Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tribunal decide nesta segunda (20) se Assange poderá recorrer de extradição

    Fundador do WikiLeaks está preso no Reino Unido e aguarda decisão sobre se poderá ser levado aos EUA, onde enfrenta acusações de vazar informações sigilosas

    O fundador do WikiLeaks, Julian Assange (27.out.2021)
    O fundador do WikiLeaks, Julian Assange (27.out.2021) Reprodução / CNN

    Claudia RebazaJack GuyLauren KentLauren Said-Moorhouseda CNN em Londres

    Uma audiência na qual Julian Assange vai descobrir se ele pode entrar com recurso final contra sua extradição para os Estados Unidos está em andamento, mas o fundador do WikiLeaks não está presente.

    Algumas dezenas de apoiadores pró-Assange se reuniram em frente à Corte Real de Justiça em Londres nesta segunda-feira (20), com algumas bandeiras com a mensagem “Deixe-o ir, Joe”, uma referência ao presidente dos EUA, Joe Biden.

    Há também uma forte presença policial e muitos meios de comunicação internacionais presentes.

    Assange é procurado pelas autoridades dos EUA por acusações de espionagem relacionadas à publicação de milhares de documentos confidenciais e telegramas diplomáticos de sua organização entre 2010 e 2011. Ele vai passar o resto da vida atrás das grades se for condenado.

    Dois juízes do Supremo Tribunal – Victoria Sharp e Jeremy Johnson – poderiam decidir manter a decisão de extradição do governo do Reino Unido em 2022, permitir que Assange apelasse ou até mesmo o liberasse, de acordo com sua esposa, Stella Assange, que acrescentou que “tudo poderia acontecer neste estágio.”

    “Julian está a apenas uma decisão de ser extraditado. Se os juízes decidirem contra ele na segunda-feira, não haverá mais vias de recurso no Reino Unido”, disse ela a repórteres em uma reunião organizada pela Associação de Imprensa Estrangeira em Londres na semana passada.

    Se o Supremo Tribunal decidir contra Assange, ele pode tentar impedir sua extradição solicitando uma liminar de emergência – conhecida como regra 39 – do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH).

    A equipe de Assange disse que pretende apresentar esse pedido, se necessário, após a conclusão do processo judicial no Reino Unido, em uma tentativa de impedir que Assange seja colocado em um avião para os EUA.

    Em Março, o tribunal adiou a sua decisão de extradição à medida que os juízes procuravam uma série de garantias, incluindo dos EUA que não procurariam a pena de morte para o cidadão australiano de 52 anos.

    O editor-chefe do WikiLeaks, Kristinn Hrafnsson, descreveu o caso de Assange e o processo judicial como “fraudados” aos repórteres na última quarta-feira. “Isso é corrupção institucional em nível judicial. Julian Assange é um preso político”, disse ele.

    Faz 12 anos desde que o australiano viveu livremente.

    Assange passou os últimos cinco anos na prisão de alta segurança de Belmarsh em Londres e quase sete anos antes disso, escondido na embaixada equatoriana na capital inglesa, tentando evitar a prisão. Ele afirma que sua extradição é politicamente motivada.

    Recentemente, tem havido sinais mais “encorajadores” de que a saga legal de Assange, que dura anos, poderá em breve chegar ao fim, de acordo com o primeiro-ministro australiano Anthony Albanese.

    O líder disse no mês passado que o fundador do WikiLeaks “já pagou um preço significativo” e não havia “nada a ser ganho” por sua prisão contínua. Em fevereiro, o parlamento australiano aprovou uma moção pedindo que Assange fosse liberado em seu país natal.

    As declarações de Albanese vieram um dia depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, disse que seu governo estava considerando retirar as acusações contra Assange após um pedido da Austrália.

    Stella Assange disse que as medidas do governo australiano para apoiar o seu marido recentemente tinham sido “cruciais.” Respondendo a uma pergunta da CNN, ela acrescentou que o caso de Assange foi uma “dor de cabeça” para os EUA.

    “Foi trazido para a administração Trump e as implicações constitucionais são claras”, disse ela. “Houve uma carta recente de 40 professores de direito das universidades dos EUA escrevendo para o governo de Biden dizendo que este caso é uma ameaça existencial à Primeira Emenda.”

    Vários especialistas expressaram preocupação de que permitir a extradição de Assange poderia ter implicações mais amplas sobre a liberdade de expressão e a imprensa.

    Sunna Ævarsdóttir, relatora da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, visitou recentemente Assange na prisão de Belmarsh, em Londres. Após a sua visita, ela disse à CNN que tinha profundas preocupações com o bem-estar do australiano.

    “Ele parecia muito focado, e ele tem a intenção de ganhar este caso, mas obviamente tem um peso, a incerteza de tudo”, disse ela.

    Ela acrescentou que as garantias fornecidas ao tribunal pelos EUA de que Assange poderia se apoiar nos direitos da Primeira Emenda não pareciam muito críveis, pois os funcionários frequentemente os declaravam “indisponíveis para cidadãos estrangeiros.”

    “Nesse aspecto, não é algo que deva ser aceito como garantia”, acrescentou.

    Alan Rusbridger, editor da revista britânica Prospect Magazine, escreveu em um artigo para a CNN que trabalhar com Assange era “muitas vezes um passeio acidentado”, mas que sua colaboração enquanto ele ainda era o editor-chefe do Guardian foi “inovadora.”

    Ele acrescentou que o caso dos EUA parece “uma tentativa muito tardia de punir os denunciantes e desencorajar os jornalistas, convencionais ou não, de cutucar o nariz onde não são bem-vindos.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original