Brasil realizou 63 mil testes para COVID-19 e projeta chegar a 30 mil por dia

Destes, cerca de 13,7 mil haviam confirmado a doença

Estadão Conteúdo
08 de abril de 2020 às 17:26 | Atualizado 09 de abril de 2020 às 21:35
Exames para diagnóstico do COVID-19
Foto: Shannon Stapleton/Reuters

O Brasil já realizou cerca de 63 mil testes para diagnóstico de novo coronavírus até terça-feira (7), segundo dados das redes pública e privada computados pelo Ministério da Saúde. Destes, cerca de 13,7 mil haviam confirmado a doença.

O governo trabalha para ampliar a capacidade de testes da COVID-19. A ideia é saltar de até 6,7 mil testes diários para cerca de 30 mil exames. No cenário ideal, o ministério quer, em 180 dias, chegar a 3 milhões de exames feitos.

Leia também:

Fila para testes interrompe análise sobre velocidade do contágio do coronavírus

No período de enfrentamento ao novo coronavírus, o governo também fez cerca de 90 mil testes para tipos distintos de síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave. Estes testes ajudam a descartar casos da COVID-19.

Há obstáculos importantes para ampliar a capacidade de teste para novo coronavírus. De 3 milhões de unidades encomendadas com a Fiocruz, todas do tipo "RT-PCR", tido como extremamente preciso, só 104 mil chegaram ao ministério. Pelo menos 1 milhão já eram esperadas. Procurada, a Fiocruz não explicou o atraso, mas disse que está "ampliando significativamente" a produção.

O Ministério da Saúde também receberá 600 mil testes doados pela Petrobrás —300 mil já chegaram, mas 100 mil serão usados apenas no Rio de Janeiro.

O ministério também fez consulta no fim de março à indústria para compra de 20 milhões de testes RT-PCR. A ideia é receber a primeira parcela, de pelo menos 4 milhões de unidades, no meio de abril.

O governo federal quer ainda o apoio de milhões de testes rápidos. O produto não é usado para diagnóstico final da doença, mas auxilia na triagem e deve ser aplicado especialmente em profissionais de saúde.