Com receio de ‘efeito Leblon’, SP prepara blitze em bares para fim de semana


Pedro Duran, da CNN, em São Paulo
06 de julho de 2020 às 23:50 | Atualizado 07 de julho de 2020 às 00:08
Aglomeração e pessoas sem máscara na primeira noite de reabertura de bares no Ri

Aglomeração e pessoas sem máscara na primeira noite de reabertura de bares no Rio de Janeiro

Foto: CNN (03.jul.2020)

Muito embora o primeiro dia da reabertura de bares e restaurantes tenha agradado as equipes de monitoramento da prefeitura de São Paulo, já que nenhum estabelecimento foi multado, o ponto crítico mais ainda não chegou - na avaliação dos mais próximos do prefeito Bruno Covas. Para eles, o final de semana exige atenção em dobro, pelo risco considerável de aglomerações.

Pra tentar evitar que aconteça na capital paulista o mesmo que em outras cidades que tomaram a mesma atitude de reabrir, a prefeitura prepara blitze reforçadas que circulará pontos críticos a partir de sexta-feira (10).

Leia também:
'É momento de operar com consciência', diz dono de bar no Rio de Janeiro

Após aglomeração no Leblon, blitz fiscaliza bares e restaurantes do RJ

"Nosso maior desafio é permitir que os estabelecimentos funcionem mas evitar aglomeração pra não acontecer aqui o que aconteceu no Rio de Janeiro ou em Londres, que tiveram os bares lotados e aglomeração", disse à CNN o secretário de subprefeituras, Alexandre Modonezi.

O receio é de que, mesmo com a proibição de mesas e cadeiras nas calçadas, prevista pelo decreto estadual, as pessoas possam se aglomerar em frente à bares e restaurantes. Pessoas que participam dessa discussão em âmbito municipal disseram que uma das alternativas caso isso aconteça é pedir uma ação da Polícia Militar pra dispersar aglomerações.

Pacto na Vila Madalena

Pelo grupo de whatsapp que reúne mais de 30 empresários, os donos de bares e restaurantes da Vila Madalena, tradicional área boêmia da capital paulista, fizeram um pacto pra evitar que a prefeitura tome medidas mais duras caso aconteça o mesmo que aconteceu no Rio. Eles se comprometeram a não servir bebidas na calçada, mesmo para clientes que prometam comprar e levar, não entregar comida e bebida para ninguém que esteja de pé e não permitir que clientes saiam para fumar na rua carregando copos ou garrafas. "Prometer todo mundo prometeu, agora vamos ver como vai ser na prática, né?", disse um deles à CNN.

Equipeas na rua

O plano da prefeitura prevê três equipes de agentes vistores no bairro de Pinheiros, região que compreende a Vila Madalena, outras três na região central, que compreende a subprefeitura da Sé, e equipes em outros bairros como Lapa e Santo Amaro. O discurso das autoridades municipais é de que a primeira abordagem continuará sendo educativa.