Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    William Shatner sobre viagem ao espaço: “Tudo o que vi foi a morte”

    O ator de Star Trek se juntou a um voo de turismo espacial suborbital no ano passado

    William Shatner fala com a imprensa após voo espacial
    William Shatner fala com a imprensa após voo espacial Reproduão/ Blue Origin

    Jackie Wattlesda CNN

    Os astronautas há décadas descrevem suas viagens ao espaço como “de tirar o fôlego” e humilhantes, um lembrete da fragilidade da Terra e da necessidade da humanidade de servir como administradores de nosso planeta natal.

    O ator William Shatner, que se juntou a um voo de turismo espacial suborbital no ano passado, experimentou o mesmo fenômeno, mas teve uma observação muito distinta quando desviou o olhar da Terra para a extensão negra do cosmos: “Tudo o que vi foi a morte”, disse ele.

    A biografia de Shatner, chamada “Boldly Go”, que ele co-escreveu com o escritor de TV e cinema Joshua Brandon, está repleta de anedotas igualmente sombrias sobre a experiência de Shatner voando acima da atmosfera da Terra a bordo de um foguete real após sua memorável passagem como capitão de nave espacial no programa de TV dos anos 1960 “Star Trek” e vários filmes da franquia nas décadas seguintes.

    “Vi um vazio frio, escuro e negro. Era diferente de qualquer escuridão que você possa ver ou sentir na Terra. Era profundo, envolvente, abrangente. Voltei-me para a luz de casa. Pude ver a curvatura da Terra, o bege do deserto, o branco das nuvens e o azul do céu. Era a vida. Nutrir, sustentar, viver. Mãe Terra. Gaia. E eu a estava deixando”, diz um trecho de “Boldly Go”, publicado pela primeira vez pela Variety.

    “Tudo o que eu pensava estava errado”, diz. “Tudo o que eu esperava ver estava errado.”

    Enquanto ele esperava ficar impressionado com a visão do cosmos, visto sem o filtro da atmosfera da Terra, ele ficou impressionado com a ideia de que os humanos estão destruindo lentamente nosso planeta natal. Ele sentiu um dos sentimentos mais fortes de luto que já encontrou, escreveu Shatner.

    O livro de Shatner foi lançado em 4 de outubro pela editora Simon & Schuster. A CNN o entrevistou em junho sobre o livro, sua viagem ao espaço com a empresa de turismo espacial Blue Origin, apoiada por Jeff Bezos, e o que vem a seguir para o homem de 91 anos. Uma transcrição da entrevista, editada para maior extensão e clareza, está abaixo.

    CNN: Todos nós vimos como você ficou emocionado quando saiu da espaçonave Blue Origin após o pouso. Como essa experiência mudou você?

    William Shatner: Cinquenta e cinco ou 60 anos atrás eu li um livro chamado “Silent Spring” de Rachel Carson. Ela escreveu sobre as questões ambientais que ainda estão acontecendo hoje. Sou ecologista verbal desde então. Estou ciente da mudança da Terra e minha apreensão por todos nós.

    É como alguém devendo dinheiro em uma hipoteca, e eles não têm os pagamentos. E eles pensam: “Ah, bem, vamos jantar e não pensar nisso”.

    Mas é tão onipresente! As possibilidades de um apocalipse são tão reais. É difícil convencer as pessoas — e especialmente certas pessoas políticas — de que isso não está mais à nossa porta. Está na casa.

    Quando cheguei ao espaço, queria chegar à janela para ver o que era aquilo lá fora. Olhei para a escuridão do espaço. Não havia luzes ofuscantes. Era apenas escuridão palpável. Eu acreditei ter visto a morte.

    E então eu olhei de volta para a Terra. Dada a minha formação e tendo lido muitas coisas sobre a evolução da Terra ao longo de 5 bilhões de anos e como toda a beleza da natureza evoluiu, pensei em como estamos matando tudo.

    Senti essa tristeza avassaladora pela Terra.

    Não percebi até descer. Quando saí da espaçonave, comecei a chorar. Eu não sabia por quê. Levei horas para entender por que eu estava chorando. Percebi que estava de luto pela Terra.

    Não quero nunca esquecer, nem esqueci, a importância daquela ocasião.

