Doações e combate às fake news: como ajudar em meio à crise do coronavírus


Pietra Carvalho Da CNN, em São Paulo
13 de abril de 2020 às 19:04 | Atualizado 14 de abril de 2020 às 12:57
doação de sangue

Com a pandemia, bancos de sangue no Brasil tiveram redução de 30 a 40%, segundo o Ministério da Saúde; doações agora devem ser feitas com horário marcado, para evitar aglomerações

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


Em meio à pandemia do novo coronavírus no Brasil, as buscas por “como ajudar” bateram recorde histórico no Google. Na última semana, as principais consultas na plataforma procuravam formas de auxiliar no combate a doença. 

Centralizando a onda de solidariedade, Organizações Não Governamentais (ONGs), entidades filantrópicas e hospitais públicos estão arrecadando recursos por todo o país, mas enfrentam uma corrida contra o tempo e a baixa adesão da população. 

Um exemplo é o Hospital das Clínicas de São Paulo. Ainda em março, o HC liberou 900 leitos para pacientes do novo coronavírus, dias antes de afastar 125 funcionários pela doença. Para gerenciar a situação, o hospital criou uma campanha com meta de R$ 10 milhões, encerrada nesta segunda-feira (13) com apenas 31% do valor arrecadado. 

Outras campanhas ainda levantam dinheiro para os hospitais públicos das regiões mais afetadas pela pandemia. A população mais vulnerável também é alvo de diversas ações para arrecadação de mantimentos. 

Para aqueles que não podem ajudar com valores em dinheiro, ações gratuitas como a doação de sangue e o combate às fake news são maneiras eficientes de apoiar a campanha contra o COVID-19. 

Confira algumas das instituições que precisam de contribuições e veja como ajudá-las: 

DINHEIRO E MANTIMENTOS

MUNDIAL

Médicos sem Fronteiras 

A organização internacional aceita doações a partir de R$ 38, detalhando o que pode ser comprado com o dinheiro doado. A MSF atua em mais de 70 países levando ajuda às regiões mais vulneráveis. Doe pelo site

 

NACIONAL

Família apoia Família 

Essa campanha reúne 45 ONGS que levam mantimentos básicos à população mais vulnerável. Ao acessar a plataforma, o doador pode escolher para qual das instituições listadas quer direcionar o dinheiro. As opções vão de organizações estaduais, como a que apoia o sertão da Paraíba, a campanhas como a do Programa Alimentar Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU). Para doações a partir de 1 real entre no site da Benfeitoria

ONG Comunitas

A Comunitas já arrecadou R$23,4 milhões para a compra de 345 respiradores para o estado de São Paulo. Agora, uma nova campanha da ONG quer alcançar a meta de R$3,3 milhões para a instalação de 121 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no estado. A organização pretende repetir as campanhas no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Para doar, acesse o site

Fundo Emergencial para a Saúde

Criado na última semana de março, o Fundo Emergencial para a Saúde é administrado por três entidades: o Idis (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social), Movimento Bem Maior e BSocial. No primeiro momento, os beneficiários da campanha são o Hospital das Clínicas, a Santa Casa de São Paulo, a ONG Comunitas e a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz, que conduz pesquisas para barrar o vírus). Doações no site da BSocial

FioCruz 

Doe a partir de 30 reais para apoiar a produção de kits para diagnóstico do coronavírus no site.

Todos por Todos 

Para empresários que querem ofertar serviços ou produtos de forma gratuita, o Governo Federal lançou o movimento Todos por Todos. Em que é possível ver quais negócios já doaram, quais são as doações disponíveis e investir em novas contribuições. Acesse no site.

 

NOS ESTADOS MAIS AFETADOS 

AMAZONAS 

Fundação Amazonas Sustentável (FAS) 

A FAS está a frente de uma campanha para proteger populações ribeirinhas e indígenas do Amazonas, o quarto estado com mais casos confirmados do novo coronavírus no Brasil. A meta é arrecadar R$ 200 mil para distribuição de cestas básicas e capacitação de técnicos de saúde para atender às áreas remotas. Para doar, acesse a plataforma Welight.

CEARÁ

Cedeca

O Centro da Criança e do Adolescente do Ceará participa da entrega de cestas básicas de alimento e higiene para a população das áreas em situação de vulnerabilidade. Valores a partir de R$ 25 podem ser doados no site da instituição. 

