Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Última bruxa de Salém é inocentada graças a uma professora e seus alunos

    Por seus "crimes", Elizabeth Johnson foi condenada à morte aos 22 anos, mas a sentença foi suspensa; ela lutou ao longo de toda a sua vida para limpar seu nome, mas isso só aconteceu 330 anos depois

    O Memorial das Bruxas de Salém
    O Memorial das Bruxas de Salém Boston Globe via Getty Images

    Scottie Andrewda CNN

    Ouvir notícia

    Elizabeth Johnson Jr, uma mulher condenada por feitiçaria durante os julgamentos das bruxas de Salém na década de 1690, foi finalmente absolvida na semana passada após anos de petições da professora de Massachusetts Carrie LaPierre e seus alunos de educação cívica da oitava série. A justiça veio quase 330 anos depois.

    A mulher foi acusado de bruxaria em 1692 junto com mais de 200 outras mulheres e homens em Salém. Dos condenados, 19 foram enforcados e outros quatro morreram na prisão – Johnson também deveria ser executada, mas foi poupada.

    Ainda que não tenha sido assassinada, durante a vida de Johnson e ao longo dos séculos que se seguiram, seu nome nunca foi realmente limpo. Isso ocorreu somente agora, quando Carrie LaPierre, professora de educação cívica da oitava série da North Andover Middle School, se deparou com sua história e envolveu seus alunos no caso.

    A condenação

    North Andover, uma cidade no nordeste de Massachusetts, fica a apenas 40 minutos de Salém. Mas até ler um livro sobre bruxas locais do historiador Richard Hite, LaPierre disse que não tinha ideia de como os julgamentos das bruxas de Salém repercutiram na cidade – e foi nessas páginas que ela soube de Johnson.

    Enquanto muitas outras bruxas condenadas foram absolvidas, algumas delas postumamente, como a falecida Johnson – ou “EJJ”, como LaPierre e seus alunos a chamavam – de alguma forma foram esquecidas ao longo dos anos, disse a professora à CNN em um e-mail.

    Os detalhes da vida de Johnson são escassos, mas sua família foi um dos principais alvos dos julgamentos das bruxas de Salém, impulsionados pela histeria, governo puritano e brigas entre famílias. Ela foi uma das 28 pessoas da família acusados ​​de bruxaria em 1692, de acordo com o Boston Globe.

    Johnson fez uma confissão convincente durante um interrogatório judicial: ela disse que outra mulher, Martha Carrier, “a persuadiu a ser uma bruxa” e que Carrier disse a ela que “deveria ser salva se ela fosse uma bruxa”, de acordo com um documento de 1692 digitalizado pelo Arquivo Documentário dos Julgamentos das Bruxas de Salém da Universidade da Virgínia.

    Alguns dos detalhes de sua história foram sórdidos e mortificantes para os moradores de Salém: Johnson disse que o diabo apareceu para ela “como dois gatos pretos”, e ela nomeou várias outras pessoas na cidade que também estariam envolvidas em feitiçaria. A mulher também mostrou os nós dos dedos, onde parecia que colegas “bruxas” a haviam “sugado”, de acordo com o documento do exame de 1692.

    Por seus “crimes”, Johnson foi condenada à morte aos 22 anos, como o Boston Globe noticiou no ano passado, mas a condenação foi suspensa pelo governador na época (cuja esposa também foi acusada de bruxaria).

    Em 1711, depois que as autoridades estaduais perceberam que tinham poucas evidências para condenar e executar ou prender mulheres (e alguns homens) por feitiçaria, eles absolveram muitos daqueles que haviam sido condenados ou até enforcados, incluindo John Proctor, mais tarde um dos protagonistas da peça de Arthur Miller “The Crucible”.

    O nome de Johnson, porém, foi omitido desta lista. Assim, em 1712, ela solicitou a inclusão de Salém no ato, que previa a restituição às famílias dos acusados.

    Na carta, ela pedia “que o Honorável Tribunal tenha o prazer de me permitir algo em consideração às minhas acusações em razão da minha longa prisão, que será reconhecida com gratidão como um grande favor”.

    Por que, exatamente, Johnson foi deixado de fora não está claro. Mas LaPierre decidiu, depois de se conectar com a North Andover Historical Society, LaPierre que assumir o caso de uma “bruxa” morta há muito tempo e limpar seu nome poderia ser um projeto envolvente para seus alunos – uma aplicação real de civismo em ação.

    Última bruxa absolvida

    Assim, os alunos da oitava série de LaPierre decidiram exonerar EJJ, fazendo uma petição à legislatura de Massachusetts com a esperança de que um legislador apresentasse um projeto de lei para limpar seu nome.

    Eventualmente, depois de três anos e “inúmeras decepções”, um senador estadual os ouviu – Diana DiZoglio patrocinou uma emenda ao orçamento do estado este ano para adicionar o nome de Johnson a uma resolução existente que exonerou outras “bruxas” pelo nome.

    Toda aquela petição e navegação burocrática foi instrutiva para suas turmas da oitava série, mas LaPierre disse que “as lições duradouras são provavelmente mais importantes: defender a justiça, defender aqueles que não podem fazê-lo por si mesmos, reconhecer que suas vozes têm poder na comunidade e no mundo, e entendendo que a persistência é necessária para alcançar seus objetivos.”

    A emenda adiciona o nome de Johnson a uma resolução de 1957 que exonerou várias pessoas condenadas por feitiçaria – e assim, finalmente, o desejo de absolvição de Johnson foi concedido.

    Mas o trabalho para LaPierre continua: ela terá que encontrar um novo projeto para seus alunos da oitava série agora que o caso de Johnson está encerrado. Ela está deixando para seus alunos este ano um trabalho para determinar os problemas com os quais eles se importam e os cursos de ação que tomarão para resolvê-los.

    O que quer que seus alunos decidam enfrentar este ano, as bruxas provavelmente estão fora da mesa: Johnson é a última mulher condenada nos julgamentos de Salem a ser exonerada. E com isso, LaPierre e sua turma encerraram um capítulo da história que começou séculos atrás.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN