'Vírus chinês'? Ativistas debatem responsabilidade da China sobre coronavírus


da CNN em São Paulo
26 de março de 2020 às 22:13

A socióloga e escritora Sabrina Fernandes e a ativista política Zoe Martinez debateram nesta quinta-feira (26) nos estúdios da CNN se o governo chinês tem responsabilidade na pandemia do coronavírus. A COVID-19 já matou mais de 23 mil pessoas pelo mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde.

A discussão tem como base um levantamento da organização Repórteres Sem Fronteiras que mostra que autoridades chinesas impediram que as informações sobre o novo coronavírus fossem repassadas pela mídia e pelas redes sociais. Ainda segundo organização, o impacto do vírus no país seria 86% menor se as medidas de contenção tivessem sido tomadas duas semanas antes. 

Primeira a falar, Zoe creditou ao país asiático a responsabilidade pelo espalhamento da COVID-19 pelo mundo. "Acho que a culpa é, sim, do governo ditatorial chinês, porque, desde dezembro, eles tiveram os primeiros casos e esconderam da população e do mundo. E isso trouxe como consequência o problema que se expandiu para o mundo", disse. "Como cubana, sei muito bem que todas as informações passadas por ditaduras são manipuladas, então não sabemos ao certo quando realmente começou nem quantos mortos e infectados tiveram realmente. Então, sim a ditadura chinesa é a culpada por esse vírus do partido comunista chinês", completou.

Sabrina, contudo, considerou que, para analisar isso, é preciso olhar para a progressão do vírus pelo mundo. "Quando aquele médico alertou, a comunidade de Wuhan começa a se mobilizar. Em 24h, o Comitê Municipal de Saúde de Wuhan já se mobiliza e faz um pronunciamento quanto a isso. O que a gente vai ver é que, num prazo de dez dias, o governo chinês - já tratando do nacional - começa a interferir nesse processo e, inclusive, vai ter uma autocrítica partindo da Suprema Corte chinesa", contextualiza.

Ela defende que, ao perceber que tratava-se de um vírus novo, o país, inclusive, compartilhou informações científicas sobre a doença. "É muito importante mencionar que, nesse relatório, há uma breve contradição porque se afirma que, se o governo chinês tivesse tomado medidas mais drásticas logo no começo, o vírus não teria se espalhado dessa mesma forma, mas ao mesmo tempo se critica como trataram o vírus, e a gente sabe que a China está entre os países que tratou melhor da pandemia, considerando que não sabia com o que estava lidando logo no começo."