Ucranianos celebram a Páscoa em meio à guerra

Cestas de Páscoa serão enviadas aos soldados com ovos decorativos com mensagens de encorajamento

Um padre lembra os paroquianos do sacrifício de Jesus nos degraus da Igreja da Intercessão da Santíssima Virgem em Lviv, na Ucrânia
Um padre lembra os paroquianos do sacrifício de Jesus nos degraus da Igreja da Intercessão da Santíssima Virgem em Lviv, na Ucrânia CNN

Lauren Said-MoorhouseIsa SoaresMadalena AraujoSofiya Harbuziukda CNN

Ouvir notícia

A ucrânia enfrentou batalhas intensas, ataques aéreos brutais e perdas inimagináveis, mas neste fim de semana muitos ucranianos tentarão celebrar um de seus feriados mais importantes do ano: a Páscoa ortodoxa.

Tradicionalmente, um momento de reflexão e renascimento, este domingo (24), também marcará exatamente dois meses desde que o país foi lançado em uma guerra devastadora após a invasão das forças russas.

Em seu discurso na noite do último sábado, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, refletiu sobre o significado da data. “Hoje, é ‘Sábado Santo’ para os cristãos de rito oriental. O dia entre a Crucificação e a Ressurreição. Parece que a Rússia está presa nesse dia”, disse ele.

“No dia em que a morte triunfar e Deus supostamente se foi. Mas haverá uma Ressurreição. A vida derrotará a morte. A verdade derrotará qualquer mentira. E o mal será punido”, acrescentou Zelensky.

À medida que os combates se intensificam no sul e no leste, muitos na Ucrânia estão se apoiando em sua fé em busca de consolo, enquanto outros optam por voltar para casa da vizinha Polônia para estar entre os entes queridos nas comemorações da Páscoa.

“Nunca estive tão feliz na minha vida. Quando finalmente vi meu marido novamente, na minha primeira noite aqui, ainda senti que era um sonho”, disse Anna-Mariia Nykyforchyn, 25, à CNN, de Lviv, um cidade em grande parte poupada do ataque russo.

Grávida de nove meses quando a guerra eclodiu, Nykyforchyn foi uma das mais de cinco milhões que fizeram a difícil decisão de sair. Ela voltou há dois dias com seu bebê Marharyta.

“Para mim, foi extremamente importante voltar para casa antes da Páscoa”, diz ela, antes de compartilhar sua alegria com a perspectiva de os avós do casal conhecerem a nova adição à família. “Eu realmente queria que estivéssemos juntos. É um raio de esperança de que tudo vai ficar bem.”

Sentada no sofá em seu apartamento no centro de Lviv, Nykyforchyn olha para seu marido Nazar, de 27 anos, cuja atenção está firmemente fixada na pequena menina dormindo em seu colo.

Anna-Mariia Nykyforchyn, à esquerda, e o marido Nazar, à direita, olham para a filha de um mês, Marharyta / CNN”Tive uma experiência muito difícil de ficar na Polônia tanto fisicamente, por causa do bebê, quanto mentalmente. Foi mais do que difícil, insuportável”, diz ela.

“Passei para a incerteza: para pessoas estranhas, para uma casa de estranhos, para uma cidade que nunca estive antes, para um país com uma língua que não falo fluentemente. Entendi que teria que dar à luz em uma clínica onde ninguém me conhece e onde não fiz nenhum acordo. Não sabia como seria. Mas o principal pensamento que me manteve à tona foi que meu filho tem que nascer em condições seguras”, diz Nykyforchyn.

Em seguida, Nazar entra na conversa: “Ela não é apenas uma mulher, ela é uma heroína… se eu estivesse no lugar dela, não seria capaz… eu teria desmoronado. E ela não quebrou.”

Enquanto o pai orgulhoso está claramente encantado por se reunir com sua esposa e filha, esta jovem família é uma das mais afortunadas. Nem todos terão a mesma chance de se reunir com seus entes queridos.

O governo ucraniano anunciou novos toques de recolher para o fim de semana da Páscoa, em meio a advertências das autoridades sobre o potencial de aumento da atividade militar russa durante as celebrações do feriado.

E no início desta semana, autoridades nas regiões de Luhansk e Sumy pediram aos moradores que participassem de cultos virtuais, citando possíveis “provocações” russas, enquanto observavam que muitas igrejas foram destruídas na invasão.

Apesar das preocupações, os moradores de Lviv foram às igrejas da cidade para receber bênçãos de proteção e oração no sábado.

Na Igreja da Intercessão da Santíssima Virgem, os fiéis ignoraram os apelos para ficar em casa e, em vez disso, fizeram fila com cestas decoradas de alimentos prontas para serem abençoadas com água benta pelos párocos.

Ao mesmo tempo, Volodymyr está pacientemente ao lado de sua família enquanto eles esperam que o padre desça a fila.

“As pessoas muitas vezes pensam que as férias devem ser alegres, trazer alívio e facilitar – e quando se sentem bem, não se voltam para a verdadeira fé… agora, estamos passando por tempos difíceis, as pessoas estão começando a se aproximar de Deus, há mais gente aqui do que antes, e isso é bom para nós”, diz ele, antes de nos mostrar a paska caseira (um pão tradicional de Páscoa), salsicha, presunto e queijo aninhado entre velas e ovos decorativos em sua cesta.

“Hoje de manhã houve um alarme aéreo, mas agora graças a Deus está mais calmo e pudemos vir. É muito importante para nós. É a igreja que visitamos com frequência”, acrescenta.

Perto dali, um voluntário de 35 anos da igreja Andrii está carregando caixas de coleta de comida de Páscoa para as tropas ucranianas. “Estamos tentando manter um clima festivo e esperança de justiça e paz. Neste feriado, a Páscoa dá ainda mais esperança. Temos que acreditar na vitória assim como acreditamos em Jesus Cristo”, diz ele.

Cestas de Páscoa serão enviadas aos soldados com ovos decorativos com mensagens de encorajamento / CNN

Apontando para os contêineres, ele acrescenta: “[os soldados] serão enviados para as unidades militares que protegem nossa terra. Eles devem ter a oportunidade de comer um pouco de paska e salsicha”.

Uma rajada de vento atinge o lindo tecido bordado que cobre a cesta de Maryanna, de 35 anos. Depois de consertá-lo de volta no lugar, ela diz à CNN que sua família atendeu aos avisos para permanecer em casa.

“É assustador e há ansiedade na minha alma. Em Odesa, hoje, houve um ataque de míssil… Mas acreditamos em Deus e esperamos que tudo acabe com a vitória”, diz ela suavemente.

Quando um padre vira a esquina, seus olhos rapidamente voltam para sua cesta. “Recebemos uma notificação das autoridades da cidade de que as pessoas deveriam ficar em casa, mas não podemos”, diz. “Como podemos não abençoar o pão da Páscoa? Perdemos durante uma pandemia de Covid- 19 – e agora as pessoas precisam desesperadamente do feriado.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN