Foto de Katharine Graham rodeada de homens vira peça do livro “A Única Mulher”

A ex-editora do Washington Post e eventual CEO não estava sozinha na história; autora Immy Humes traz outros retratos de mulheres cercadas por homens

Esta é uma, das dezenas de fotos em que Katharine Graham [1917-2001], editora do The Washington Post é a única mulher em um ambiente cheio de homens/ Ela foi convidada para reunião da Dutch Newspaper Press
Esta é uma, das dezenas de fotos em que Katharine Graham [1917-2001], editora do The Washington Post é a única mulher em um ambiente cheio de homens/ Ela foi convidada para reunião da Dutch Newspaper Press Anefo / Wikimedia Commons

Jacqui Palumboda CNN

A sala de conferências com paredes de madeira tem uma qualidade estéril, e os homens em ternos suaves sentados ao redor da ampla mesa central são assustadoramente parecidos, como se estivessem duplicados.

Em uma fotografia, tirada em uma reunião corporativa de alto nível cheia de homens, há uma exceção — uma mulher com cabelos curtos e encaracolados sentada na ponta esquerda.

Tirado na cidade de Nova York em 1975, o retrato da ex-editora do Washington Post e eventual CEO, Katharine Graham, é apenas uma das inúmeras imagens que seguem uma fórmula visual semelhante: a única mulher em uma composição de homens.

Agora é destaque entre uma coleção de tais imagens, no livro “The Only Woman” (A Única Mulher, na tradução live), da documentarista e autora estreante Immy Humes.

The Only Woman” é o culminar de um projeto de pesquisa de anos em que Humes trabalhou depois de fazer uma conexão visual entre duas imagens.

A primeira era uma foto de 1962 da cineasta americana Shirley Clarke, que muitas vezes (incorretamente) era apontada como a única cineasta mulher de seu tempo, central em um círculo de tipos criativos masculinos.

O segundo foi um retrato de grupo de 1951 de 15 artistas expressionistas abstratos famosos — incluindo Jackson Pollock e Mark Rothko — com uma mulher solteira, a artista Hedda Sterne, nas costas, em cima de uma mesa.

Esta imagem da cineasta Shirley Clarke em 1962 na cidade de Nova York catalisou o livro “A única mulher”, de Immy Humes. / Wisconsin Center for Film and Theatre Research; Documentos de Shirley Clarke

Humes explicou em um telefonema que ela ficou “obcecada” com a imagem de Clarke. “Como foi para ela? Que diferença fez em sua vida que ela era a ‘única mulher’?”

Logo, Humes não conseguiu desver o padrão, encontrando fotos da “mesma constelação” em todos os lugares, disse ela. Colecionou imagens de cientistas, comediantes, atletas e políticos, entre muitos outros, desde meados do século 19, quando a fotografia se popularizou, até hoje.

“Começou a ficar quase estranho”, disse ela. A foto de Graham a intrigou por causa da história da imagem. A formidável editora havia herdado o Washington Post depois que seu pai e marido morreram.

Ela nunca pensou que o papel cairia sobre ela, de acordo com o livro de Humes, mas dirigiu o jornal durante uma era de reportagens importantes, publicando os Documentos do Pentágono e investigações sobre o governo do ex-presidente Nixon que levariam à sua renúncia.

Ela se tornou a primeira editora feminina do jornal e, mais tarde, CEO. Ela também foi a primeira mulher eleita para o conselho de administração da Associated Press.

“Ela obviamente está sendo homenageada por ser colocada na frente”, disse Humes. “Neste caso… a mulher tem um lugar de honra por causa de sua excepcionalidade porque ela é a única mulher.”

Esse não é o caso de todas as imagens, e Humes se viu categorizando-as enquanto trabalhava no projeto.

“Existiam diferentes maneiras de se tornar uma ‘mulher única’. Ou você era uma rainha… ou você era a grande, grande pioneira”, explicou ela.

“E em alguns casos, as mulheres ganharam acesso a espaços exclusivamente masculinos por causa de seus empregos como empregadas domésticas, secretárias ou profissionais do sexo”, acrescentou.

Humes observa que, à medida que a sociedade evolui para longe do trabalho estritamente de gênero, essas imagens se tornam mais marcantes. Isso torna a estranheza de cada imagem ainda mais pronunciada.

“Começa a parecer absurdo aos nossos olhos — começa a parecer cômico. Quanto mais nos afastamos disso, somos capazes de vê-lo de uma maneira diferente.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original