União Europeia concede status de candidata à Ucrânia em ‘momento histórico’

Qualificação para eventual entrada ao bloco pode levar mais de uma década

Sabine SieboldIngrid Melanderda Reuters

Ouvir notícia

Líderes europeus aceitaram formalmente a Ucrânia como candidata para se juntar à União Europeia (UE) nesta quinta-feira (23), um movimento geopolítico ousado saudado pela Ucrânia e pela própria UE como um “momento histórico”.

Embora possa levar mais de uma década para a Ucrânia e a vizinha Moldova se qualificarem para a adesão, a decisão em uma cúpula de dois dias da UE é um passo simbólico que sinaliza a intenção do bloco de se aprofundar na antiga União Soviética.

“Um momento histórico”, tuitou o chefe do Conselho Europeu, Charles Michel. “Hoje marca um passo crucial em seu caminho em direção à UE”, disse ele, acrescentando: “Nosso futuro está junto”.

A medida, que também concede à Moldova o status de candidata, dá o pontapé inicial na expansão mais ambiciosa da UE desde que acolheu os estados do Leste Europeu após a Guerra Fria.

“Todas as pessoas na Ucrânia estão assistindo e esperando por esta decisão”, disse Ivan Zichenko, um ucraniano de 34 anos da cidade devastada de Kharkiv, que agora vive em Bruxelas.

“É muito, muito importante elevar a moral deles”, disse ele enquanto algumas dezenas de pessoas gritavam “A Ucrânia é a Europa” em um comício do lado de fora do prédio de Bruxelas onde os líderes da UE estavam reunidos.

Por trás da retórica triunfante, no entanto, há preocupação dentro da UE sobre como o bloco pode permanecer coerente à medida que continua a se expandir.

Depois de começar em 1951 como uma organização de seis países para regular a produção industrial, a UE agora tem 27 membros que enfrentam desafios complexos desde as mudanças climáticas e a ascensão da China a uma guerra à sua própria porta.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que sua “operação militar especial” lançada na Ucrânia no final de fevereiro foi parcialmente necessária pela invasão ocidental no que a Rússia caracteriza como sua legítima esfera de influência geográfica.

A luz verde da UE “é um sinal para Moscou de que a Ucrânia, e também outros países da antiga União Soviética, não podem pertencer às esferas de influência russa”, disse o embaixador da Ucrânia na UE, Chentsov Vsevolod, à Reuters mais cedo nesta quinta-feira.

“Há soldados ucranianos ligando para casa da linha de frente e perguntando: o que está acontecendo com nosso status de candidato? É incrível como isso é importante para o povo ucraniano.”

Frustração dos Balcãs

Enquanto a Ucrânia e a Moldova deveriam ser recebidas na sala de espera da UE, a Geórgia recebeu “uma perspectiva europeia”, mas disse que deve cumprir as condições antes de ganhar o status de candidato.

A reticência sobre o alargamento da UE retardou o progresso para a adesão de um grupo de países dos Balcãs — Albânia, Bósnia, Kosovo, Montenegro, Macedônia do Norte e Sérvia —cujos líderes se encontraram com seus homólogos da UE em Bruxelas pela manhã.

O primeiro-ministro albanês, Edi Rama, disse ao chegar a uma reunião com líderes da UE antes da cúpula do bloco: “Bem-vindo à Ucrânia, é uma coisa boa dar status de candidato, mas espero que o povo ucraniano não tenha muitas ilusões sobre isso”.

Um rascunho da declaração da cúpula mostrou que os líderes da UE voltarão a dar “compromisso total e inequívoco com a perspectiva de adesão à UE dos Balcãs Ocidentais”.

Mas o caminho rápido da Ucrânia para o status de candidato formal só serviu para aumentar seu sentimento de marginalização, o que traz o risco para a UE de que a Rússia e a China estendam sua influência na região dos Balcãs.

“Quanto mais a UE não der um sinal unificado e claro aos Balcãs Ocidentais, mais outros fatores malignos usarão esse espaço e esse vácuo”, disse o presidente de Kosovo, Vjosa Osmani.

O chanceler alemão Olaf Scholz disse esta semana que a UE deve “reformar seus procedimentos internos” para se preparar para a adesão de novos membros, destacando a necessidade de que questões-chave sejam acordadas por maioria qualificada e não por unanimidade.

A exigência de unanimidade muitas vezes frustra as ambições da UE porque os Estados membros podem bloquear decisões ou enfraquecê-las.

Apesar das ondas de crises que abalaram a UE, desde a migração e a saída da Grã-Bretanha do bloco, o sindicato continua popular, com uma pesquisa nesta semana mostrando que a aprovação para a adesão à UE está em alta em 15 anos.

Ainda assim, o descontentamento público está aumentando com a inflação e uma crise de energia, enquanto a Rússia restringe o fornecimento de gás em resposta às sanções, questões para o segundo dia da cúpula na sexta-feira.

 

*Reportagem adicional de Phil Blenkinsop, Bart Biesemans, Christian Levaux, Fran

Mais Recentes da CNN