Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Museu reúne seleção deslumbrante das maiores e mais incomuns joias do mundo

    Mineral chamado Kyawthuite, mais raro do mundo, está em exposição no museu de Los Angeles; saiba mais

    A turmalina verde "The Imperial"
    A turmalina verde "The Imperial" Divulgação/Natural History Museums of Los Angeles County

    Julia Carmelda CNN

    Aaron Celestian não é um grande fã de “Ocean’s 8”.

    “Tenho dificuldade em assistir a esses filmes porque eles estão sempre roubando museus”, disse ele rindo, parado em meio a um cofre cheio de algumas das joias mais raras do mundo. “É algo muito pessoal.”

    É fácil entender o porquê: como curador de ciências minerais do Museu de História Natural de Los Angeles, Celestian supervisiona o hall de Joias & Minerais.

    No momento, o salão tem uma carga especialmente preciosa em sua exposição atual, “100 Quilates: Ícones do Mundo das Gemas”. (E em termos da exposição como um todo, “100 quilates” é um eufemismo: há mais de 3.000 quilates em exibição até 21 de abril.) “Essas joias são apenas os verdadeiros tesouros do mundo”, disse o joalheiro Robert Procop , que organizou a exposição em colaboração com o museu.

    Diamante Jonker I

    Diamante Jonker I / Divulgação/Natural History Museums of Los Angeles CountyExistem atualmente 17 joias enormes em exibição dentro do cofre Hixon Gem do salão – que é devidamente trancado todas as noites – e mais nove peças de joalheria adornam as paredes externas.

    A peça central é o diamante Jonker I, uma pedra de 125 quilates que, ao longo dos anos, passou pelas mãos de joalheiros, membros da realeza e luminares de todo o mundo.

    A gema da qual Jonker I foi lapidado foi descoberta por garimpeiros de diamantes na África do Sul em 1934. “A história continua: Um dia estava chovendo… e então, como toda a chuva apenas lavou o sedimento, eles encontraram um diamante bruto de 726 quilates”, disse Celestian.

    Foi comprado por Sir Ernest Oppenheimer, que o vendeu ao joalheiro Harry Winston em 1935 por £ 150.000 (e o despachou da África do Sul para Nova York por 64 centavos).

    Winston então cortou-o em 13 pedaços por Lazare Kaplan – um dos comerciantes de diamantes mais famosos do mundo – com uma ferramenta revestida com azeite e pó de diamante. O Jonker I foi o maior corte.

    “Ele o vendeu ao rei Farouk do Egito em 1948”, disse Celestian sobre o Jonker I. “O rei o teve por cerca de quatro anos… (antes de) ser deposto e exilado do Egito.” Neste ponto, continuou Celestian, “o diamante desapareceu”.

    Embora a joia tenha sido fotografada ao lado de celebridades como Shirley Temple, o público não teve a oportunidade de vê-la pessoalmente por muitas décadas – desde 1937, na verdade, Celestian disse à CNN, “quando esteve em exibição no Museu Americano de História Natural em Nova York por três dias após ter sido cortado.”

    Tudo que brilha

    Mesmo que o seu conhecimento sobre joias de luxo se restrinja a filmes como “Joias Brutas”, a exposição é uma oportunidade única na vida de ver algumas das maiores, mais finas e mais incomuns joias do mundo. As gemas que Procop e Celestian reuniram incluem uma safira verde-azulada que muda de cor recentemente descoberta na Tanzânia, uma peça de 241 quilates considerada uma das mais perfeitas gemas de “corte esmeralda” e uma variedade de turmalinas profundamente saturadas.

    Joias em tom pastel
    Joias em tom pastel / Divulgação/Natural History Museums of Los Angeles County

    Além do Jonker I, todas as joias no cofre são novas descobertas desenterradas e compradas nos últimos anos. Muitas foram emprestadas por seus proprietários (privados), enquanto outras peças – e as joias fora do cofre – foram cortadas pelo Procop.

    Procop – um joalheiro da realeza e dos super-ricos, conhecido por colaborar em projetos de caridade com celebridades como Angelina Jolie, e cujo trabalho também está incluído na coleção do Smithsonian – faz parecer que adquirir essas joias é moleza .

    Com uma rede confiável de mineradores, corretores e compradores de todo o mundo, ele não precisa pegar um avião para conseguir uma peça de 100 quilates. Em vez disso, ele pode entregá-los diretamente à sua porta, através de caminhões blindados, é claro.

    Mas para compreender o verdadeiro significado das gemas apenas no cofre da exposição, é útil saber que os quilates (todos os 2.387 ali presentes) são uma unidade de peso, não de tamanho.

    Rubis e safiras, por exemplo, são mais densos que diamantes, o que significa que um rubi ou safira de 1 quilate será menor que um diamante de 1 quilate.

    Para transmitir essa medida aos visitantes, Celestian montou uma exposição de gemas que variam de 1 a 100 quilates, ao lado de um ponto de referência útil para aqueles de nós que nunca segurarão uma joia enorme: 100 quilates pesam quase o mesmo que quatro centavos.

    A parte educativa da exposição também apresenta uma das joias mais preciosas do mundo escondida à vista de todos. “Sempre gosto de colocar pequenos truques nas exposições que faço… neste caso, é este quilate (gema) que é a pedra preciosa mais rara do mundo”, disse Celestian, apontando para um mineral chamado Kyawthuite. O mineral laranja-avermelhado foi descoberto por um gemologista em Mianmar em 2010 e “é o único que já encontramos”, acrescentou Celestian.

    Embora nada mais seja tão raro, as outras joias desta exposição são únicas, de cores vivas e, em sua maioria, invisíveis.

    “A Bandeira Ucraniana” é o maior topázio bicolor já descoberto, “O Imperial” é a turmalina verde mais requintada já encontrada, afirma a exposição, e “A Coroa da Colômbia” é a maior e mais imaculada esmeralda já encontrada. na, como o próprio nome sugere, Colômbia.

    “Ter algo tão limpo, tão transparente, e tão grande, e com cores tão saturadas, é irreal”, disse Celestian à CNN sobre esta última peça.

    Romanceando as pedras

    As gemas dentro do cofre são todas desmontadas – para preservá-las em sua “forma mais pura”, explicou Procop – e expostas dentro de caixas de vidro que permitem aos espectadores apreciar sua cor, tamanho e corte individuais. A safira azul-petróleo ainda tem uma luz de exibição que muda a cada poucos segundos para realçar todo o espectro de cores da gema.

    “Quando eu tive isso no laboratório, foi tipo: uau”, disse ele. “Foi realmente incrível como a cor estava mudando.”

    É improvável que as joias voltem a estar sob o mesmo teto. Aquelas que pertencem ao museu retornarão aos seus cofres, mas o restante retornará aos seus legítimos proprietários.

    Alguns também podem ser colocados à venda. Enquanto isso, a diretora do museu, Lori Bettison-Varga, espera que os visitantes saiam inspirados pela coleção.

    “Como geóloga, é isso que adoro em partilhar estas joias: a história geológica e o que podemos aprender com estes espécimes”, disse ela. “E também a maneira artística e espetacular com que a engenhosidade humana os deu vida.”

    Certamente esse conceito nunca cansa Celestian, que ainda admira as belas pedras que nosso planeta criou. “Sou um ambientalista – sinto-me forte e apaixonado por isso – e vejo isto como uma forma de refletir sobre como extraímos coisas da terra”, disse ele. “Produzir estas pedras magníficas e vê-las é um reflexo do nosso próprio lugar nesta terra.”

    Esmeralda em exposição em museu
    Esmeralda em exposição em museu / Divulgação/Natural History Museums of Los Angeles County

    Este conteúdo foi criado originalmente em CNN Style.

    versão original