Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vaticano se opõe à criminalização da homossexualidade em países

    Cardeal chamou leis de “grande problema” quatro meses após Igreja autorizar bênçãos a casais do mesmo sexo

    Casais homoafetivos aguardam definição da matéria pelo Congresso
    Casais homoafetivos aguardam definição da matéria pelo Congresso Ingo Rösler/Getty Images

    Alvise Armellinida Reuters na Cidade do Vaticano

    O Vaticano se opôs à criminalização da homossexualidade adotada por vários países com o apoio de grupos católicos, disse o chefe do escritório de doutrina do Vaticano nesta segunda-feira (8).

    Apresentando uma publicação que reafirmou a oposição do Vaticano às mudanças de sexo, teoria de gênero e paternidade substituta, o cardeal Victor Manuel Fernandez chamou as leis que punem a homossexualidade de “um grande problema” e disse: “é claro que não somos a favor da criminalização.”

    Fernandez, um teólogo liberal que o Papa Francisco nomeou como chefe do Dicastério para a Doutrina da Fé do Vaticano há menos de um ano, disse aos repórteres que era “doloroso” ver alguns católicos apoiarem as leis anti-homossexualidade.

    Em fevereiro de 2023, retornando de uma viagem à África, onde as relações entre pessoas do mesmo sexo são muitas vezes tabu, Francisco disse que as leis criminalizando as pessoas LGBT eram um pecado e uma injustiça, porque Deus ama e acompanha as pessoas com atração pelo mesmo sexo.

    “A criminalização da homossexualidade é um problema que não pode ser ignorado”, disse o papa, citando estatísticas anônimas segundo as quais 50 países criminalizam pessoas LGBT “de uma forma ou de outra” e cerca de 10 outros têm leis, incluindo a pena de morte.

    Sob Francisco, a Igreja Católica tornou-se mais acolhedora com as pessoas LGBT. Em dezembro, o escritório do cardeal Fernandez emitiu um documento histórico permitindo a bênção de casais do mesmo sexo, desencadeando uma reação conservadora substancial.

    No entanto, a Igreja ensina oficialmente que os atos homossexuais “são intrinsecamente desordenados”.

    Respondendo a uma pergunta sobre se tal linguagem pode ser alterada, o cardeal Fernandez disse: “é verdade que é uma expressão muito forte e que precisa de muita explicação, talvez possamos encontrar uma mais clara.”

    Ele disse que o ponto do ensino católico era que os atos homossexuais não podem coincidir com “a imensa beleza” das uniões heterossexuais, e a Igreja “poderia encontrar palavras mais adequadas para expressar isso”.