Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Victoria’s Secret Fashion Show está de volta – mas não como você conhece

    Estrelas da Victoria's Secret como Naomi Campbell e Adriana Lima desfilam ao lado de um elenco diversificado de modelos, incluindo Hailey Bieber

    “The Tour” apresenta coleções de quatro designers diferentes de todo o mundo, incluindo estes vestidos de crochê inspirados na natureza da designer colombiana Melissa Valdes
    “The Tour” apresenta coleções de quatro designers diferentes de todo o mundo, incluindo estes vestidos de crochê inspirados na natureza da designer colombiana Melissa Valdes Sofia Malamute/Victoria's Secret

    Jacqui Palumboda CNN

    O Victoria’s Secret Fashion Show está de volta, mas a fórmula que você conhece já não existe mais.

    Por mais de 20 anos, o fenômeno cultural anual viu supermodelos vestindo lingerie exagerada e asas de anjo para desfilar na passarela com apresentações de nomes como Justin Timberlake, Lady Gaga, Jay-Z e Kanye West. Agora foi substituído por um documentário de longa-metragem chamado “The Tour ’23”, que estreou na terça-feira (26) no Prime Video.

    O documentário surge após um hiato de cinco anos do desfile de moda, aparentemente devido à queda vertiginosa da audiência e a inúmeras controvérsias desde comentários de um ex-executivo sobre modelos trans, críticas crescentes à visão estreita da marca sobre apelo sexual, até um documentário explosivo detalhando o ligações históricas da empresa com o problemático financeiro Jeffrey Epstein.

    Então, o que você pode esperar do “The Tour”? O filme de retorno não é um único desfile, como Savage X Fenty, da Rihanna, mas destaca quatro coleções de designers-artistas independentes baseados em Lagos, Bogotá, Londres e Tóquio.

    Cada apresentação acontece em uma villa arejada em Barcelona, onde a apresentadora Gigi Hadid orienta os espectadores entre os segmentos. Estrelas da Victoria’s Secret como Naomi Campbell e Adriana Lima desfilam em conjuntos ao lado de um elenco diversificado de modelos, incluindo Adut Akech, Winnie Harlow, Quannah Chasinghorse, Paloma Elsesser, Hailey Bieber e Lila Moss, por exemplo.

    Precedendo as mostras estão curtas-metragens apresentando as 20 mulheres criativas – incluindo designers e cineastas – que juntas compõem “o VS20”, que inclui Piscis Canizales, uma dançarina e ativista colombiana que se tornou viral por desfilar e dançar na frente de policiais fortemente armados em um protesto em 2021, e KOM_I, uma cantora japonesa que ex-integrante da banda cult de J-Pop eletrônico Wednesday Campanella.

    “The Tour” pretende ser “a expressão máxima da transformação da marca Victoria’s Secret”, de acordo com um comunicado de imprensa do diretor criativo da empresa, Raúl Martinez.

    Oferece uma abordagem mais expansiva e global da feminilidade do que a marca de lingerie é conhecida, com designer, Bubu Ogisi, de Lagos, misturando inspiração divina das mitologias iorubá e igbo, e Jen-Fang Shueh, da marca de Tóquio Jenny Fax, explorando as realidades corporais de atingir a meia-idade. (As coleções não serão vendidas pela Victoria’s Secret, embora alguns produtos inspirados no “The Tour” estejam disponíveis online).

    Naomi Campbell em um decotado dourado do artista Bubu Ogisi, de Lagos / Carlijn Jacobs/Victoria’s Secret
    Iris Law em um vestido moldado no corpo, da estilista Jen-Fang Shueh, de Tóquio, cuja coleção fala do envelhecimento e da feminilidade / Carlijn Jacobs/Victoria’s Secret

    Correção de curso contínua

    Além do seu novo filme, a Victoria’s Secret está promovendo novas iniciativas de financiamento para mulheres artistas e empreendedoras. A marca também parece responder às críticas de longa data de que o seu desfile de moda tem sido, ao longo dos anos, culturalmente insensível – colocando um cocar de nativo americano em Karlie Kloss em 2012, por exemplo – e reforçou ideais corporais impossíveis.

    A designer, Michaela Stark, acentua as curvas das barrigas e dos pneuzinhos em seus conjuntos de lingerie, em vez de ocultá-los. Stark diz no “The Tour” que concordou em contribuir com o filme para lidar com a dismorfia corporal que sentia ao assistir aos programas anteriores da Victoria’s Secret.

    “No ensino médio, foi uma grande coisa. Mas também havia aquela cultura em torno disso, de não querer comer depois de ver”, disse ela no documentário, pouco antes de colocar modelos plus size em looks de arquivo da Victoria’s Secret.

    Mas, não por culpa dos talentosos artistas que a Victoria’s Secret reuniu, o “The Tour” parece desconexo. Em vez de um evento com E maiúsculo, como o desfile de moda original, seus curtas-metragens oferecem apenas momentos rápidos, passarelas moderadas e uma narrativa que não permanece em nenhum assunto por tempo suficiente para penetrar além de sua superfície.

    A designer londrina Supriya Lele foi inspirada na antiga arte de escultura indiana e em uma pitada de moda punk / Victoria’s Secret

    A produção certamente não carece de estrelas, com interlúdios de Doja Cat e do cantor afro-colombiano Goyo, intercalados com vinhetas diversas: trechos de entrevistas, videoclipes, imagens de ativismo de dança, bastidores da produção artística e design, áudio poético de escritores e arte performática excêntrica.

    O filme não articula claramente por que este grupo específico de artistas foi reunido como o VS20 – além do “The Tour” servir como plataforma para histórias únicas de mulheres, como disse um porta-voz à CNN – nem está claro o que eles têm a ver com os espartilhos deslumbrantes e conjuntos de duas peças de couro da coleção Victoria’s Secret que são modelados de forma confusa como um intervalo entre as outras apresentações.

    O “The Tour” pretende claramente refazer e restabelecer a identidade da Victoria’s Secret, mas o que é isso exatamente? À medida que a empresa retirou seus “Angels”, lançou seus novos embaixadores “VS Collective”, incluindo Priyanka Chopra Jonas e Megan Rapinoe, e reuniu rostos famosos como Campbell e Lima para campanhas chamativas, o direcionamento de sua lingerie tem sido, sem dúvida, uma reflexão tardia memorável.

    A “nova” Victoria’s Secret pode estar explorando ideias mais saudáveis e inclusivas em torno da feminilidade e da sensualidade, mas se a marca realmente se encontrou em empreendimentos de busca da alma como “The Tour” ainda não se sabe.

    Este conteúdo foi criado originalmente em CNN Style.

    versão original