Crivella mantém regras de isolamento, mas coloca igrejas como serviço essencial

Na próxima semana, existe a chance de a prefeitura autorizar abertura de lojas de móveis e concessionárias de veículos, "que não geram aglomeração"

Estadão Conteúdo
25 de maio de 2020 às 14:54 | Atualizado 25 de maio de 2020 às 14:56

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos)

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil


O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), declarou nesta segunda-feira (25) que as medidas atuais de isolamento vão permanecer esta semana. Crivella, contudo, indicou que o Rio poderá afrouxá-las no início de junho. Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, o prefeito também decidiu incluir as igrejas na lista de serviços essenciais.

"Não vamos relaxar as medidas de afastamento social. Devemos esperar mais um período para recomeçar o retorno às atividades", disse Crivella.

Projeção do Painel Rio Covid-19 prevê que a capital fluminense chegue a 40 mil casos da doença na próxima semana.

Leia também:

MP prende ex-secretário do RJ por superfaturamento em compra de respiradores

Profissionais de saúde protestam contra mortes no Rio de Janeiro

Ainda assim, as regras se tornaram mais brandas para as igrejas, que agora passaram a ser consideradas como serviço essencial para a prefeitura.

"As igrejas são atividades essenciais, e todas as atividades essenciais devem continuar funcionando. É importante para a população", disse Crivella.

Na próxima semana, existe a possibilidade de a prefeitura autorizar a abertura de lojas de móveis e concessionárias de veículos, "que não geram aglomeração", segundo o prefeito.

As academias de ginástica possivelmente também serão liberadas, mas com restrições.

Na mesma coletiva, Marcelo Crivella anunciou que todos os leitos previstos para serem colocados em operação pela prefeitura para o combate à covid-19 estarão aptos esta semana.