Com cutucada em Bolsonaro, Maia divulga ações do Congresso contra COVID-19

A chamada da ação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, chama a atenção: "Contra o coronavírus, o Congresso age, não discute"

Estadão Conteúdo
18 de abril de 2020 às 20:24 | Atualizado 18 de abril de 2020 às 20:26

Maia e Bolsonaro em entrevista à CNN

Foto: Reprodução/CNN

Mesmo após receber duras críticas, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) não entrou em batalha aberta com o presidente Jair Bolsonaro. Mas também decidiu não ficar totalmente à deriva. Agora, ele divulgou uma campanha sobre medidas do Congresso durante o combate da crise da covid-19 em suas redes sociais.

A chamada da ação chama a atenção: "Contra o coronavírus, o Congresso age, não discute". Maia divulgou cartazes sobre projetos que já foram aprovados pela Câmara dos Deputados desde o início da crise, em março. Entre as propostas, a ampliação da validade de receitas médicas durante a pandemia, a proibição de exportação de respiradores e a regulamentação da telemedicina.

Maia cita também o projeto de socorro aos Estados que fez com ele rompesse a relação com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e que ainda precisa ser aprovado pelo Senado.

O deputado incluiu na lista ainda o corte de gastos de R$ 150 milhões nas despesas da Câmara, anunciado no dia 7 de abril. Na lista de cortes estão viagens de parlamentares, horas extras de servidores, além de suspensão de obras e reformas que ainda não tenham sido iniciadas.

Bolsonaro abriu fogo contra Maia na última quinta-feira, após demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS). Em entrevista à rede de TV CNN, que sua atuação é "péssima" e insinuou que o parlamentar trama contra o seu governo. Em resposta, Maia afirmou que não vai atacar Bolsonaro.

Horas antes da entrevista do presidente à CNN, Maia havia assinado uma nota conjunta com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em defesa de Mandetta, também filiado ao seu partido. No dia anterior, a Mesa Diretora da Câmara deu prazo de 30 dias para que Bolsonaro apresente à Casa o resultado dos seus exames para covid-19.

No mesmo dia, Maia reagiu às críticas. "O presidente ataca com um velho truque da política, com a demissão ele quer mudar o tema", afirmou Maia, que disse não ter intenção de prejudicar o governo. "O presidente não vai ter ataques (de minha parte). Ele joga pedras e o Parlamento vai jogar flores", completou.