Crivella nega reabertura de comércio no RJ e reforça pedido de isolamento


Da CNN, em São Paulo
25 de março de 2020 às 17:55 | Atualizado 25 de março de 2020 às 17:57
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos)

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (Republicanos) recuou nesta quarta-feira (25) e, agora, negou que vá reabrir o comércio na cidade. Mais cedo, ele havia publicado em seu Twitter que alguns comércios voltariam a funcionar a partir de sexta-feira (27).

De acordo com nota da Prefeitura divulgada nesta tarde, o prefeito só permitirá que lojas de conveniência e de materiais de construção voltem ao funcionamento normal, por considerarem que são "necessários à população". A medida deve passar a valer a partir da meia-noite de sexta.

"Nenhum outro tipo de lojista está autorizado a abrir as portas", disse.

Desde terça (24), o comércio do Rio opera com restrições para controlar a transmissão do novo coronavírus. Só podem abrir as portas serviços considerados essenciais, como mercados, farmácias e postos de gasolina.

Crivella ressaltou a necessidade de isolamento. "Temos que manter o afastamento social de maneira sagrada nos próximos 15 dias. É com esse foco que vamos conseguir retomar, aos poucos, nossas atividades".

De acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde, o estado do Rio de Janeiro tem 370 casos confirmados e seis mortes pela COVID-19.

Leia também:

Crivella cita 'fé do presidente' e defende retomada da atividade econômica