Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ucrânia pode ficar sem mísseis de defesa se Rússia continuar com bombardeios

    Alerta foi feito pelo presidente ucraniano Volodymyr Zelensky neste sábado (6)

    O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky
    O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky Theodore Manolopoulos/Assessoria de Imprensa da Presidência Grega/Divulgação via Reuters

    Reuters

    O presidente Volodymyr Zelenskiy alertou, em comentários veiculados neste sábado, que a Ucrânia pode ficar sem mísseis de defesa aérea se a Rússia mantiver sua intensa campanha de bombardeios de longo alcance.

    O alerta mais contundente do líder ucraniano até agora sobre a deterioração da situação das defesas aéreas do seu país foi dado após semanas de ataques russos contra o sistema de energia e cidades, usando um vasto arsenal de mísseis e drones.

    “Se eles continuarem atingindo (a Ucrânia) todos os dias da maneira como estão fazendo no último mês, podemos ficar sem mísseis, e os parceiros sabem disso”, afirmou Zelenskiy, em uma entrevista para a televisão ucraniana.

    Ele afirmou que a Ucrânia tem estoques de defesa aérea suficientes para lidar com o momento, mas que já estava tendo que tomar decisões difíceis sobre o que proteger.

    Ele destacou especialmente a necessidade do sistema de defesa aérea Patriot.

    O sofisticado sistema de defesa aérea dos EUA tem sido vital durante os ataques russos com mísseis balísticos ou hiperssônicos que podem atingir alvos em questão de minutos.

    Zelenskiy também disse que a Ucrânia não tem munições suficientes para uma contra-ofensiva contra a Rússia, mas começou a receber algumas de parceiros. “Não temos munições para ações contra-ofensivas, como para a defesa – há várias iniciativas e estamos recebendo armas”, disse.

    O presidente ucraniano aonda disse que seu país concordaria com um pacote de ajuda dos EUA na forma de um empréstimo “Concordaremos com quaisquer opções”, disse ele, acrescentando que “quanto mais cedo (a ajuda chegar), melhor”.

    (Reportagem de Yuliia Dysa em Kiev e Elaine Monaghan em Washington)