Às vésperas de certificação da vitória de Biden, Trump pressiona Pence

Em comício na Geórgia, presidente dos EUA disse que Mike Pence 'vai acertar na mosca' em contagem de voto no Congresso; papel do vice é amplamente cerimonial

Em comício na Geórgia, Trump disse esperar que Pence se manifeste a seu favor no Congresso
Em comício na Geórgia, Trump disse esperar que Pence se manifeste a seu favor no Congresso Foto: Reuters

Maegan Vazquez, Ryan Nobles e Nikki Carvajal, da CNN

Ouvir notícia

Durante um comício na noite de segunda-feira (4) em apoio a dois candidatos do Partido Republicano na disputa na Geórgia por vagas ao Senado, o presidente dos EUA, Donald Trump, parecia estar focado no papel de seu vice, Mike Pence, durante a certificação dos resultados das eleições presidenciais de 2020 como sua última cartada para tentar reverter a derrota para Joe Biden.

Pence, no entanto, desempenhará um papel amplamente cerimonial na quarta-feira (6) quando o Congresso confirmará a votação do Colégio Eleitoral na última etapa antes da posse da chapa democrata de Biden e Kamala Harris, no dia 20.

“Tenho que te dizer: espero que Mike Pence se manifeste”, admitiu Trump. “Espero que o nosso grande vice-presidente nos represente. Ele é um ótimo cara. Claro, se ele não se manifestar, não gostarei tanto dele.”

Mas Trump, que foi visto no Salão Oval com o vice-presidente pouco antes de partir para a Geórgia, não disse exatamente o que quer que Pence faça, visto que seu papel na contagem dos votos é, em grande parte, cerimonial.

Assista e leia também:
EUA: Eleição na Geórgia decide se Senado terá maioria republicana ou democrata
Biden faz campanha para democratas em Atlanta antes do segundo turno nesta terça
Ligação de Trump para secretário da Geórgia pode render processo por fraude

Trump acrescentou: “Mike é um cara incrível, ele é um homem maravilhoso e inteligente e um homem de quem gosto muito. Ele terá muito a dizer sobre isso. E ele, vocês saibam de uma coisa, vai acertar na mosca – ele vai falar direto.”

Embora o comício fosse para os senadores republicanos David Perdue e Kelly Loeffler, Trump se concentrou fortemente na eleição presidencial de 2020, alegando mais uma vez, sem mostrar provas, que ela foi fraudada.

Não há evidências de fraude eleitoral generalizada e a equipe jurídica de Trump tem sido repetidamente incapaz de sustentar suas alegações no tribunal.

Trump gastou relativamente pouco tempo realmente promovendo os dois candidatos republicanos ao Senado, mas chamou Perdue de “um grande cavalheiro” e Loeffler de “campeão fantástico”.

“Kelly é um defensor ferrenho de nossos incríveis militares. Estou muito orgulhoso de nossos militares. Ele apoia o muro [na fronteira com o México] e sempre está com os heróis da aplicação da lei e da Patrulha de Fronteira”, disse o presidente.

Trump também trouxe ao palco a deputada republicana Marjorie Taylor Greene, uma promotora do QAnon. E ao observar que o senador republicano de Utah Mike Lee, que deve fazer uma declaração e argumentar contra a anulação dos resultados pelo Congresso, estava na audiência, o presidente disse: “Mike Lee também está aqui, mas estou um pouco bravo com ele hoje.”

Foco de comício na Geórgia deveria ser o segundo turno para disputa no Senado
Foco de comício na Geórgia deveria ser o segundo turno para disputa no Senado, mas Trump falou mais sobre a eleição presidencial de 2020
Foto: Reuters

A presença do presidente no comício em Dalton normalmente seria bem-vinda para os republicanos apenas um dia antes do segundo turno, nesta terça-feira (5), que determinará qual partido controla o Senado

Mas antes da manifestação, alguns republicanos estavam convencidos de que o presidente, que pressionou o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, para “encontrar” votos que mudariam a votação a seu favor em uma ligação divulgada no domingo, gastaria muito mais tempo focado em sua alegação infundada de fraude eleitoral do que em reunir seus partidários para votarem em Loeffler e Perdue.

