Com medidas de isolamento, SP não deve ter pico da COVID-19, diz secretário

O número de leitos ocupados no estado está em 53%; na Grande São Paulo, 73%

Marcela Rahal Da CNN, em São Paulo
23 de abril de 2020 às 19:10

Profissional de saúde prepara leito em hospital provisório durante pandemia de coronavírus
Foto: Bruno Kelly - 13.abr.2020/ Reuters


Em entrevista exclusiva à CNN, o secretário estadual de saúde de São Paulo, José Henrique German, afirmou que o Estado trabalha para não ter pico do novo coronavírus. "O achatamento da curva é não ter pico. Em uma curva dos países que não adotaram o isolamento, eles formam o pico, que sobrecarrega o sistema de saúde. Se nós continuarmos nas mesmas condições de isolamento, nós estaremos dentro dessa proporção", explica.

Segundo German, o Estado ainda está numa fase ascendente da doença, mas que não vai estressar o sistema de saúde porque o Estado tem mais leitos, se for necessário. O número de leitos ocupados no Estado está em 53%, e na Grande São Paulo, sobe para 73%.

O secretário estadual de saúde afirma que a região que mais preocupa é a cidade de São Paulo. "Estão aqui o maior número de casos e consequentemente o maior numero de óbitos", ressalta.

Sobre os 17 mil testes que estavam na fila e foram zerados, German diz que os novos testes terão resultado em 48 horas. O estado, segundo ele, ainda não pensa em fazer testes em massa.

O próximo passo, adianta German, é fazer o teste da imunidade da população. Segundo o secretário, existe um teste chamado "teste de saída" para medir o risco que a população tem de adquirir a doença.