Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Casa da Moeda Real britânica faz joias com prata extraída de chapas de raio X

    Coleção, feita em associação com a Betts Metals, usa prata de raio X e ouro eletrônico

    Correntes feitas com prata extraída de filmes de raios X
    Correntes feitas com prata extraída de filmes de raios X Reprodução/Instagram

    Flo Cornallda CNN

    Olhando para uma chapa de raio X, você pode detectar ossos fraturados ou até mesmo objetos estranhos flutuantes.  Mas, escondida dentro do próprio filme, há uma pequena quantidade de prata.

    Agora, a Royal Mint, a empresa mais antiga do Reino Unido e fabricante oficial de moedas britânicas, está usando essa prata para criar joias.

    Para obter o material, a Casa da Moeda Real britânica se associou à Betts Metals, uma empresa com sede em Birmingham, Inglaterra, que recupera metais preciosos de resíduos há mais de 250 anos.

    A Betts coleta filmes de raio X usados ​​que não são mais necessários aos hospitais e que são destinados a aterros ou incineração, explicou Charlie Betts, diretor administrativo da empresa.

    O filme passa por uma máquina que o corta em pequenos pedaços, antes de ser utilizado o processamento químico para separar a prata. Em seguida, é fundido e transferido para outro local, onde é refinado até atingir 99,9% de pureza, como qualquer outra fonte de prata fina.

    Os hospitais recebem o valor monetário da prata recuperada. Betts observa que a quantidade de prata pode variar muito entre os filmes de raio X e muitas toneladas de filme são necessárias para tornar sua recuperação econômica.

    Bom como ouro

    A prata radiografada recuperada por Betts está sendo usada por outros joalheiros, incluindo Angharad, com sede em Londres, mas a Royal Mint também extrai ouro de lixo eletrônico.

    Ele usa “química pioneira no mundo” da empresa canadense Excir, que afirma ser capaz de recuperar mais de 99% dos metais preciosos em poucos minutos a partir de resíduos eletrônicos (conhecidos como lixo eletrônico), como placas de circuito de laptops e telefones celulares.

    Todos os anos, mais de 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico são produzidas globalmente. Menos de 20% são reciclados em todo o mundo, resultando no desperdício ou no esquecimento de metais preciosos avaliados em 57 bilhões de dólares, em vez de serem reutilizados.

    Parte disso vai para aterros sanitários e pode acabar contaminando o solo e vazando para as águas subterrâneas; grande parte é reciclada informalmente nos países em desenvolvimento, onde os trabalhadores podem ser expostos a metais tóxicos.

    A mineração de novos metais preciosos também pode contaminar fontes de água, bem como deixar marcas em paisagens imaculadas.

    Este ano, a Royal Mint deverá abrir uma nova planta de recuperação de metais preciosos que será capaz de processar 4.000 toneladas métricas de lixo eletrônico do Reino Unido a cada ano, de acordo com Sean Millard, diretor de crescimento da Royal Mint.

    “Nossos projetos de prata radiografada e ouro de lixo eletrônico fornecem uma fonte de proveniência para nossos metais preciosos”, disse Millard. “[Eles] são um passo importante na redução da dependência da Royal Mint de materiais extraídos.”

    Vestindo resíduos

    A prata de raio X e o ouro eletrônico são usados ​​na coleção de joias 886 da Royal Mint e têm o mesmo desempenho dos metais extraídos, de acordo com Dominic Jones, diretor criativo da 886.

    Para Jones, não se trata apenas de reciclagem, trata-se de preservar metais preciosos que já foram extraídos. Ele diz que 7% de toda a reserva de ouro do mundo está armazenada na forma de laptops quebrados e telefones celulares antigos.

    “A ideia de que esse material esteja lá sem uso, quando ainda estamos extraindo novos materiais, não me agrada”, disse Jones. “A prata radiografada é exatamente a mesma: esta é uma fonte de prata não utilizada anteriormente e que permaneceu adormecida até agora.”

    No futuro, a The Royal Mint pretende que todas as suas joias sejam feitas de fontes sustentáveis ​​com procedência.

    Jones diz que quer que suas peças durem gerações, e não sejam apenas uma bela peça de design, mas um exemplo de sustentabilidade de ponta que utiliza materiais progressivos e não prejudiciais ao meio ambiente.

    “Essas peças são intencionalmente atemporais, antiguidades do futuro”, disse Jones. “É uma situação em que todos ganham.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original