Salles demite analista contrário à exportação não-autorizada de madeira


Reuters
06 de abril de 2020 às 22:34
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

Foto: Adriano Machado/Reuters (30.jan.2020)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, demitiu nesta segunda-feira (6) um analista sênior que era contrário a exportações de madeira sem autorização, segundo nota publicada no Diário Oficial da União.

De acordo com a Reuters, o Brasil exportou milhares de carregamentos de madeira a partir de um porto amazônico sem autorização do Ibama em 2019.

Depois que a questão foi descoberta, em meio ao aumento das polêmicas em relação ao desmatamento da floresta amazônica durante o governo Bolsonaro, a direção do Ibama rescindiu uma regra que requeria a autorização da agência para todos os carregamentos de madeira.

A suspensão da regra contrariou um grupo de analistas liderados por André Sócrates de Almeida Teixeira, coordenador-geral de monitoramento de Biodiversidade e Comércio Exterior, que insistia para que a regra fosse mantida.

De acordo com notas oficiais, Salles havia removido Teixeira de seu cargo e o substituído por Rafael Freire de Macêdo, que já trabalhava em uma área relacionada. Uma fonte familiarizada com o assunto disseque a demissão de Teixeira aconteceu em retaliação por conta de sua discordância. 

Teixeira se recusou a comentar e Macêdo e o Ministério do Meio Ambiente não responderam a pedido por comentário. Já o Ibama disse que se trata de "mudança regular, conforme as regras aplicáveis".

O Ibama havia anunciado anteriormente que carregamentos de madeira precisam ser aprovados pela Receita Federal, e que a aprovação só é concedida após checagem com o sistema nacional de supervisão para verificar a legitimidade da origem. O órgão ainda pode fazer inspeções pontuais de carregamentos de madeira para exportação.

A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e sua preservação é vista como vital para conter as mudanças climáticas, por conta da vasta quantidade de gases do efeito estufa que absorve. 

A destruição da floresta teve alta expressiva no ano passado, provocando um clamor global, com líderes estrangeiros e ambientalistas culpando as políticas de Bolsonaro por encorajar a atividade de madeireiros ilegais, fazendeiros, e especuladores fundiários. 

Bolsonaro diz que a pobreza na Amazônia é culpada, e que ele estaria sendo injustamente demonizado.