Terceiro maior emissor de gases, Índia rejeita meta de zero emissões de carbono

Ao invés disso, país afirmou ser mais importante para o mundo traçar um caminho para evitar um aumento perigoso nas temperaturas globais

EUA, a Grã-Bretanha e a União Europeia estabeleceram uma meta de 2050 para chegar a zero líquido, ponto no qual eles emitirão apenas uma quantidade de gases de efeito estufa que podem ser absorvidos por florestas
EUA, a Grã-Bretanha e a União Europeia estabeleceram uma meta de 2050 para chegar a zero líquido, ponto no qual eles emitirão apenas uma quantidade de gases de efeito estufa que podem ser absorvidos por florestas Foto: SD-Pictures/Pixabay

Da Reuters

Ouvir notícia

A Índia rejeitou nesta quarta-feira (27) os apelos para anunciar uma meta líquida de zero emissões de carbono. Ao invés disso, o país afirmou ser mais importante para o mundo traçar um caminho para reduzir essas emissões e evitar um aumento perigoso nas temperaturas globais.

A Índia, terceiro maior emissor mundial de gases de efeito estufa, depois da China e dos Estados Unidos, está sob pressão para anunciar planos para se tornar neutra em carbono até meados do século ou por volta disso, na conferência climática da próxima semana em Glasgow, na Escócia.

Mas o secretário de meio ambiente RPGupta disse a repórteres que anunciar a meta zero não era a solução para a crise climática. “É quanto carbono você vai colocar na atmosfera antes de chegar a zero líquido que é mais importante”, disse.

Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a União Europeia estabeleceram uma meta de 2050 para chegar a zero líquido, ponto no qual eles emitirão apenas uma quantidade de gases de efeito estufa que podem ser absorvidos por florestas, plantações, solos e captura de carbono ainda embrionário.

China e Arábia Saudita estabeleceram metas para 2060, mas essas metas não têm sentido sem uma ação tangível agora, dizem os críticos.

Entre agora e meados do século, os Estados Unidos liberarão 92 gigatoneladas de carbono na atmosfera e a UE 62 gigatoneladas, disse Gupta, citando cálculos do governo indiano. A China teria acrescentado impressionantes 450 gigatoneladas até sua meta de data líquida zero, acrescentou ele.

Discussão sobre o clima

Representantes de quase 200 países se reunirão em Glasgow, Escócia, de 31 de outubro a 12 de novembro, para que as negociações climáticas fortaleçam as ações de combate ao aquecimento global no âmbito do Acordo de Paris de 2015.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, participará da conferência em um sinal de como o país está levando a mudança climática a sério, afirmam as autoridades. O presidente chinês Xi Jinping não é esperado.

Enquanto trabalham para atingir o zero líquido, os países devem anunciar novas e fortalecidas metas intermediárias para reduzir as emissões.

O ministro do Meio Ambiente, Bhupendra Yadav, disse que a Índia está no caminho certo para atingir as metas estabelecidas na conferência de Paris de 2015 e deixou a porta aberta para revisá-las. “Todas as opções estão sobre a mesa”, disse ele.

A Índia se comprometeu a cortar a intensidade das emissões de seu PIB em 33% -35% até 2030 em relação aos níveis de 2005, alcançando uma redução de 24% até 2016.

Alguns especialistas em meio ambiente dizem que a Índia pode considerar reduzir a intensidade de suas emissões em até 40%, dependendo de financiamento e se tem acesso a tecnologias mais novas.

Yadav disse que medirá o sucesso da conferência de Glasgow por quanto ela entregou ao financiamento do clima para ajudar o mundo em desenvolvimento a reduzir suas emissões e, ao mesmo tempo, garantir o crescimento econômico.

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler original em inglês)

Mais Recentes da CNN