Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trump e republicanos tentam reverter sistema de votação por correio para eleição de 2024

    Nas eleições de meio de mandato dos EUA, os democratas usaram esse sistema a seu favor e obtiveram resultados melhores que os republicanos

    Ex-presidente Donald Trump durante encontro com conservadores em Maryland, nos Estados Unidos - 04/03/2023
    Ex-presidente Donald Trump durante encontro com conservadores em Maryland, nos Estados Unidos - 04/03/2023 Anna Moneymaker/Getty Images

    Fredreka SchoutenKristen Holmesda CNN

    Depois de anos alegando que a votação por correio está repleta de fraudes, alguns republicanos – incluindo o ex-presidente Donald Trump – estão trabalhando para reverter o sistema antes das eleições presidenciais e do Congresso dos EUA do ano que vem.

    Trump, agora em sua terceira candidatura à Casa Branca, disse aos participantes da Conferência de Ação Política Conservadora no início deste mês que é hora de “mudar nosso pensamento” sobre a votação antecipada e pelo correio.

    Em discursos e e-mails de arrecadação de fundos, ele divulga os planos de sua campanha para incentivar a “colheita de votos”, a prática de permitir que terceiros coletem e entreguem as cédulas de outros eleitores.

    Seu partido “não tem escolha” a não ser derrotar “os democratas em seu próprio jogo”, disse.

    Isso é uma reversão total para um político que em novembro passado emitiu uma declaração em letras maiúsculas em sua conta do Truth Social alegando, em parte, “você nunca pode ter eleições livres e justas com cédulas por correio – nunca, nunca, nunca”.

    A mudança de tom e mensagem reflete a visão entre os estrategistas do partido de que as alegações implacáveis de Trump sobre fraude eleitoral em 2020 e a dura retórica do Partido Republicano sobre uma forma de votação amplamente usada em estados-chave, como o Arizona, contribuíram para o resultado decepcionante de meio de mandato do partido.

    Eles temem que isso possa colocar em risco as esperanças do Partido Republicano de conquistar a Casa Branca e outros cargos no ano que vem.

    “É um problema criado pelos republicanos entre os republicanos”, disse Paul Bentz, um pesquisador do Partido Republicano em Phoenix.

    A maioria dos eleitores do Partido Republicano no Arizona ainda vota mais cedo, disse ele, mas uma “parte considerável mudou seu comportamento de volta para votar pessoalmente no dia da eleição”.

    Trump, disse ele, “reprimiu efetivamente uma parte de sua própria base de apoio”.

    Autoridades republicanas em todo o país agora estão lutando para descobrir como mudar as atitudes dos eleitores antes que o ciclo eleitoral de 2024 comece a acelerar.

    Espera-se que uma revisão do Comitê Nacional Republicano sobre as eleições intermediárias se concentre, em parte, em maneiras de encorajar a votação antecipada entre os fiéis do Partido Republicano.

    Na Pensilvânia, um estado de campo de batalha presidencial que viu os democratas obterem ganhos nas eleições intermediárias, os funcionários do Partido Republicano recentemente lançaram vários comitês para explorar maneiras de recuperar a vantagem de voto por correspondência.

    “Qualquer partido que vote por 50 dias vai vencer o partido que votou por 13 horas. É simples assim”, disse Andy Reilly, membro do Comitê Nacional Republicano da Pensilvânia, à CNN.

    Ele faz parte de alguns dos novos comitês estaduais do Partido Republicano focados em encorajar a votação por correspondência.

    Crise pré-corrida eleitoral: Trump diz que pode ser preso

    O ex-presidente disse neste sábado (18) que espera ser preso em conexão com a investigação do promotor distrital de Manhattan na próxima semana e pediu protestos como resultado.

    Em uma postagem em rede social no sábado, Trump, referindo-se a si mesmo, disse que o “principal candidato republicano e ex-presidente dos Estados Unidos será preso na terça-feira da próxima semana”.