PERNAMBUCO

Pernambuco Solidário 

O governo de Pernambuco lidera a principal campanha de arrecadação no estado, o quinto com mais casos confirmados do COVID-19. A Pernambuco Solidário já angariou 22 toneladas de mantimentos para a população mais vulnerável. Doações de no mínimo 50kg ou 50 litros de água podem ser agendadas com a Ouvidoria Social do estado nos números 0800 081 4421 e (81) 3183-3055, pelo Whatsapp (81) 98494 1969 das 9h às 16h, ou no e-mail [email protected] Pequenas contribuições podem ser entregues diretamente no posto da campanha, na Av. Cruz Cabugá, 665 - Santo Amaro.

 

RIO DE JANEIRO 

União Rio

A ONG pretende chegar aos R$ 20 milhões arrecadados até o dia 30 de abril. O dinheiro será investido em recursos para leitos de UTI e equipamentos de proteção individual dos profissionais de saúde, como máscaras. A primeira fase da campanha, com R$ 5,5 milhões em doações, já irá ativar 50 leitos do Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Com a campanha completa, mais 570 leitos serão abertos na rede municipal e estadual. Doações no site da Benfeitoria.

 

SÃO PAULO

Cidade Solidária 

Criada pela prefeitura de São Paulo no último dia 7, a campanha Cidade Solidária criou pontos de arrecadação de cestas básicas na cidade. A ação inclui um drive thru para que interessados possam doar cestas básicas e materiais de higiene sem precisar sair do carro. A distribuição dos mantimentos será feita por cadastro dos beneficiários e mapeamento de áreas vulneráveis. Para conferir os itens das cestas básicas e os postos de doação clique aqui

 

DOAÇÃO DE SANGUE 

O Ministério da Saúde fez um apelo para que a população doe sangue apesar da pandemia do novo coronavírus. Segundo a pasta, os estoques do Brasil tiveram uma redução média de 30 a 40%, mais acentuada em São Paulo, o estado mais afetado pela doença. Para evitar aglomerações, a doação poderá ser agendada. 

A Fundação Pró-Sangue, responsável por um dos cinco maiores bancos de sangue da América Latina já disponibilizou a plataforma para agendamento e alerta que os tipos A- e B- são os com estoque mais deficitário em seu sistema. 

As regras para doação de sangue são estaduais mas, em geral, os interessados devem ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 quilos, não ter feito tatuagens ou piercings a menos de um ano, ter contraído hepatite depois dos 11 anos e estar no pré ou no pós parto. Pessoas em relações homoafetivas também continuam impedidas de doar. 

Para saber mais informações contate o hemocentro da sua região. 

 

DOAÇÃO DE LEITE MATERNO 

Os bancos de leite materno também sofreram forte redução devido a pandemia do novo coronavírus. São 224 bancos e outros 216 postos de coleta na Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RBLH). Para mães que não quiserem sair de casa, a RBLH disponibiliza unidades móveis em algumas regiões. 

Confira os bancos e postos de coleta disponíveis em todo o país aqui

 

ATENDIMENTO PSICOLÓGICO 

O estresse causado pelo isolamento social pode ser ainda mais maléfico às pessoas que sofrem com ansiedade, depressão e outros transtornos da mente. Se você convive com pessoas que precisam de auxílio psicológico, algumas iniciativas privadas disponibilizam atendimento online e gratuito para a população. 

Em nível nacional, o aplicativo Bem.Care , especializado em atendimento psicológico virtual, criou a campanha #CovidZero, com serviço sem custos durante a pandemia. O acesso é feito por meio de cadastro com número de telefone celular no site e a consulta acontece no aplicativo da empresa. 

Para aqueles que não podem fazer o download do aplicativo, o Centro de Valorização da Vida (CVV), disponível 24 horas, também está aberto a ligações de pessoas que queiram falar sobre a sua situação em meio a pandemia, o número de telefone é o mesmo para todo território nacional. Para entrar em contato, disque 188 ou acesse o chat. O conteúdo das conversas é confidencial. 

COMBATE ÀS FAKE NEWS

Uma das ferramentas mais importantes no combate à pandemia é a informação. E para ajudar na disseminação de notícias confiáveis, o Ministério da Saúde, governos estaduais e universidades públicas disponibilizam canais por onde a população pode confirmar ou desmentir boatos sobre o novo coronavírus. 

O grupo de estudos da desinformação em redes sociais (EDReS) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) criou uma hotline no WhatsApp para que qualquer pessoa, até mesmo fora do estado, possa encaminhar informações relacionadas ao coronavírus para checagem no número +55 (19) 99327-8829. 

Sempre se informe em fontes confiáveis e, caso veja disseminação de informações falsas, ajude a desmenti-las.