Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Universidades dos EUA têm onda de protestos pró-Palestina; dezenas são presos

    Agitações espalharam-se por várias faculdades americanas, incluindo a Universidade de Yale, a vizinha Universidade de Nova York (NYU), e universidades em Boston e na Califórnia

    Matt EganChris BoyetteShimon ProkupeczNic F. Andersonda CNN

    A Universidade de Columbia, epicentro dos protestos pró-Palestina nos campi universitários dos EUA nos últimos dias, anunciou que todas as aulas em seu campus principal serão híbridas – se a tecnologia permitir – até o final do semestre.

    “A segurança é a nossa maior prioridade enquanto nos esforçamos para apoiar a aprendizagem dos nossos alunos e todas as operações acadêmicas necessárias”, disse a universidade em comunicado na noite de segunda-feira (22).

    Os professores que ministravam aulas onde o ensino híbrido não era uma opção foram solicitados a considerar a participação remota ou “fornecer outras acomodações generosamente aos alunos que solicitaram apoio para aprendizagem virtual esta semana”.

    O último dia de aulas é 29 de abril, de acordo com o calendário acadêmico da Columbia.

    A turbulência na universidade da Ivy League aumentou na segunda-feira, dia em que o principal feriado judaico da Páscoa começou ao pôr do sol, enquanto as tensões crescentes faziam com que as autoridades trabalhassem para aliviar os temores de segurança.

    Agitações semelhantes espalharam-se por várias outras faculdades americanas, incluindo a Universidade de Yale, onde dezenas de manifestantes pró-Palestina foram presos na segunda-feira, a vizinha Universidade de Nova York (NYU, na sigla em inglês), e universidades em Boston e na Califórnia.

    No início da noite de segunda-feira, alunos e professores da NYU foram presos durante protestos no campus da escola, confirmou o Departamento de Polícia de Nova York à CNN.

    A Universidade de Nova York pediu ao Departamento de Polícia de Nova York que interviesse durante os protestos na noite de segunda-feira, depois que cantos intimidadores e vários incidentes antissemitas foram relatados, disse a escola em comunicado à CNN.

    A polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York (NYU) que continuam sua manifestação no campus em solidariedade aos estudantes da Universidade de Columbia e para se opor aos ataques de Israel a Gaza, em Nova York, Estados Unidos Estados Unidos em 22 de abril de 2024.
    A polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York (NYU) que continuam sua manifestação no campus em solidariedade aos estudantes da Universidade de Columbia e para se opor aos ataques de Israel a Gaza, em Nova York, Estados Unidos Estados Unidos em 22 de abril de 2024. / Fatih Aktas/Anadolu via Getty Images

    “Isso [protesto] ocorreu sem aviso prévio à Universidade e sem autorização”, disse a escola. “A Universidade fechou o acesso à praça, colocou barreiras e deixou claro que não permitiríamos a adesão de manifestantes adicionais porque os protestos já perturbavam consideravelmente as aulas e outras operações nas escolas ao redor da praça.”

    Manifestantes adicionais – alguns que a universidade acredita não serem afiliados à NYU – ultrapassaram as barreiras e juntaram-se à manifestação na tarde de segunda-feira, disse a escola.

    Dada a violação e os gritos relatados, os funcionários da escola pediram ajuda policial. Um porta-voz da NYPD não confirmou quantas pessoas foram presas.

    A NYU entrou em contato com o NYPD dizendo que considerava “todos os manifestantes que ocupavam o Gould Plaza como invasores” e a universidade “gostaria que o NYPD limpasse a área e tomasse medidas para remover os manifestantes”, de acordo com uma carta da universidade compartilhada pelo Vice-Comissário de Operações da Polícia, Kaz Daughtry, nas redes sociais.

    A polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York (NYU) que continuam sua manifestação no campus em solidariedade aos estudantes da Universidade de Columbia e para se opor aos ataques de Israel a Gaza, em Nova York, Estados Unidos Estados Unidos em 22 de abril de 2024.
    A polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York (NYU) que continuam sua manifestação no campus em solidariedade aos estudantes da Universidade de Columbia e para se opor aos ataques de Israel a Gaza, em Nova York, Estados Unidos Estados Unidos em 22 de abril de 2024. / Fatih Aktas/Anadolu via Getty Images

    No campus principal de Columbia, as aulas já eram virtuais na segunda-feira devido a questões de segurança, já que a Páscoa estava marcada para começar.

    Num sinal claro da crise crescente, o presidente da Universidade de Columbia, Minouche Shafik, anunciou a medida extraordinária num comunicado publicado pouco depois da 14h, horário de Brasília, citando o desejo de “diminuir o rancor e dar a todos a oportunidade de considerar os próximos passos”.

    Como o Departamento de Polícia de Nova York construiu uma “grande presença” em torno de Columbia, a governadora de Nova York, Kathy Hochul, visitou o campus para tratar de questões de segurança.

    “Os alunos estão com medo”, disse Hochul em um vídeo postado no X (antigo Twitter). “Eles têm medo de andar no campus. Eles não merecem isso.”

    Jacob Schmeltz, aluno do último ano da Universidade de Columbia, disse à CNN que iria para casa em vez de celebrar a Páscoa, um importante feriado judaico, no campus, como fez nos anos anteriores.

    “Os estudantes judeus estão fartos e chegamos ao ponto em que nos sentimos mais seguros fora do campus do que dentro dele”, disse ele.

    Até o presidente dos EUA opinou. “Condeno os protestos antissemitas”, disse Biden quando questionado sobre a situação em Columbia.

    Presidente do EUA, Joe Biden / . REUTERS/Tom Brenner/File Photo

    Shafik está sob pressão de todos os lados. Alguns membros do corpo docente estão criticando sua decisão de chamar o NYPD na semana passada para dispersar um protesto pró-Palestina, enquanto outros exigem que ela convide a polícia de volta para remover um acampamento de manifestantes revivido.

    A presidente da Conferência do Partido Republicano na Câmara dos EUA, Elise Stefanik, e outros republicanos de Nova York escreveram uma carta a Shafik na segunda-feira culpando-a pela situação no campus e instando-a a renunciar depois de menos de um ano no comando da prestigiada universidade.

    “Nos últimos dias, a anarquia tomou conta do campus da Universidade de Columbia”, escreveram os legisladores.

    O bilionário Robert Kraft, proprietário do New England Patriots e um proeminente graduado da Columbia, pediu aos funcionários da escola que encerrassem imediatamente os protestos e sugeriu que está retendo doações à universidade porque “não está mais confiante de que a Columbia possa proteger seus alunos e funcionários.”

    “A escola que tanto amo – aquela que me acolheu e me deu tantas oportunidades – não é mais uma instituição que reconheço”, disse Kraft, fundador da Fundação para o Combate ao Antissemitismo, em comunicado no X.

    “Não me sinto confortável em apoiar a universidade até que medidas corretivas sejam tomadas.”

    A porta-voz da Columbia, Samantha Slater, respondeu à Kraft dizendo à CNN em um comunicado que a universidade está “grata ao Sr. Kraft por seus anos de generosidade e serviço à Columbia”.

    “Este é um momento de crise para muitos membros da nossa comunidade e estamos focados em fornecer o apoio de que necessitam, ao mesmo tempo que mantemos o nosso campus seguro”, disse o porta-voz de Columbia.

    Schmeltz, que é vice-presidente da União de Estudantes Judaicos no Campus, disse que o campus foi “um desastre absoluto” nos últimos dias.

    “Os estudantes judeus estão extremamente assustados e extremamente amedrontados”, acrescentou.

