Chegada de 'ciclone bomba' causa estragos no sul do Brasil

Fenômeno natural provoca ventos de até 100 km/h; moradores da região registram queda de árvores, encostas e destelhamento

Pietra Carvalho, da CNN em São Paulo
30 de junho de 2020 às 18:14 | Atualizado 30 de junho de 2020 às 19:50
Internautas já registram chegada do 'ciclone bomba' no sul do Brasil, causando destelhamento, quedas de árvores e deslizamento de encostas 
Foto: Reprodução/CNN (30.jun.2020)

Um ciclone extratropical conhecido como 'ciclone bomba' já atinge a Serra Gaúcha e parte de Santa Catarina e do Paraná nesta terça-feira (30), causando fortes ventos e chuvas nos estados do sul do Brasil. 

Em sua página no Twitter, a empresa de meteorologia MetSul compartilhou registros dos vendavais e tempestades que deixaram um rastro de destruição, provocando deslizamento de encostas, destelhamento de imóveis, queda de árvores e tombando até mesmo um caminhão que estava estacionado na cidade de Vacaria (RS). 

Leia também:

Passagem de "ciclone bomba" deixa pelo menos três mortos em Santa Catarina

O que é o "ciclone bomba"?

Em entrevista à CNN, o meteorologista da Climatempo André Madeira explicou a formação deste fenômeno natural. Segundo ele, a ocorrência, que gera ventos de até 100 km/h, faz parte de "sistemas relativamente comuns" para esta época do ano na região Sul. 

"São relativamente comuns nesta época do ano, e ocorrem aqui, no litoral do país, na região Sul, principalmente entre maio e setembro. São áreas de baixa pressão que, geralmente, se formam associados à uma frente fria. Também há a possibilidade de neve na Serra Gaúcha na quinta-feira (2)", disse.

"O interessante dele é que o vento gira em torno de centros de baixas pressões no sentido horário, tornando os ventos muito intensos. Uma particularidade dele é que ele tem uma baixa queda de pressão no curto espaço de tempo, por isso este nome", acrescentou ele. 

Madeira explicou ainda que uma das consequências causadas por este ciclone é a formação de ondas, com agitação do mar no litoral do Sul e Sudeste. "Em todo litoral são esperadas ondas de cinco a seis metros. Algo como assoprar uma bacia cheia d'água", exemplificou.