Trump é acusado de ignorar ação russa que matou soldados americanos, mas nega

Fontes informaram à CNN que presidente recebeu relatório escrito que detalhava ação do governo de Vladimir Putin para pagar ataque no Afeganistão

Da CNN

Ouvir notícia

 

Agentes de inteligência dos Estados Unidos afirmam á CNN que o presidente Donald Trump sabia de uma ação da Rússia para assassinar soldados americanos no Afeganistação. As fontes informam que o comunicado escrito foi entregue ao presidente e relatava que o governo de Vladimir Putin havia oferecido dinheiro ao grupo terrorista Taleban, que se encarregaria do ataque.

Os fatos teriam acontecido em 2019, quando o governo Trump negociava um fim à guerra no país. Nesse período, 20 americanos morreram, sendo que três perderam a vida após um ataque à bomba, possivelmente ligado ao governo russo.

O caso foi revelado inicialmente pelo jornal The New York Times. O presidente Donald Trump negou ter recebido comunicado dos órgãos de inteligência, alegando que as fontes sobre a atuação da Rússia no Afeganistão não seriam confiáveis.

Trata-se de mais uma crise política para a Casa Branca. Uma frente bipartidária –portanto, composta também pelo Partido Republicano, de Trump– exigiu explicações de todos os lados citados na história.

Assista e leia também:

Como a Casa Branca tenta proteger Trump do coronavírus

Biden convida médico em conflito com Trump a ficar no governo caso vença eleição

Uma das possibilidades levantadas é o fato de que o presidente americano não teria o costume de ler os relatórios de inteligência repassados a ele por escrito, apenas os que são apresentados. Esse é o relato que John Bolton, ex-assessor de segurança nacional e hoje crítico ferrenho de Trump, faz sobre a forma de atuação do presidente.

A situação ganhou forte repercussão nos Estados Unidos porque Donald Trump tem se aproximado do presidente da Rússia, Vladimir Putin, o que lhe provocou críticas e outras acusações em diversos momentos do mandato. 

(Com informações da correspondente Núria Saldanha, da CNN em Washington)

Mais Recentes da CNN