Alguns animais não são vistos na natureza há décadas; veja fotos

Fotógrafo reúne imagens de diversas espécimes no livro "Extinção: nossa frágil relação com a vida na Terra"

Kristen Rogersda CNN

Quando o fotógrafo Marc Schlossman segurou um pássaro extinto e morto em sua mão, ele teve o que chamou de “momento de conversão”.

De pé na divisão de pássaros do Museu Field de História Natural de Chicago com seus dois filhos pequenos em 2008, ele percebeu que a gaveta de espécimes da qual o pássaro foi recuperado era o único lugar onde alguém podia ver as espécies de aves. “Foi como um soco no estômago e pensar: ‘Fizemos muitos danos. Em que tipo de mundo queremos viver? Basta'”, disse Schlossman, que vive em Londres.

A experiência levou Schlossman – que já havia trabalho com fotografia ambiental e de viagens – a ponderar por que a perda de biodiversidade estava acontecendo tão rápido, se era tarde demais para fazer algo a respeito e, se não, o que poderia ser feito? O que ele descobriu tornou-se parte de seu novo livro de fotografia, “Extinção: nossa frágil relação com a vida na Terra”.

Através de fotos impressionantes de espécimes capturados ao longo de quase 15 anos após aquela visita transformadora ao museu, “Extinção” serve como um aviso e um farol de esperança: apresenta animais extintos e ameaçados de extinção que sofreram perdas devido à destruição de habitat, caça, legal e ilegal comércio de vida selvagem, doenças e outras ameaças humanas. Mas Schlossman observou que não é tarde demais para algumas dessas espécies em risco.

Das 82 espécies do livro, 23 estão extintas, disse Schlossman. “O resto foi trazido de volta da extinção como sucessos de conservação, ou eles podem ser salvos com um trabalho robusto de conservação e preservação do habitat”.

“Nós causamos muitos danos como espécie. Mas vamos continuar com o que precisamos fazer, porque estamos em um ponto crítico da história”.

O chamado à ação de Schlossman chega em um momento crucial, pois a perda acelerada da biodiversidade global ameaça a interconexão e o futuro de todas as formas de vida – incluindo os humanos.

Perdas mundiais

A perda de biodiversidade significa que, embora existam cerca de 8,7 milhões de espécies na Terra, das quais 85% a 90% ainda não foram descobertas, os cientistas estão em uma corrida contra o tempo para entender como a diminuição do número, variedade e variabilidade genética das espécies afetam os ecossistemas, de acordo com Thomas Gillespie, professor do departamento de ciências ambientais da Emory University, em Atlanta.

“Estamos perdendo espécies potencialmente mais rápido do que descobrindo”, disse ele, “e antes mesmo de percebermos quais são seus papéis nos ecossistemas do mundo”.

A capacidade de Schlossman de documentar algumas dessas espécies perdidas remonta à década de 1970, quando, quando adolescente, foi voluntário na divisão de mamíferos do Museu Field por alguns verões, disse ele.

Após a visita ao museu com seus filhos, ele abordou o curador do Museu Field, John Bates, sobre o que ele poderia fazer como fotógrafo para contar as histórias de certos espécimes da coleção do museu e ver onde isso ia.

Durante a década seguinte, ele fotografou seu caminho através de espécimes de pássaros, anfíbios, répteis, peixes, mamíferos, insetos e plantas. “Em qualquer museu de história natural, em média, 1% da coleção está em exibição. Tive acesso aos 99% que você não vê. Cada gerente de coleção teve que concordar com isso, então demorou algum tempo para passar”, disse Schlossman. “Tenho essa relação com o vista pela última vez na natureza em 1941, e a cultura do Museu Field é muito progressiva”.

O ethos subjacente à curadoria de Schlossman de seu livro é que todas as espécies são importantes – especialmente os polinizadores envolvidos no processo de trazer comida para nossas mesas – mas mesmo as espécies “não carismáticas”, disse ele.

