Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vamos cobrar Putin por sua agressão, diz primeiro-ministro britânico

    Boris Johnson anunciou uma série de sanções econômicas à Rússia, após ataques à Ucrânia

    Renata Souzada CNN

    em São Paulo

    No começo da tarde desta quinta-feira (24), o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou um pacote de sanções econômicas à Rússia. Johnson reiterou que haverá retaliações aos ataques comandados por Vladimir Putin na Ucrânia nesta madrugada.

    “Vamos usar a posição do Reino Unido em todo o fórum internacional para condenar as ações contra a Ucrânia. E cobraremos a questão das mentiras e vamos cobrar Putin por sua agressão e escolha de guerra”, afirmou.

    O premiê anunciou que o pacote de sanções lançado pelo Reino Unido é o maior já visto pela Rússia. Dentre as medidas, estão congelamento financeiro e banimento de exportações.

    “Esses poderes vão nos permitir excluir os bancos russos do sistema financeiro do Reino Unido, que é o maior da Europa, impedindo-os de acessar e fazer pagamentos através do Reino Unido”, declarou.

    Também foi anunciada a suspensão de financiamento e empréstimos para empresas russas, além de limitação do número de verbas que poderão depositar em contas bancárias britânicas. Segundo o premiê, as medidas também serão aplicadas à Belarus – alinhada a Putin.

    “Vamos criar uma nova legislação para banir a exportação de itens para a Rússia, incluindo itens tecnológicos, componentes tecnológicos, em setores na área de eletrônica, telecomunicação e setor aeroespacial”, anunciou.

    Segundo o primeiro-ministro, a legislação deve ser promulgada ainda na próxima semana e outras medidas devem ser anunciadas antes da Páscoa. “Vamos continuar apertando a Rússia, tirando-a da economia mundial, dia após dia, semana após semana.”

    Johnson ainda afirmou que irá convidar os membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para uma reunião nesta sexta-feira (25). “Precisamos fortalecer as defesas da Otan”, disse.