    CNN: O que mais você percebeu sobre a experiência nos meses desde que fez seu voo espacial?

    Shatner: Eu tinha consciência de que os seres humanos podem ser a única espécie viva neste planeta que está ciente da enormidade e da majestade do universo.

    Pense no que descobrimos nos últimos 100 anos, considerando os 200.000 anos em que os humanos existem. Descobrimos como as montanhas se formaram, o Big Bang. E fiquei pensando em como a humanidade está evoluindo rapidamente para uma criatura sábia ao mesmo tempo em que está se matando.

    É uma corrida.

    CNN: Empresas de turismo espacial como a Blue Origin também receberam muitas críticas de pessoas que veem esses esforços mais como um projeto de vaidade para indivíduos ricos, em vez de algo que pode ser verdadeiramente transformador. Como você responde a essa crítica?

    Shatner: A ideia aqui é acostumar as pessoas a ir ao espaço, como se fosse para a Riviera. Não é apenas uma vaidade — é um negócio.

    Mas o que Jeff Bezos quer fazer e o que está se acumulando lentamente por causa de nossa familiaridade com o espaço é colocar essas indústrias poluentes em órbita e trazer a Terra de volta ao que era. (Nota do editor: Bezos tem falado rotineiramente sobre colocar indústrias pesadas em órbita para ajudar a preservar a Terra, e essa ideia também tem seus céticos e críticos.)

    CNN: O que você acha do título de ‘astronauta’. São pessoas que pagam por um voo breve e suborbital voos para astronautas espaciais?

    Shatner: Eu os chamo de meio astronautas.

    CNN: O que devemos fazer no espaço a seguir?

    Shatner: A capacidade de ir a Marte que está à espreita no fundo, que eu acho que deveria ficar em segundo plano para ir à lua, definindo a lua como base e minerando tudo o que a lua tem a oferecer, em vez de minerá-la aqui.

    Essas são apenas minhas próprias opiniões. Qual é o nome dele não concordaria. Ele quer ir a Marte. (Nota do editor: o CEO da SpaceX, Elon Musk, fundou sua empresa com o objetivo de estabelecer uma colônia em Marte.)

    O ator de Star Trek, William Shatner, fala com a mídia após seu voo com outros três em uma cápsula alimentada pelo motor de foguete reutilizável New Shepard da Blue Origin em uma plataforma de pouso perto de Van Horn, Texas, em 13 de outubro de 2021.

    CNN: Você está ansioso para voltar ao espaço?

    Shatner: Se você teve um grande caso de amor, você poderia voltar? Ou isso diminuiria?

    CNN: Você mencionou que teve a chance de falar com o famoso astrofísico Stephen Hawking antes de morrer. Como foi aquela experiência?

    Shatner: Eu nunca pude perguntar a ele sobre a Teoria das Cordas, o que eu queria. Tínhamos que fazer todas as perguntas para ele com antecedência. E ele disse quando fizemos o acordo: ‘Quero fazer uma pergunta a Shatner.’

    Finalmente, estou me inclinando, você sabe, estamos sentados lado a lado olhando para as câmeras.

    Então ele digitou laboriosamente: ‘Qual é o seu episódio favorito de Star Trek?’, que é a pergunta que todo fã faz, e eu comecei a rir. Ele não tinha a capacidade de rir (por causa de sua doença degenerativa, Esclerose Lateral Amiotrófica ou ELA).

    Mas sua risada apareceu na vermelhidão de seu rosto e ele ficou tão vermelho. Ele então me convidou para jantar. Tive um momento lindo com ele.

    CNN: O que você está fazendo a seguir?

    Shatner: Eu deveria aproveitar a oportunidade para dizer que tenho um álbum por aí chamado “Bill”. E continuei fazendo músicas com meus colaboradores. A música “So Fragile, So Blue” é muito sobre minha experiência no espaço. Recentemente me apresentei com o (músico) Ben Folds no Kennedy Center. Pode ser um programa de TV ou um álbum.

    Eu também tenho um show realmente maravilhoso chamado “The UnXplained” no History Channel.

    E então eu tenho meu livro, chamado “Boldly Go”, saindo no outono.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original