Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trem blindado atravessa Rússia com Kim Jong-Un para reunião com Putin

    Líder norte-coreano teria adentrado o país vizinho nesta terça-feira (12), segundo o Ministério da Defesa da Coreia do Sul

    Jake KwonGawon BaeJessie YeungBrad LendonHelen Reganda CNN

    O trem particular fortemente blindado do líder norte-coreano Kim Jong-Un cruzou a Rússia antes de uma cúpula esperada e acompanhada de perto com o presidente russo, Vladimir Putin, segundo informou a mídia estatal nesta terça-feira (12), em meio a advertências dos Estados Unidos de que os dois líderes poderiam chegar a um acordo de armas.

    O trem viajava para o norte, através de Primorsky Krai, na região do Extremo Oriente do país, de acordo com a agência de notícias estatal russa RIA. O Ministério da Defesa da Coreia do Sul disse acreditar que o líder norte-coreano entrou na Rússia na manhã desta terça-feira, horário local.

    Um vídeo compartilhado pelo Russia Today na segunda-feira (11) e geolocalizado pela CNN mostrou o trem que supostamente transportava Kim perto da fronteira entre a Rússia e a Coreia do Norte, perto do rio Tumen.

    Veja também: Kim Jong-Un planeja encontro com Vladimir Putin

    Um encontro direto entre Kim e Putin, que deverá ocorrer no extremo leste da Rússia, seria um desenvolvimento significativo, dizem os analistas, reunindo dois líderes que estão cada vez mais isolados no cenário mundial.

    A Rússia necessita desesperadamente de novos fornecimentos de munições depois de mais de 18 meses de guerra na Ucrânia terem deixado as suas forças armadas prejudicadas, enquanto a Coreia do Norte, que enfrentou anos de sanções internacionais devido ao seu programa de armas nucleares, carece de tudo, desde dinheiro vivo e alimentos à tecnologia de mísseis.

    A reunião poderá levar Pyongyang a ter em mãos o tipo de armas que duas décadas de sanções das Nações Unidas lhe impediram de ter acesso, especialmente para o seu programa de mísseis balísticos com capacidade nuclear.

    O governo dos EUA disse na semana passada que as negociações sobre armas entre a Rússia e a Coreia do Norte estão “avançando ativamente” e que novas conversas poderão ter lugar como parte dos esforços da Rússia para encontrar novos fornecedores de armas para usar na sua guerra contra a Ucrânia.

    O porta-voz do Ministério da Defesa da Coreia do Sul, Jeon Ha-kyu, também disse na terça-feira que o ministério está monitorando de perto se a Coreia do Norte e a Rússia prosseguirão com as negociações sobre um acordo de armas e transferência de tecnologia.

    O líder norte-coreano em uma estação de Pyongyang antes de partir em seu trem particular / KCNA

    O líder norte-coreano partiu da capital, Pyongyang, na tarde de domingo (10) acompanhado por altos funcionários do partido e membros do governo e das forças armadas, informou terça-feira a agência de notícias norte-coreana KCNA.

    Imagens divulgadas pela KCNA mostraram Kim andando por um tapete vermelho em uma estação de Pyongyang e embarcando no trem verde cercado por autoridades. Uma multidão de espectadores podia ser vista torcendo ao fundo e agitando bandeiras.

    Nenhum dos dois países especificou quando ou onde a visita ocorreria.

    “Neste momento não estamos dizendo, no Extremo Oriente”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos repórteres, de acordo com a mídia estatal russa TASS.

    Peskov disse que as relações bilaterais entre as nações serão uma prioridade do encontro, que será uma “visita completa, com conversações entre as duas delegações”.

    As negociações também abordarão “áreas sensíveis”, acrescentou Peskov, enquanto um jantar formal também está planejado em homenagem à chegada de Kim.

    Putin esteve em Vladivostok na terça-feira para o Fórum Econômico Oriental, onde fez um discurso elogiando as oportunidades comerciais da Rússia com países da Ásia-Pacífico.

    “O comércio da Rússia com outros países da região aumentou 18,3% em apenas seis meses deste ano”, disse ele. “O comércio com os países da região Ásia-Pacífico irá desenvolver-se ainda mais.”

    Putin também se reuniu com o vice-primeiro-ministro da China, Zhang Guoqing, à margem do fórum e disse que as relações entre os dois países atingiram um “nível histórico sem precedentes”, segundo agências de mídia estatais russas.

    Uma viagem rara para Kim

    A chegada de Kim à Rússia marca uma rara viagem ao estrangeiro para o líder de uma das nações mais isoladas do mundo, e é a sua primeira visita ao estrangeiro desde a pandemia de Covid-19, durante a qual as fronteiras da Coreia do Norte foram fechadas.

    Desde que assumiu o poder em 2011, Kim apenas se aventurou fora de seu país 10 vezes – todas em 2018 e 2019 – e veio enquanto o líder norte-coreano se envolveu numa série de conversas sobre os programas de armas nucleares e mísseis do país.

    Kim visitou a Rússia pela última vez em abril de 2019, numa viagem a Vladivostok, onde se encontrou com Putin pela primeira vez, em meio à crise contínua e não resolvida sobre o programa nuclear da Coreia do Norte e ao diálogo fracassado entre Pyongyang e Washington.

    O líder norte-coreano em uma estação de Pyongyang antes de partir em seu trem particular / KCNA

    Tal como em 2019, o líder da Coreia do Norte viajou para a Rússia na terça-feira no seu famoso comboio caracteristicamente verde, que já se tornou um símbolo do isolamento e do sigilo da nação eremita.

    Tal como o seu avô, Kim Il Sung, e o seu pai, Kim Jong Il, diz-se que Kim prefere viajar no comboio blindado de luxo, que há muito tempo é alvo de intrigas.

    O aviso de Washington

    O alerta de Washington sobre o que poderia ser oferecido durante uma possível reunião entre Kim e Putin veio depois que o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, visitou Pyongyang em julho, na tentativa de convencê-lo a vender munição de artilharia a Moscou.

    Na terça-feira passada, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, alertou que a Coreia do Norte “pagará um preço” se fechar um acordo de armas com a Rússia, embora não tenha entrado em detalhes sobre as potenciais repercussões.

    E na segunda-feira, a Casa Branca instou a Coreia do Norte a “não fornecer ou vender armas à Rússia”.

    “Como alertamos publicamente, as discussões sobre armas entre a Rússia e a RPDC deverão continuar durante a viagem de Kim Jong-Un à Rússia”, disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Adrienne Watson.

    A Coreia do Norte já está sob sanções das Nações Unidas e dos EUA impostas devido ao programa de armas de Pyongyang.

    Apesar das sanções da ONU, Kim tem desenvolvido o seu programa de mísseis balísticos a um ritmo vertiginoso nos últimos dois anos. Nesse período, ele testou dezenas de mísseis, incluindo mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) que, em teoria, poderiam lançar uma ogiva nuclear sobre o território continental dos EUA.

    Mas permanecem dúvidas sobre a extensão das capacidades do país.

    Se Kim obtivesse tecnologia da Rússia, líder mundial em forças de mísseis nucleares durante décadas, seria um impulso para os seus programas e uma grande preocupação para os líderes do Ocidente, disseram analistas.

    Falando à CNN antes da reunião, Leif-Eric Easley, professor de estudos internacionais na Ewha Womans University, em Seul, disse que um confronto direto entre Kim e Putin seria um “desenvolvimento muito significativo”.

    “A Rússia possui a tecnologia militar que Kim deseja para seus programas ilegais de lançamento de satélites e entrega de armas nucleares”, disse Easley.

    Moscou, por sua vez, necessita urgentemente de munições e armas – áreas onde os analistas dizem que a Coreia do Norte tem fortes capacidades de produção – nas linhas da frente na Ucrânia.

    “A Coreia do Norte fabrica o que chamo de armas industriais pesadas”, disse Carl Schuster, antigo diretor de operações do Centro Conjunto de Inteligência do Comando do Pacífico dos EUA. “Sua artilharia e munição são muito boas. É muito semelhante aos designs russos.”

    No entanto, outros analistas disseram que a munição norte-coreana não seria uma mudança de jogo para a Rússia na Ucrânia.

    “Estas [armas] poderiam ajudar a repor os estoques esgotados e prolongar o conflito, mas não vão mudar a sua direção”, disse Joseph Dempsey, investigador associado para defesa e análise militar no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

    Depois de surgirem relatos de vendas de armas norte-coreanas à Rússia em setembro de 2022, um funcionário do Ministério da Defesa norte-coreano disse na altura que Pyongyang “nunca tinha exportado armas ou munições para a Rússia antes e não planejaremos exportá-las”.

    (Teele Rebane, da CNN, Arlette Saenz, Yoonjung Seo, Anna Chernova, Mihir Melwani e Mitchell McCluskey contribuíram para este texto)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original