Zelensky pede à Alemanha: derrube o muro entre a paz e o conflito na Europa

Presidente ucraniano fez fala perante o Bundestag, parlamento alemão, e fez analogia com o símbolo do fim da Guerra Fria

Volodymyr Zelensky em transmissão com o Bundestag, parlamento alemão, na qual falou sobre a guerra na Ucrânia
Volodymyr Zelensky em transmissão com o Bundestag, parlamento alemão, na qual falou sobre a guerra na Ucrânia Hannibal Hanschke/Getty Images

Reuters

Ouvir notícia

Invocando a queda do Muro de Berlim, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pediu nesta quinta-feira (17) ao chanceler alemão Olaf Scholz que derrube um muro entre a paz e o conflito na Europa e pare a guerra na Ucrânia.

Lembrando o apelo do ex-presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, a Mikhail Gorbachev, o último líder soviético, para derrubar o Muro de Berlim, Zelensky disse aos legisladores alemães: “É o que eu digo a você, querido chanceler Scholz: destrua este muro”.

“Dê à Alemanha o papel de liderança que conquistou para que seus descendentes se orgulhem de você. Apoie a liberdade, apoie a Ucrânia, pare esta guerra, ajude-nos a parar esta guerra”, acrescentou.

Zelenskiy descreveu um novo muro “no meio da Europa entre a liberdade e a falta de liberdade”, que ele disse que a Alemanha ajudou a construir, isolando a Ucrânia com seus laços comerciais com a Rússia e seu apoio anterior ao gasoduto Nord Stream 2.

A Alemanha suspendeu no mês passado o projeto do gasoduto Nord Stream 2, no Mar Báltico, projetado para duplicar o fluxo de gás russo diretamente para a Alemanha.

“E este muro está ficando maior com cada bomba que cai sobre a Ucrânia, com cada decisão que não é tomada”, acrescentou ele.

Os legisladores no Bundestag receberam Zelensky com uma ovação de pé, e a vice-presidente da câmara, Katrin Goering-Eckardt, disse-lhe: “Seu país escolheu a democracia, e é isso que (o presidente russo) Vladimir Putin teme”.

Ela disse que Putin estava tentando negar o direito da Ucrânia de existir, acrescentando: “Mas ele já falhou com isso”.

Mais Recentes da CNN