O zangão remendado enferrujado, incluído em “Extinção”, é um desses polinizadores cruciais. Uma vez prosperou nos Estados Unidos e no Canadá, mas experimentou o declínio mais sério de qualquer espécie de abelha na América do Norte.

Os cientistas estimaram que as espécies criticamente ameaçadas desapareceram de 87% de sua área natural e, nas últimas décadas, a população diminuiu 95%, observou o livro.

A urbanização – a concentração de humanos em áreas transformadas para fins residenciais, comerciais, industriais e de transporte – também causou a extinção da borboleta azul Xerces, vista pela última vez na natureza em 1941. Foi a primeira borboleta norte-americana a se extinguir devido às ações humanas.

À medida que Schlossman trabalhava em seu livro, temas ou padrões de comportamento humano se revelaram. “Por que precisamos caçar essas coisas até a extinção? O que há em nossa espécie que não administramos nosso uso de recursos de maneira sustentável?” ele perguntou.

“Estamos nos envenenando ao agir de forma imprudente dessa forma de superexplorar os recursos naturais”, disse Schlossman. “É muito importante que as pessoas entendam isso. Não sei como achamos que vamos evitar essa bala que estamos criando para nós mesmos”.

Um vislumbre de esperança

Schlossman espera que suas imagens inspirem ideias e otimismo para a conservação das espécies remanescentes. “As atividades humanas podem nutrir, assim como prejudicar”, disse Jeremy Kerr, professor e presidente do departamento de biologia da Universidade de Ottawa, em Ontário.

O caso em questão é o sucesso do Programa de Recuperação do Condor da Califórnia, que Schlossman incluiu em “Extinção” como um exemplo de como a intervenção humana salvou uma espécie.

Iniciada em 1975, a iniciativa é resultado de esforços cooperativos liderados pelo Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA, envolvendo uma série de agências federais e estaduais e organizações não governamentais.

“A população caiu para 22, e eles capturaram todos eles e estabeleceram este programa de reprodução em cativeiro. E eles encorajam as aves a botar dois ovos por ano para aumentar a população rapidamente”, disse Schlossman.

“Os filhotes dos ovos da incubadora foram manipulados e criados usando fantoches de condor para que não tivessem imprinting em humanos. Então, basicamente, se o filhote de condor pudesse ver um rosto humano, eles pensariam que era sua mãe”, acrescentou. “Eles usavam marionetes de condor para criá-los. … Em 2020, havia mais de 500 condores”.

Levante-se e lute mais

O desmatamento para a produção de carne bovina, soja (produzida em grandes quantidades para o gado) e óleo de palma prejudica a biodiversidade das florestas tropicais e recifes de corais, disse Gillespie, da Emory.

Grande parte do ônus de lidar com a perda de biodiversidade recai sobre grandes indústrias e empresas, como a agricultura, disse Schlossman – mas você pode fazer coisas para ajudar, incluindo mudar sua dieta para reduzir a demanda por produtos desses sistemas.

Com a preservação do habitat sendo o antídoto mais crucial para a perda de biodiversidade, você pode promover habitats para espécies como borboletas-monarca – que a União Internacional para a Conservação da Natureza declarou ameaçadas em julho – cultivando serralha, uma das principais fontes de alimento, disse Schlossman.

Para espécies de abelhas, você pode reduzir o uso de pesticidas ou plantar uma variedade diversificada de flores e arbustos em seu quintal para evitar a perda de habitat e fornecer abrigo às abelhas contra elementos extremos.

Se você se sente desamparado ou sobrecarregado por essas questões ambientais, saiba que não é tarde demais para começar a fazer mudanças para construir um futuro melhor, segundo Schlossman. “Tudo o que aconteceu ontem ou nos dias anteriores se foi”, disse ele.

“A eco-ansiedade não melhora as coisas; nós apenas temos que nos levantar e lutar mais”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original