Ucrânia começará primeiro julgamento de soldado russo acusado de estupro

O suspeito, Mikhail Romanov, de 32 anos, que não está sob custódia ucraniana e será julgado à revelia, é acusado de assassinar um civil na região da capital de Kiev em 9 de março e depois estuprar repetidamente a esposa do homem, de acordo com arquivos do tribunal

Soldados em Kramatorsk, na Ucrânia.
Soldados em Kramatorsk, na Ucrânia. Scott Olson/Getty Images

Joanna PlucinskaMax Hunderda Reuters

em Kiev

Ouvir notícia

A Ucrânia deve realizar, nesta quinta-feira (23), uma audiência preliminar em seu primeiro julgamento de um soldado russo acusado de estuprar uma mulher ucraniana durante a invasão da Rússia, o primeiro de dezenas de casos desse tipo.

O suspeito, Mikhail Romanov, de 32 anos, que não está sob custódia ucraniana e será julgado à revelia, é acusado de assassinar um civil na região da capital de Kiev em 9 de março e depois estuprar repetidamente a esposa do homem, de acordo com arquivos do tribunal.

O Ministério da Defesa da Rússia não respondeu imediatamente a um pedido de comentário por escrito, e a Reuters não conseguiu entrar em contato com o soldado.

Moscou negou as acusações de crimes de guerra.

Romanov é acusado de estuprar uma mulher de 33 anos depois que ele e outro soldado russo atiraram em seu marido Oleksiy à queima-roupa na vila de Bohdanivka, no nordeste de Kiev.

Os dois soldados então saíram e depois voltaram mais duas vezes para estuprá-la, disseram os arquivos do tribunal. A identidade do segundo soldado não havia sido estabelecida.

Não ficou imediatamente claro que tipo de representação legal Romanov teria no julgamento, que será realizado a portas fechadas.

Um promotor que trabalha em casos de violência sexual disse à Reuters que até 50 desses crimes estão sendo investigados, mas que o número de casos de violência sexual cometidos por soldados russos desde 24 de fevereiro provavelmente será substancialmente maior.

Autoridades, ativistas e médicos disseram que muitos sobreviventes têm medo ou não querem apresentar seus casos à polícia e aos promotores, por medo de represálias da Rússia e estigma de seus vizinhos ucranianos.

Um porta-voz da Procuradoria-Geral disse que um promotor deve comentar publicamente sobre o julgamento após a audiência de quinta-feira.

A Ucrânia diz que está investigando milhares de potenciais crimes de guerra cometidos durante a invasão russa, que começou em 24 de fevereiro. A procuradora-geral Iryna Venediktova disse à Reuters que muitos dos suspeitos estão na Rússia, mas alguns foram capturados pela Ucrânia como prisioneiros de guerra.

Mais Recentes da CNN