Quarentena acelera inclusão digital de idosos

Empresas que percebem o potencial de consumo adaptam a linguagem para atender pessoas acima de 60 anos

Lara Mota, da CNN, em São Paulo
13 de maio de 2020 às 23:47

Desde que a pandemia do novo coronavírus começou, a faixa etária mais impactada foi a dos idosos. A recomendação é de um isolamento social mais severo para quem tem mais de 60 anos de idade e está no chamado grupo de risco. A quarentena acabou acelerando a inclusão digital de muitos deles. E, de olho nesse público, algumas empresas estão se adaptando para tornar a tecnologia mais amigável.  

O Brasil tem mais de 28 milhões de pessoas acima dos 60 anos. O dado é do IBGE e reflete uma tendência mundial de ter uma população envelhecida, mas que ainda está cheia de energia, para produzir e para consumir. A maioria está em isolamento social, mas isolamento não significa dependência. E é aí que entram as novas tecnologias.

Solange Pasquale de Mello Freire, de 78 anos, revela que já fazia compras pela internet, mas ficava limitada a sites conhecidos e à compra de produtos como cosméticos e livros. O hábito mudou com a necessidade. "Agora tem sido muito fácil para mim fazer as compras de supermercado. Quem me ajudou foi uma neta mais velha que me mandou um vídeo e falou: vó, faz assim. No começo eu fiquei um pouco assustada, mas depois da primeira vez aquilo ficou um pouco mais fácil. Eu entro no supermercado e escolho aquilo que eu quero", revelou sobre as compras online.

Apesar dessa tendência, um levantamento feito pela divisão de pesquisa da revista The Economist mostrou que apenas 30% das empresas em todo o mundo planejam ações focadas no público 60+. A consultora Caroline Capitani dá dicas. "Para que essas empresas pensem uma boa usabilidade para o púbico 60+ é importante que elas prevejam áreas de cliques maiores, porque a motricidade fina desse público ela acaba sendo prejudicada. E também tutoriais para que eles consigam navegar nesses sites e aplicativos", finaliza.

O importante é que o idoso veja a internet como aliada. Ainda mais porque o isolamento muitas vezes se transforma em distanciamento e solidão. Conviver, ainda que virtualmente, manter uma vida ativa, preservar a rotina de cuidados da casa e da mente com a ajuda da rede, tudo isso faz diferença.