, disse Aly à CNN.

    Aly disse que as autoridades não previram a escala do desastre.

    “As condições meteorológicas não foram bem estudadas, os níveis da água do mar e da precipitação [não foram estudados], as velocidades do vento, não houve evacuação de famílias que poderiam estar no caminho da tempestade e nos vales”, disse.