    “Proteste, traga nossa nação de volta”, escreveu ele.

    Embora Trump não tenha fornecido detalhes sobre por que espera ser indiciado, sua equipe jurídica espera que isso aconteça em breve e se prepara nos bastidores para as próximas etapas. Espera-se que o ex-presidente se apresente em Manhattan após as acusações formais e expressou interesse em fazer um discurso depois, embora ainda não se saiba se ele o fará.

    Trump reclamou em particular que acredita que só será indiciado porque acha que o promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg, “o odeia”, segundo uma fonte familiarizada com o que Trump disse.

    Influenciando o principal cético

    Antes das eleições intermediárias, alguns republicanos expressaram preocupação de que a contínua retórica de Trump sobre a votação pelo correio e a segurança eleitoral desencorajaria o comparecimento dos republicanos e os levaria a perder as eleições.

    Vários aliados alertaram Trump de que os democratas tinham uma infraestrutura instalada e que falar mal da votação por correspondência colocaria os republicanos em desvantagem, mas ele dobrou suas alegações de eleições fraudulentas e fraude maciça.

    No final, o Partido Republicano teve um desempenho inferior nas eleições de meio de mandato – não conseguiu virar o Senado dos EUA, ganhando apenas uma maioria estreita na Câmara dos Representantes dos EUA e derrubando apenas um governador democrata.

    “O que precisamos é que nossos eleitores votem com antecedência”, disse a presidente do RNC, Ronna McDaniel, aliada de Trump, durante uma entrevista à Fox News em dezembro passado, no mesmo dia em que o senador democrata Raphael Warnock foi reeleito na Geórgia, consolidando a posição de seu partido na maioria do Senado.

    “Eu já disse isso várias vezes. Houve muitos em 2020 dizendo: ‘Não vote pelo correio, não vote antes’. E temos que parar com isso”.

    Nos meses que se seguiram às eleições intermediárias, os aliados e conselheiros de Trump disseram que o ex-presidente permaneceu obcecado com suas alegações sobre a eleição roubada, mas foi persuadido a mudar sua retórica pública.

    “Ele não acredita que as derrotas em 2022 tenham algo a ver com a conversa de negação eleitoral, não importa quantas pessoas digam a ele”, disse uma fonte próxima a Trump à CNN. “É porque ele ainda ouve as pessoas que dizem que a base se preocupa com isso”.

    Desde as eleições intermediárias, conselheiros próximos estudaram as leis estaduais e apresentaram a Trump uma pesquisa sobre como os democratas estavam trabalhando dentro do sistema e usando a votação por correio e a coleta de cédulas de terceiros a seu favor, bem como um plano mostrando que os republicanos eram capazes de fazer o mesmo para ajudá-los a vencer a eleição de 2024.

    “A mensagem [para Trump] foi: ‘Se não fizermos assim, nunca venceremos”, disse à CNN um aliado de Trump familiarizado com a conversa.

    Notavelmente, Trump também reprimiu seus longos discursos públicos sobre a eleição de 2020 – algo que seus conselheiros imploraram que ele fizesse desde antes das eleições intermediárias. Seus rivais também colocaram a questão do voto em primeiro plano.

    A ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, a primeira republicana a desafiar Trump pela indicação do Partido Republicano, pediu publicamente ao partido que adote o voto antecipado e à distância.

    Falando à Coalizão Judaica Republicana após as eleições intermediárias, ela argumentou que os republicanos “ficaram em nossas mãos” na eleição, enquanto os democratas acumularam votos iniciais.

    Em comentários no mesmo evento, o governador da Flórida, Ron DeSantis – que deve entrar nas primárias presidenciais do Partido Republicano ainda este ano – instou seu partido a buscar a “colheita de votos” nos estados onde é permitido.

    Bentz, o pesquisador do Arizona, disse que deixar de depositar votos antecipadamente coloca os republicanos em desvantagem estratégica porque os força a “cuidar” de seus prováveis eleitores durante o dia da eleição para garantir que votem – em vez de empregar esses recursos para atrair eleitores infrequentes ou conquistar os indecisos.

    É uma tática arriscada se o mau tempo ou outros problemas surgirem no dia da eleição.

    Vários candidatos republicanos no Arizona reclamaram no ano passado que seus eleitores foram privados de direitos depois que surgiram problemas com impressoras em vários locais de votação no último dia de votação no condado de Maricopa, o condado mais populoso do estado e lar de Phoenix.

    As autoridades locais disseram que os problemas do dia da eleição não impediram ninguém de votar legalmente, e os juízes até agora rejeitaram as tentativas de anular os resultados do ano passado.

    No final deste mês, a Suprema Corte do Arizona deve decidir se aceitará um desafio eleitoral de última hora do candidato republicano ao governo de 2022, Kari Lake, que perdeu para a governadora democrata Katie Hobbs por aproximadamente 17.000 votos em mais de 2,5 milhões lançados.

    Divisão partidária

    Mais da metade dos estados – incluindo importantes campos de batalha presidenciais, como Arizona, Pensilvânia e Geórgia – permitem que o eleitor solicite e vote à distância/por correio sem necessidade de desculpa ou motivo, de acordo com a Conferência Nacional de Legislaturas Estaduais. Mas os democratas ultrapassaram os republicanos no uso desse método.

    Em 2020 – quando as oportunidades de votar remotamente cresceram durante o auge da pandemia – quase 60% dos democratas votaram pelo correio, em comparação com apenas 32% dos republicanos, de acordo com dados de pesquisa analisados por Charles Stewart, cientista político e diretor do Laboratório de Dados e Ciências Eleitorais do MIT.

    Ambos os partidos registraram taxas semelhantes de votação pelo correio em 2016 e 2012.

    Na Pensilvânia, onde os democratas mantiveram o gabinete do governador e viraram uma cadeira republicana no Senado dos EUA no ano passado, a vantagem do correio dos democratas nas eleições intermediárias foi gritante.

    O candidato republicano, Dr. Mehmet Oz, superou o democrata John Fetterman na votação do dia da eleição. Mas Fetterman, o vencedor, recebeu mais de 960.000 votos pelo correio contra cerca de 234.000 de Oz, mostram os registros estaduais.

    Stewart, do MIT, disse que alguns republicanos deixaram “um conjunto muito poderoso de ferramentas sobre a mesa” por algum tempo ao não encorajar a votação por correspondência.

    Ao mesmo tempo, um coro de ativistas conservadores de base exigiu votação pessoal em um único dia e outras mudanças nos procedimentos eleitorais, ecoando a desconfiança do sistema expressa por Trump e outros que afirmam que a eleição de 2020 foi roubada.

    “Toda a narrativa associada ao voto em pessoa se infiltrou tão completamente no Partido Republicano que vai demorar muito para mudar a visão dos republicanos neste momento”, disse Stewart.

    Alguns dos críticos mais ardentes da votação por correspondência começaram a aparecer – embora com relutância. Entre eles: Doug McLinko, um funcionário republicano local na Pensilvânia, que foi o principal demandante em um dos processos do Partido Republicano que buscava, sem sucesso, derrubar a lei estadual de 2019 que estabelecia votação por correio sem desculpa.

    McLinko, que ajuda a supervisionar as eleições locais como parte da Comissão do Condado de Bradford, no nordeste da Pensilvânia, disse acreditar que a maioria dos eleitores deveria votar pessoalmente no dia da eleição, o que, segundo ele, demonstra um verdadeiro engajamento na democracia.

    “As pessoas não deveriam poder deitar na cama, comer Tostitos e votar pelo correio”, disse ele à CNN.

    “Eu não sou idiota. Teremos que aprender a fazê-lo”, disse McLinko sobre a votação por correspondência. “…Vamos bater de frente e tentar entrar em todas as cédulas pelo correio”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original