Bombeiros mostram como evitar queimaduras por manuseio de álcool

Em caso de acidente, a recomendação é colocar a parte queimada debaixo de água corrente e acionar os bombeiros

Da CNN, em São Paulo
14 de abril de 2020 às 11:33

Desde o dia 19 de março, o Brasil registrou 104 internações em estado grave por conta de acidentes no manuseio de álcool em gel ou líquido, segundo a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ). O período coincide com a liberação da venda do álcool 70%, produto recomendado para a higienização correta das mãos e que estava proibido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O presidente da SBQ, o médico José Adorno, disse à CNN que, para quem está em casa, o ideal é trocar o álcool em gel por lavar as mãos a fim de evitar acidentes domésticos.

"Estando em casa, lave as mãos com água e sabão e limpe sua casa com água sanitária 0,1% diluída, você está protegendo a sua família, as crianças e os idosos quanto aos acidentes", recomendou.

Também à CNN, o Corpo de Bombeiros de São Paulo demonstrou o perigo do álcool em gel, que tem uma chama quase imperceptível e que permanece acesa sem ser percebida, o que aumentam as chances de acidente.

"Isso é muito perigoso, porque se você encosta uma outro tipo de material combustível, você verifica que há combustão e essa queimadura é grave e séria", alerta o capitão Marcos Palumbo.

Por isso, a orientação é não deixar álcool em gel próximo a fontes de calor. Em caso de acidente, a recomendação é colocar a parte queimada debaixo de água corrente e acionar os Bombeiros por meio do telefone 193.