    Estudantes e manifestantes de Yale cantam e protestam enquanto bloqueiam o cruzamento da College Street com a Grove Street, em Connecticut, 22 de abril de 2024, durante um protesto pró-Palestina depois que cerca de 45 estudantes foram presos
    Estudantes e manifestantes de Yale cantam e protestam enquanto bloqueiam o cruzamento da College Street com a Grove Street, em Connecticut, 22 de abril de 2024, durante um protesto pró-Palestina depois que cerca de 45 estudantes foram presos / Aaron Flaum/Hartford Courant/Tribune News Service via Getty Images

    Os organizadores do protesto no campus – Columbia University Apartheid Divest e Columbia Students for Justice in Palestine – disseram em um comunicado: “Temos sido pacíficos” e se distanciaram dos manifestantes não-estudantes que se reuniram fora do campus, chamando-os de “indivíduos inflamatórios que não nos representam.”

    “Rejeitamos firmemente qualquer forma de ódio ou intolerância e permanecemos vigilantes contra os não-estudantes que tentam perturbar a solidariedade que está sendo forjada entre os estudantes – colegas de classe e colegas palestinos, muçulmanos, árabes, judeus, negros e pró-palestinos que representam toda a diversidade de nossos país”, continuou a declaração.

    Manifestações também estão acontecendo em outros campi. Estudantes pró-palestinos da Emerson College de Boston e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) montaram acampamentos de protesto como um ato de solidariedade aos estudantes da Universidade de Columbia, de acordo com o The Boston Globe.

    E além de Yale e da NYU, manifestações de solidariedade também aconteceram em Harvard, na Universidade de Michigan, a Universidade da Carolina do Norte, a Universidade de Boston e a Universidade da Califórnia, Berkeley.

    Aluno: Estou ‘apavorado, irritado, chateado’

    “Se eu tivesse meu filho em Columbia, também diria a ele para ir para casa”, disse Hagar Chemali, professor associado adjunto de Relações Públicas e Internacionais da universidade, à CNN na segunda-feira.

    “Não é apenas por causa da tensão no campus, é também porque os protestos no campus convidaram extremistas.”

    O estudante de Columbia, Noah Lederman, disse à CNN que estava “apavorado, zangado, chateado e horrorizado porque a universidade não conseguiu agir”.

    Lederman disse que foi abordado no início de fevereiro e pediu à universidade opções de ensino remoto. “O que está acontecendo no campus é flagrantemente antissemita”, acrescentou.

    A polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York (NYU) que continuam sua manifestação no campus em solidariedade aos estudantes da Universidade de Columbia e para se opor aos ataques de Israel a Gaza, em Nova York, Estados Unidos Estados Unidos em 22 de abril de 2024.
    A polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York (NYU) que continuam sua manifestação no campus em solidariedade aos estudantes da Universidade de Columbia e para se opor aos ataques de Israel a Gaza, em Nova York, Estados Unidos Estados Unidos em 22 de abril de 2024. / Selcuk Acar/Anadolu via Getty Images

    Outro estudante disse que os manifestantes estão sendo injustamente rotulados como perigosos.

    “Os estudantes de Columbia que se organizam em solidariedade com a Palestina – incluindo estudantes judeus – enfrentaram assédio, doxxing e agora são presos pela NYPD. Estas são as principais ameaças à segurança dos estudantes judeus da Colúmbia”, disse Jonathan Ben-Menachem, estudante de doutorado, à CNN.

    “Por outro lado, os manifestantes estudantis têm liderado orações conjuntas inter-religiosas há vários dias, e o Seder de Páscoa será realizado amanhã no Acampamento de Solidariedade de Gaza”, continuou ele.

    “Dizer que os manifestantes estudantis são uma ameaça para os estudantes judeus é uma difamação perigosa.”

    Na Universidade de Yale, pelo menos 45 pessoas – incluindo alguns estudantes – foram presas depois que a polícia bloqueou as entradas, informou o jornal universitário independente da escola, The Yale Daily News, na manhã de segunda-feira.

    Jornalistas do jornal também foram ameaçados de prisão se não saíssem da praça, onde manifestantes que pediram que a escola se desfizesse dos fabricantes de armas militares montaram tendas durante a noite, segundo relatos.

    A CNN entrou em contato com a administração da Universidade de Yale, o Departamento de Polícia de Yale e o Departamento de Polícia de New Haven em Connecticut para obter mais informações.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original