Itaú Unibanco doará R$1 bilhão para combate ao novo coronavírus


Da CNN, em São Paulo
13 de abril de 2020 às 10:45 | Atualizado 13 de abril de 2020 às 12:06

O Itaú Unibanco doará R$ 1 bilhão para combater o novo coronavírus e seus efeitos sobre a sociedade brasileira, com medidas que incluem ampliação da capacidade de hospitais e compra de insumos, além de testagem populacional.

A iniciativa "Todos pela Saúde", lançada pelo banco nesta segunda-feira (13), se dará por meio de quatro eixos: informação, proteção, cuidado e retomada. Uma equipe formada por sete especialistas liderados por Paulo Chapchap, diretor do Hospital Sírio-Libanês, definirá as ações que serão financiadas por esses recursos.

“Esperamos ter um projeto estruturante com impacto positivo. Vamos cuidar com a seriedade que cuidamos de todos os projetos no Itaú Unibanco”, disse o presidente do banco, Candido Botelho Bracher, em videoconferência. “Essa equipe será a única responsável por deliberar sobre o uso dos recursos. Essa é a garantia que os melhores critérios serão utilizados na distribuição”, completou.

As ações contemplam medidas para orientação da população com campanha de incentivo ao uso de máscaras e testagem populacional. Também dará apoio aos gestores públicos na estruturação de gabinetes de crise, bem como capacitará profissionais de saúde, ampliará a capacidade em estruturas hospitalares referenciadas.

Assista e leia também:

Em São Paulo, campanhas de doação aliviam peso da quarentena

De Tinder a Volkswagen, iniciativa privada soma esforços no combate ao COVID-19

A iniciativa prevê também a compra e distribuição de insumos, além da mobilização de equipamentos e recursos humanos. E se compromete com a colaboração para o desenvolvimento de estratégias, visando o retorno mais seguro às atividades sociais e programas de monitoramento da população com risco elevado.

“Já estão a nossa disposição os funcionários de inteligência e de gestão do Itaú”, afirmou Chapchap, ao ressaltar que o banco não terá ingerência sobre a forma como o valor será utilizado, mas disponibilizará seus profissionais para auxiliar na viabilização da iniciativa.

Ele disse que o grupo de especialistas já tem algumas atividades mapeadas e que a primeira que está em andamento é a produção de uma ampla campanha de publicidade para recomendar o uso de máscaras. “Vamos fomentar a produção de milhões de unidades. Também temos equipes se deslocando para diversos estados para apoiar a formação de gabinetes de crise”, completou.

Farão parte da equipe de gestão do projeto o médico oncologista Drauzio Varella, o ex-presidente Anvisa Gonçalo Vencina Neto, ex-presidente da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) Maurício Ceschin, o presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, Sidney Klajner, o consultor do CONASS (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) Alberto Beltrame e o presidente do Instituto de Biologia Molecular do Paraná, Pedro Barbosa.

Coordenação com governo

Questionados sobre uma coordenação da iniciativa entre o Itaú e o governo, Bracher destacou que "não houve qualquer combinação com o Ministério da Saúde" ou com outra área do governo federal. Ele também ressaltou que o banco não terá benefícios tributários pelo valor gasto na iniciativa.

Já o coordenador do grupo de especialistas afirmou que conversou com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para informar sobre a criação do Todos pela Saúde.

“Conversei por telefone com o ministro Mandetta, contei da inciativa e quem eram as pessoas envolvidas na alocação de recursos e deixei claro que, de certa forma, receberíamos demanda do próprio ministério”, disse Chapchap, que explicou ainda que todos os especialistas participam do projeto de forma voluntária.

Os valores da Todos pela Saúde são complementares aos R$ 250 milhões que o banco disse já ter investido no combate ao novo coronavírus com projetos de melhoria da infraestrutura hospitalar, aquisição de testes, máscaras de proteção, equipamentos de saúde, entre outros.