Prefeito de Curitiba diz que não há colapso na saúde; casos triplicaram

Número de infecções triplicou em menos de um mês

Da CNN
26 de junho de 2020 às 10:11

Diante do aumento de três vezes no número de infectados pela Covid-19 em Curitiba, o prefeito Rafael Greca (DEM-PR) negou, em entrevista à CNN na manhã desta sexta-feira (26), que a cidade esteja passando por um colapso.

Segundo Grecam os fatores climáticos influenciaram o aumento do número de casos do novo coronavírus na capital. O político avaliou ainda que, apesar da escalada da doença, 'de maneira nenhuma' pensa em adotar o lockdown. 

"De maneira nenhuma [nós pensamos em adotar o lockdown]. Nós vamos nos esforçar para quebrar a cadeia de transmissão e trabalhar com a população, para que o isolamento social não seja doloroso (...). Os casos triplicaram porque nossa situação, por quase 90 dias, foi muito confortável. Houve um ciclo sem umidade e, com isso, o vírus não foi transmitido. Com o período mais frio, as sindromes respiratórias são normais nesta época do ano. Mas não há colapso do sistema de saúde em Curitiba", explicou ele.

Leia também:

Covid-19: Brasil soma mais 1.141 mortes e total de óbitos se aproxima de 55 mil

Curitiba vai retomar medidas de restrição devido ao avanço do novo coronavírus

De acordo com último balanço da secretaria, Curitiba já registra quase 4 mil casos de Covid-19 e 123 óbitos. "A taxa de ocupação dos leitos, até ontem, era de 83% e ainda tenho 38 leitos disponíveis", completou.

Greca disse que, o que chama mais atenção, é o tipo de transmissão na capital. Enquanto o vírus segue para o interior e se dissemina em locais mais frios, em Curitiba a transmissão familiar tem preocupado autoridades de saúde.

"A transmissão no interior do Paraná se deu em frigoríficos, em ambientes úmidos, onde as pessoas se reúnem em um lugares frios, e o resultado foi desastroso. Já aqui em Curitiba a transmissão está sendo familiar, entre parentes. Temos que nos adaptar para viver este 'novo normal', esse tipo de transmissão tem que ser 'quebrada'", defendeu. 

(Edição: Sinara Peixoto)