Skaf defende 'segurança jurídica' às empresas durante pandemia

Em entrevista à CNN, presidente da Fiesp defende a necessidade de segurança jurídica para evitar desabastecimento

Da CNN, em São Paulo
24 de março de 2020 às 21:42 | Atualizado 25 de março de 2020 às 11:52

Diante da pandemia causada pelo coronavírus, a economia paralisada liga sinal de alerta na indústria. Em entrevista à CNN, o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, disse que considera necessário que as empresas tenham “segurança jurídica” para continuarem atuando.

“Neste momento é necessário que o país não pare suas atividades essenciais. É fundamental ter bom senso, equilíbrio e uma estratégia nacional", disse. "Mais de uma centena de decretos municipais criaram regras locais para combate ao coronavírus. Não podemos sofrer com burocracia, não podemos ter descontrole neste sentido.”

Ele ressaltou a reunião virtual que teve nesta terça-feira (24) com cerca de 40 empresários e o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, para tratar de uma coordenação para o enfrentamento da crise.

“Todos nós estamos correndo atrás para enfrentar esta tempestade. Temos uma batalha de algumas semanas”, disse o presidente da Fiesp, que afirma considerar a necessidade de um plano de retomada das atividades.

“Tem que haver equilíbrio com respeito a saúde e uma gradativa retomada das atividades a partir da segunda ou terceira semana de isolamento. Todos têm que colaborar para dar certo e, logo em seguida, pensar na retomada do país”, disse.