Caixa detalha cronograma de crédito do auxílio na conta do trabalhador

Beneficiários do Bolsa Família serão os primeiros a receber ajuda de R$ 600

Da CNN, em São Paulo
07 de abril de 2020 às 19:38
O vice-presidente de rede de varejo da Caixa Econômica Federal, Paulo Henrique Angelo, detalhou nesta terça-feira, 7, o cronograma de crédito do auxílio emergencial de R$ 600 nas contas dos trabalhadores. O governo espera distribuir um total de R$ 98 bilhões em auxílios.

O primeiro grupo, dos beneficiários do Bolsa Família, receberá o auxílio conforme o cronograma normal do programa, a partir do dia 16 de cada mês. O segundo grupo, dos inscritos no Cadastro Único, receberá a primeira parcela a partir de quinta-feira, 9, nas contas da Caixa ou do Banco do Brasil.

Caso o beneficiário não tenha conta nessas instituições, será criada a poupança digital da Caixa — para a qual o saque em espécie ainda não está liberado. O secretário-executivo do Ministério da Cidadania, Antônio Barreto, esclareceu que quem entrou no Cadastro Único sem informar o CPF precisará fazer uma nova autodeclaração.

Já o terceiro grupo, formado trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) - que devem se cadastrar junto ao banco - receberá a primeira parcela a partir do dia 14 deste mês.

O vice-presidente de Tecnologia e digital da Caixa, Claudio Salituro, informou que o banco já recebeu 13 milhões de cadastros apenas nesta terça. A partir da segunda parcela, os beneficiários que não fazem parte do Bolsa Família receberão conforme um cronograma escalonado por data de aniversário.

Os nascidos em janeiro, fevereiro e março receberão a segunda parcela em 27 de abril. Os nascidos em abril, maio e junho receberão em 28 de abril. Os nascidos em julho, agosto e setembro receberão o benefício em 29 de abril. E os nascidos em outubro, novembro e dezembro receberão em 30 de abril.

Para a terceira parcela, o cronograma é semelhante. Os nascidos em janeiro, fevereiro e março receberão a segunda parcela em 26 de maio. Os nascidos em abril, maio e junho receberão em 27 de maio. Os nascidos em julho, agosto e setembro receberão o benefício em 28 de maio. E os nascidos em outubro, novembro e dezembro receberão em 29 de maio.

As datas referem-se ao depósito em conta dos valores, para transferências e pagamentos digitais. A Caixa ainda irá divulgar outro calendário para o saque em espécie do benefício.

Totais

O maior volume de auxílio emergencial será destinado aos beneficiários do programa Bolsa Família, que receberão R$ 43,71 bilhões. Outros R$ 29,43 bilhões devem ser destinados para o público já inscrito no Cadastro Único do governo federal. Nesse caso, os valores serão depositados em até 48h após o processamento - com início já na quinta-feira (9) - em conta poupança da Caixa ou conta do Banco do Brasil. 

Por fim, a Caixa estima que trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) recebam R$ 25 bilhões. Esse grupo precisa se cadastrar para receber o auxílio emergencial por meio do site da Caixa, ou pelo aplicativo já disponível para aparelhos celulares. Os pagamentos começarão em 14 de abril. Esses beneficiários poderão indicar uma conta em qualquer instituição financeira para receber o auxílio, ou optar pela poupança digital da Caixa — cujo saque em espécie ainda depende de cronograma.

Migração

A vice-presidente de governo da Caixa Econômica Federal, Tatiana Thomé, disse que o número de benefícios do Bolsa Família deve crescer com o ingresso de 1,3 milhão novos atendidos neste mês, chegando a 14 milhões de famílias. 

"Estimamos que 90% dos beneficiários do Bolsa Família migrarão para auxílio emergencial por 3 meses, porque recebem atualmente benefícios inferiores a R$ 600. Quem recebe benefícios superiores, continuará com o valor normal", explicou.

Tatiana apontou ainda que 70% dos beneficiários do Bolsa Família têm o costume de sacar os recursos em espécie. "Boa parte desses cidadãos poderão ser bancarizados no próximo mês com abertura de poupanças sociais digitais na Caixa", completou.

Tecnologia

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, reforçou nesta terça-feira (0 7) que o pagamento do auxílio emergencial não teria vazão se não fosse usada muita tecnologia. "Só nesta primeira semana, devemos atingir 80% da base (elegível ao auxílio). Acho que somente a China e a Índia teriam condições de fazer uma operação desse tamanho, poucos países conseguiriam" completou.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, reafirmou que o governo fez um acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para que o auxílio não possa ser usado para cobrir débitos em aberto dos beneficiários. "Mesmo quem está com cheque especial no negativo não terá abatimento", garantiu. Com Estadão Conteúdo