Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    União Europeia estabelece planos para países reduzirem uso de gás em 15% até março

    Europa corre para encher seu estoque de gás antes do inverno e construir uma proteção caso Moscou restrinja fornecimento do produto

    Kate Abnettda Reuters

    A União Europeia (UE) estabeleceu nesta quarta-feira (20) planos de emergência para que os países reduzam o uso de gás em 15% até março, alertando-os de que, sem cortes profundos agora, eles podem lutar por combustível durante o inverno se a Rússia cortar o fornecimento.

    A Europa está correndo para encher seu estoque de gás antes do inverno e construir uma proteção caso Moscou restrinja ainda mais os suprimentos em retaliação ao apoio europeu à Ucrânia após a invasão da Rússia.

    Uma dúzia de países da UE já está enfrentando entregas russas reduzidas. Autoridades da UE dizem que é provável uma suspensão total do gás russo.

    A Comissão Europeia propôs na quarta-feira uma meta voluntária para todos os países da UE reduzirem o uso de gás em 15% de agosto a março, em comparação com o consumo médio no mesmo período de 2016-2021.

    A proposta permitiria a Bruxelas tornar a meta obrigatória em uma emergência de abastecimento, se a UE declarar um risco substancial de grave escassez de gás.

    O regulamento precisa da aprovação de uma maioria reforçada dos países da UE. Diplomatas dos países devem discuti-lo na sexta-feira, com o objetivo de aprová-lo em uma reunião de emergência de seus ministros de energia em 26 de julho.

    “A Rússia está nos chantageando. A Rússia está usando a energia como arma. E, portanto, em qualquer caso, seja um corte parcial e importante do gás russo ou um corte total do gás russo, a Europa precisa estar pronta”, disse. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse.

    O plano enfrentou resistência de alguns países, que sentem que seus planos de contingência não precisam de reforço da UE. Os países seriam obrigados a atualizar seus planos de gás de emergência até o final de setembro para mostrar como cumprirão a meta da UE.

    Entre os que se opõem está a Polônia, que encheu seu armazenamento de gás para 98% da capacidade depois que a Rússia cortou seu fornecimento em abril. Outros têm menos estocados, como a Hungria, que está 47% cheia.

    Mas o chefe de política energética da UE, Kadri Simson, disse que os países reduziram sua demanda combinada de gás em apenas 5%, apesar de meses de oferta cada vez menor da Rússia e aumento dos preços, com cortes mais profundos necessários com urgência.

    Um corte de 15% economizaria cerca de 45 bilhões de metros cúbicos de gás de agosto a março. A Rússia forneceu 40% do gás da UE antes da invasão da Ucrânia, ou cerca de 155 bcm por ano, mas os fluxos caíram desde então.

    Na semana passada, o Fundo Monetário Internacional alertou que um corte de gás russo poderia mergulhar as economias europeias em recessão.

    Bruxelas sugeriu medidas que os governos podem tomar para reduzir o uso de gás, incluindo leilões de compensação para indústrias que cortam o uso de gás e limites nas temperaturas de aquecimento e resfriamento em prédios públicos.

    Os governos também devem decidir a ordem em que forçarão as indústrias a fechar em uma emergência de abastecimento.

    As famílias são classificadas como “consumidores protegidos” sob as regras da UE e seriam protegidas de tais restrições.

    As entregas de gás devem ser retomadas através do gasoduto Nord Stream 1 da Rússia para a Alemanha na quinta-feira, após manutenção anual. Fontes disseram à Reuters que os fluxos provavelmente serão retomados, apesar dos temores de alguns governos de que não, mas abaixo da capacidade total.