Defesa de Fabrício Queiroz entra com pedido de habeas corpus

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro foi preso nesta quinta-feira em Atibaia, interior de São Paulo

da CNN, em São Paulo
19 de junho de 2020 às 14:42 | Atualizado 19 de junho de 2020 às 15:01
Fabrício Queiroz durante a prisão na manhã de quinta-feira (18) em casa em Atiba
Fabrício Queiroz durante a prisão na manhã de quinta-feira (18) em casa em Atibaia
Foto: CNN (18.jun.2020)

A defesa de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) quando este era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, entrou com um pedido de habeas corpus nesta sexta-feira (19). 

Queiroz foi preso nesta quinta (18) em Atibaia, no interior de São Paulo, em um imóvel de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro.

Leia e assista também:

Imagens mostram operação que prendeu Fabrício Queiroz em Atibaia

'Rachadinha', relação com família Bolsonaro e prisão: entenda o caso Queiroz

O ex-policial militar foi transferido para o Rio de Janeiro, onde tramita o caso, está detido no complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste da capital fluminense.

A prisão é desdobramento do inquérito que investiga um suposto esquema de "rachadinha" — em que servidores do gabinete devolvem parte do salário — na Alerj. 

Queiroz foi assessor e motorista de Flávio Bolsonaro até outubro de 2018, um mês antes da deflagração da operação Furna da Onça, que apura corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos na Assembleia do Rio.

De acordo com um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) de 2016, época em que o assessor ainda estava lotado no gabinete de Bolsonaro, Queiroz movimentou cerca de R$ 1,2 milhão em saques e depósitos, considerados atípicos pelo órgão.