Venezuela é o segundo país com maior número de deslocados e refugiados no mundo

Estudo aponta quais países registram mais deslocados e refugiados; Colômbia é o segundo país que mais acolhe

Imigrantes venezuelanos cruzam a pé a fronteira entre Venezuela e Brasil, próximo ao município de Pacaraima, em Roraima
Imigrantes venezuelanos cruzam a pé a fronteira entre Venezuela e Brasil, próximo ao município de Pacaraima, em Roraima Foto: Wherter Santana/AE (19.abr.2018)

Por CNN Espanhol

Ouvir notícia

A Venezuela é o segundo país com maior número de deslocados e refugiados no mundo, depois da Síria. E a Colômbia é o segundo país que abriga a maior população de refugiados do mundo, segundo relatório da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) em seu relatório mais recente.

Mais de 68% dos refugiados e pessoas deslocadas em todo o mundo vêm de cinco países:

  • Síria – 6,7 milhões;
  • Venezuela – 4 milhões;
  • Afeganistão – 2,6 milhões;
  • Sudão do Sul – 2,2 milhões;
  • Mianmar – 1,1 milhão.

Segundo o ACNUR, em 2020 1% da humanidade estava desabrigada, cifra que representa o dobro de dez anos atrás, quando o total era inferior a 40 milhões.

A situação na Venezuela

De 2019 a 2020, a população de refugiados e deslocados venezuelanos aumentou 8%, segundo o ACNUR, chegando a 4,6 milhões apenas nos países americanos.

“As principais razões para este aumento foram o contínuo deslocamento de venezuelanos, especialmente para o Brasil, México e Peru, bem como estimativas modificadas de venezuelanos deslocados para o exterior do Peru”, diz o relatório.

A Colômbia é um dos países que mais sofreu com o êxodo venezuelano, pois, por ser um país fronteiriço, acolheu mais de 1,7 milhão de deslocados em suas fronteiras, ou 7% do total mundial de deslocados, segundo a ACNUR. No entanto, o número de imigrantes diminuiu na Colômbia.

“Pela primeira vez em cinco anos, o número de venezuelanos na Colômbia diminuiu, pois cerca de 124.600 retornaram ao seu país devido às dificuldades apresentadas pela pandemia e seu impacto econômico”, diz o relatório.

Os venezuelanos também foram os que mais apresentaram pedidos de asilo nos Estados Unidos (147.100), mais que o Afeganistão, Síria, Honduras, Guatemala e Colômbia.

Venezuelanos entram no Brasil por Pacaraima
Militar brasileiro observa venezuelanos que entram no país por Pacaraima, em Roraima
Foto: Nacho Doce – 19.ago.2018/ Reuters

Tendências globais de deslocamento

O deslocamento diminuiu devido à pandemia

Em 2020, um ano marcado pela pandemia, houve uma diminuição nas chegadas de refugiados e requerentes de asilo, de acordo com o relatório, que alerta que o impacto da pandemia de Covid-19 sobre os deslocados ainda não está claro.

‘Os dados da ACNUR mostram que as chegadas de novos refugiados e requerentes de asilo caíram drasticamente na maioria das regiões (cerca de 1,5 milhões a menos do que seria esperado em uma situação sem a influência da Covid-19) e refletem a situação de desamparo de muitas das pessoas que buscaram proteção internacional em 2020”, diz o relatório.

E devido à pandemia, a situação para os deslocados e refugiados era mais difícil: “Mais de 160 países fecharam suas fronteiras, 99 dos quais não abriram exceções para pessoas que queriam solicitar proteção”, diz o relatório.

Colômbia, o país com o maior número de pessoas deslocadas internamente na América

Enquanto milhões de pessoas cruzaram as fronteiras, muitas mais foram forçadas a se mudar dentro de seus países de origem.

“Impulsionado principalmente pelas crises na Etiópia, Sudão, países do Sahel, Moçambique, Iêmen, Afeganistão e Colômbia, o número de pessoas deslocadas internamente cresceu mais de 2,3 milhões.

E embora a Colômbia tenha um grande número de pessoas deslocadas internamente, também é um dos países que mais acolhe deslocados. O país é o segundo no mundo a receber o maior número de refugiados (1,7 milhões), depois da Turquia, que foi o país que acolheu o maior número de pessoas deslocadas, com 3,7 milhões.

Pessoas fazendo compras de Natal em San Victorino, bairro da capital colombiana
Pessoas fazendo compras de Natal em San Victorino, bairro da capital colombiana, Bogotá
Foto: REUTERS/Luisa Gonzales

Crianças

A situação das crianças deslocadas em todo o mundo é crítica, de acordo com a ACNUR.

“Meninas e meninos menores de 18 anos representam 42% de todas as pessoas deslocadas à força. É uma população particularmente vulnerável, especialmente quando as crises se arrastam por anos. Estimativas recentes da ACNUR mostram que quase um milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020. Muitas delas podem permanecer refugiadas por muitos anos.

Apelo da ACNUR aos governos

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados apelou aos líderes mundiais para redobrar os seus esforços para promover a paz, estabilidade e cooperação, alertando para uma tendência crescente de aumento do deslocamento causado pela violência e perseguição.

Apesar da pandemia, o número de pessoas fugindo de guerras, violência, perseguição e violações dos direitos humanos em 2020 aumentou para quase 82,4 milhões de pessoas, de acordo com o último relatório anual Global Trends da ACNUR divulgado em Genebra. 

De acordo com o relatório da ACNUR, 2020 foi o nono ano de aumento ininterrupto no deslocamento forçado em todo o mundo, com 20,7 milhões de refugiados registrados sob o mandato da ACNUR até o final de 2020, incluindo 5,7 milhões de refugiados palestinos e 3,9 milhões de venezuelanos deslocados para o exterior.

“Atrás de cada número está uma pessoa expulsa de sua casa e uma história de deslocamento, expropriação e sofrimento. Eles merecem nossa atenção e apoio não apenas com ajuda humanitária, mas para encontrar soluções para sua difícil situação”, disse o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi.

(Texto traduzido, leia original em espanhol aqui)

Mais Recentes da CNN