Pezão e empresários são alvos de ação que investiga lavagem de dinheiro no RJ

Thayana Araújo da CNN, no Rio de Janeiro
29 de maio de 2020 às 08:46 | Atualizado 29 de maio de 2020 às 12:08

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio realizam uma operação que investiga crimes em contratos com a administração pública, na manhã desta sexta-feira (29) no Rio de Janeiro. A ação tem entre os alvos o ex-governador do estado Luiz Fernando Pezão, além de empresários investigados pela Lava Jato.

Dos quatro mandados de prisão expedidos, três já foram cumpridos contra empresários. A força-tarefa do MP afirma ter encontrado indícios de lavagem de dinheiro em contratos do Arco Metropolitano que é uma autoestrada construída no entorno da região metropolitana do Rio de Janeiro, com a missão de desviar o intenso tráfego de veículos. O Arco liga as cidades de Itaboraí, Guapimirim, Magé, Duque de Caxias, Nova Iguaçu,Queimados, Japeri, Seropédica e Itaguaí.

Todos os alvos desta operação são investigados desde a Lava Jato, em 2018. Na ação desta sexta-feira, Pezão foi alvo de um dos 26 mandados de busca e apreensão. Os agentes estão na casa dele.

O ex-governador, que estava preso desde novembro de 2018, foi solto em dezembro do ano passado, beneficiado por um alvará de soltura. Ele é réu na Operação Lava Jato no Rio de Janeiro acusado de integrar um esquema de corrupção chefiado pelo também ex-governador Sérgio Cabral, de quem foi vice.

Prisão na Lava Jato



Luiz Fernando Pezão era governador em exercício do Rio de Janeiro quando foi preso em novembro de 2018. A força-tarefa da Lava Jato deu voz de prisão ao político no Palácio Laranjeiras, residência oficial do chefe do estado.

Ele foi preso na operação batizada como Boca de Lobo, baseada na delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro de Sérgio Cabral, antecessor de Pezão, que segue preso no Complexo de Gerincinó, em Bangu, zona oeste da capital do RJ.

Outros alvos

Também são alvo da operação os irmãos César Augusto e Luís Fernando Craveiro de Amorim, operadores financeiros do ex-governador Pezão.

Os dois, segundo o MPF, respondem por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa por crimes que envolveram pagamentos de quase R$ 40 milhões em propina para o ex-governador e outros acusados.

Além da prisão de César, a polícia apreendeu vários carros localizados na casa dele, na Barra da Tijuca, na zona oeste da capital fluminense.

Fuscas encontrados na casa de César Craveiros, operador financeiro do ex-governador do RJ Luiz Fernando Pezão e um dos alvos da operação da Polícia Civil
Foto: Divulgação