Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Controlada pela Rússia, cidade de Kherson tem saques e toque de recolher, diz Ucrânia

    Ordem de evacuação teria sido dada pelos russos, informa o governo de Kiev; país relata prejuízos à estrutura de energia

    Região de Kherson, na Ucrânia, está sendo controlada pelas forças russas
    Região de Kherson, na Ucrânia, está sendo controlada pelas forças russas 26/7/2022 REUTERS/Alexander Ermochenko

    Da CNN

    Militares da Ucrânia afirmaram ter recebido relatos de saques e roubos na cidade de Kherson, que está sob controle da Rússia. A informação foi dada pelas autoridades ucranianas em comunicado oficial divulgado neste sábado (22). As forças lideradas pelo presidente Volodymyr Zelensky atribuem os crimes às tropas russas, que também teriam ordenado um toque de recolher na região.

    “O número de casos de saques e ações ilegais em Kherson aumentou”, disse o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia. “Os ocupantes [russos] apreendem carros da população local e tentam sair da cidade usando a balsa perto da ponte Antonivskyi.”

    Na manhã de sábado, a administração local, apoiada pela Rússia, orientou aos civis que evacuassem a área em direção à margem leste do rio Dnipro. A contra-ofensiva da Ucrânia está se aproximando de Kherson, embora o governo de Kiev rejeite as alegações russas de perigo para a população, classificando a orientação como “histeria” infundada.

    Reposicionamento das tropas russas

    Os militares da Ucrânia também afirmam que as forças russas estão em retirada da região de Kherson, deixando dois assentamentos a cerca de 100 quilômetros a nordeste da cidade, Charivne e Chkalove. Oficiais e equipes médicas também foram evacuados de Beryslav, a leste da cidade de Kherson, disseram as autoridades da Ucrânia.

    A CNN não conseguiu verificar de forma independente as alegações dos militares sobre os crimes relatados em Kherson ou sobre a movimentação dos militares russos.

    Ataques à rede elétrica

    Mais do que bases militares ou centros de transporte, a Rússia tem, nas últimas semanas, intensificado os bombardeios às redes de distribuição de eletricidade e aquecimento da Ucrânia.

    Com o inverno europeu se aproximando, ataques de mísseis e drones russos estão atingindo usinas termelétricas, subestações de eletricidade, transformadores e oleodutos. O resultado: cortes contínuos de energia, estações de bombeamento de água desativadas e interrupções generalizadas na internet.

    “Este é um ato terrorista planejado com a ajuda de competentes especialistas em energia russos, que visa desligar o sistema de energia da Ucrânia. Ou seja, alcançar um apagão completo no país”, disse Oleksandr Kharchenko, CEO do Centro de Pesquisa de Energia em Kiev, na sexta-feira (21).

    As usinas hidrelétricas e termelétricas a gás são fundamentais para garantir a sobrevivência da população ucraniana durante o rigoroso inverno, já que a energia gerada a partir delas possibilita o funcionamento dos aquecedores.

    Enquanto as forças russas sofreram baixas em setembro e outubro, especialistas avaliam que mergulhar a Ucrânia em um inverno escuro e gelado é a nova estratégia das forças russas.

    (Com informações de Tim Lister, Julia Kesaieva, Denis Lapin e Stephanie Halasz, da CNN)