Em meio à enxurrada de reivindicações sem provas feitas no comício, Trump protestou contra Raffensperger e o governador republicano da Geórgia, Brian Kemp, dizendo que eles não eram republicanos de verdade e que ele faria campanha contra sua reeleição.

Declarações públicas e observações de fontes familiarizadas com a situação sugerem que Trump está obcecado pelas questões que expôs na ligação de Raffensperger.

Trump pressionou repetidamente para falar com o secretário de Estado da Geórgia, disseram duas fontes conhecidas. E entre o dia da eleição e o telefonema de sábado (2), foram feitas 18 tentativas de ligações da Casa Branca para o escritório de Raffensperger, disseram à CNN uma fonte com conhecimento e uma autoridade do estado da Geórgia.

A existência do telefonema e o número de tentativas de ligação foram relatados primeiro pelo jornal The Washington Post.

Assista e leia também:
Análise: EUA terão semana história na política; veja os principais eventos
EUA: 10 ex-secretários de Defesa dizem que tempo de contestar eleição ‘passou’
Jornalista que revelou o Watergate diz que caso de Trump é ‘muito pior’

Na segunda-feira, Raffensperger disse ao programa Good Morning America ??da ABC que esta foi sua primeira ligação sobre o assunto com Trump. Vários funcionários do alto escalão da Casa Branca não sabiam da ligação até Trump tuitar sobre isso.

“A capacidade do presidente de exceder as expectativas quando se trata de quão inútil ele pode ser permanece imbatível”, disse à CNN uma fonte do Partido Republicano que trabalhava no segundo turno na Geórgia.

Esta é uma preocupação compartilhada no estado. Os líderes republicanos locais discordam de Trump sobre a eleição de novembro, mas compartilham o desejo do presidente de ver Loeffler e Perdue eleitos.

“Aquele telefonema não ajudou em absolutamente nada, não vai a impulsionar o comparecimento dos republicanos aqui na Geórgia para votar em Kelly Loeffler e David Perdue”, disse o presidente do Senado da Geórgia, Geoff Duncan, que não participou do comício de Trump. 

“Fiquei desapontado e, para ser sincero, não consigo imaginar ninguém naquela equipe incentivando essa ligação ou não lhe dando o conselho de desligar e passar para o próximo assunto.”

Depois que a conversa foi divulgada, muitos republicanos da Geórgia desistiram de toda esperança de que a visita de Trump na noite de segunda-feira fosse uma contribuição positiva.

“Ninguém tem nenhuma razão racional para acreditar que tudo correrá bem”, disse um republicano no estado. “A probabilidade de um show de horror, completo e absoluto, é grande. Se o desastre for evitado, será pura sorte.”

Assista e leia também:
Aposta de Trump para roubar a Geórgia expõe tática do Partido Republicano
EUA: 140 deputados republicanos devem votar contra contagem de votos eleitorais
Biden diz que assessores de Trump atrapalham sua equipe de transição

No telefonema com Raffensperger, Trump citou a multidão esperada para o comício na noite de segunda-feira em Dalton como evidência de que ele realmente ganhou a eleição em novembro. Ele avisou o secretário de Estado que planejava trazer suas queixas ao evento.

“O povo da Geórgia está com raiva e esses números serão repetidos na segunda-feira à noite junto com outros que teremos até então, que são muito mais substanciais ainda, e o povo da Geórgia está com raiva”, disse Trump.

A última visita de Trump à Geórgia não foi a ideal – ele passou a maior parte do comício expressando queixas sobre a votação de novembro. Isso incluiu a reprodução de longos segmentos de vídeo de veículos conservadores como o Newsmax, que publicou histórias completamente falsas sobre supostas fraudes. 

Quando Perdue e Loeffler subiram ao palco, foram abafados por gritos de “pare com o roubo” e “levante-se por Trump”.

Da mesma forma, em um determinado momento, a multidão no comício cantou alto e repetidamente “lute por Trump” antes do início das declarações do presidente.

A campanha de Trump prometeu que a visita do presidente na segunda-feira seria uma ajuda para a chapa republicana.

“Manter a maioria republicana no Senado tem sido uma prioridade para o presidente desde o início”, disse Tim Murtaugh, diretor de comunicações da campanha de Trump.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN