Zelensky: 10 soldados russos foram identificados como suspeitos de crimes em Bucha

Exército da Rússia é acusado de matar deliberadamente civis na cidade ucraniana; segundo o presidente da Ucrânia, "nenhum deles fugirá da responsabilidade"

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, visita Bucha
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, visita Bucha 04/04/2022REUTERS/Marko Djurica

Hira Humayunda CNN

Ouvir notícia

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que 10 militares russos foram identificados como suspeitos dos “crimes cometidos contra nosso povo em Bucha”.

Em seu discurso noturno postado nas redes sociais nesta quinta-feira (28), Zelensky afirmou que a investigação sobre crimes cometidos pelos soldados do exército da Rússia está em andamento. Ele acrescentou que os “primeiros dez militares russos da 64ª brigada de fuzileiros motorizados das Forças Terrestres Russas que cometeram crimes contra nosso povo em Bucha, região de Kiev, receberam o status de suspeito.”

Zelensky disse que os sobrenomes destas pessoas são conhecidos e que “está estabelecido o que eles fizeram”.

“Sabemos todos os detalhes sobre eles e suas ações. E vamos encontrar todos. Assim como encontraremos todos os outros bandidos russos que mataram e torturaram ucranianos, que atormentaram nosso povo. Que destruíram casas e infraestrutura civil na Ucrânia”, adicionou o presidente, destacando também que nenhum deles fugirá da responsabilidade.

No início de abril, surgiram imagens de Bucha mostrando corpos deitados nas ruas e relatos de atrocidades russas quando o exército invasor recuou de áreas próximas a Kiev.

Zelensky classificou o caso como “genocídio” e as supostas atrocidades em Bucha atraíram indignação internacional, com líderes ocidentais pedindo investigações de crimes de guerra e novas sanções à Rússia. O Ministério da Defesa da Rússia negou a responsabilidade e disse que “nenhum morador local sofreu qualquer ação violenta” em Bucha.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN