Incor testará respiradores de baixo custo desenvolvidos pela USP

Equipamento, produzido por mais de 200 pessoas e com R$ 7 milhões doados pela iniciativa privada, foi apresentado pelo governador João Doria

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
15 de julho de 2020 às 13:58 | Atualizado 15 de julho de 2020 às 15:25
Respirador de baixo custo desenvolvido por pesquisadores da USP será testado no Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas
Foto: Reprodução/ Governo SP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira (15) que respiradores de baixo custo desenvolvidos por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) começarão a ser utilizados no tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus.

As dez primeira unidades serão testadas a partir de quinta-feira (16) no Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas. "Um grande dia para a ciência brasileira", definiu Doria.

"Esses equipamentos demonstram a capacidade dos pesquisadores e foram feito em apenas quatro meses, a partir de março, e a um baixíssimo custo. Ainda em pequena escala, mas ao longo do tempo, ganharão condições mercadológicas", disse o governador.

Doria disse ainda que o projeto envolveu mais de 200 pesquisadores, entre professores, alunos da Escola Politécnica (Poli) da USP, e especialistas de outras áreas, e contou com a doação de R$ 7 milhões do setor privado.

Assista e leia também:

Respiradores fabricados no Brasil custarão 85% a menos do que o importado

E Tem Mais: Respiradores e a busca de alternativas para salvar vidas

Também presente na coletiva, o reitor da USP, Vahan Agopyan, afirmou que o projeto só foi possível porque os envolvidos no projeto se dedicam a questões similares a décadas. "É uma vitória do estado de São Paulo", disse Agopyan.

Já o professor Raul Gonzales Lima, coordenador do Projeto Inspire, responsável pelo desenvolvimento do aparelho apresentado pelo governo, falou que uma das responsabilidades da universidade pública é a transferência de tecnologia e conhecimento.

"[O aparelho] tem um conteúdo resultante de 20 anos de pesquisas da áreas pulmonar em uma cooperação de várias unidades da Universidade de São Paulo", disse.

"As especificações [do respirador] foram desenvolvidas em conjunto com a Faculdade de Medicina. Foram desenvolvidos o desenho mecânico e todo o software de controle, toda a documentação de certificação e os testes de qualidade, a logística e a manufatura", completou Lima.

Lima afirmou ainda que o custo estimado de cada equipamento é entre R$ 5 mil e R$ 10 mil, sem considerar impostos.

Ano Novo e Carnaval

Doria também voltou a falar sobre o Ano Novo e o Carnaval, depois de o coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 no estado, Paulo Menezes, afirmar na véspera que esses eventos com grandes aglomerações não estão no radar do governo atualmente.

"Muita atenção diante daqueles que querem fazer atividades festivas de Ano Novo ou de Carnaval. Não temos que celebrar nem Ano Novo nem Carnaval e diante de uma pandemia", disse o governador em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

"Apenas com a vacina pronta e aplicada e a imunização feita poderemos ter celebrações que fazer parte do calendário do país, mas neste momento não. Vamos trabalhar para termos a vacina, seja a CoronaVac, vacina que o Instituto Butantan está desenvolvendo com o laboratório chinês, seja a vacina de Oxford que está sendo desenvolvida com a Fiocruz" completou o governador.

Poupatempo e Detran

Doria também anunciou que Poupatempo e Detran passarão a entregar documentos gratuitamente para os cidadãos pelo correio durante a pandemia. 

"Para evitar deslocamentos, evitar aglomerações e permitir o isolamento social, o Poupatempo passa a entregar a partir da próxima segunda-feira (20) documentos como RG ou a segunda via da CNH pelo Correio e gratuitamente", disse o governador.

O governador afirmou que, num primeiro momento, serão enviados 195 mil documentos que já estão prontos: 130 mil RGs e 65 mil carteiras de habilitação. E prometeu que, cada vez mais, os órgãos digitalizarão seus serviços.

Ernesto Mascellani Neto, presidente do Detran de São Paulo, afirmou que foram realizadas mais de 6 milhões de interações entre o órgãos e os cidadãos do estado durante a pandemia.

"Outra grande notícia, que acho muito importante, é a retomada das aulas nos Centro de Formação de Condutores (CFC) para 50 mil alunos que já tinham começado o processo [antes da quarentena]", afirmou Mascellani.

De acordo com o o presidente do Detran, com apoio da Prodesp, Empresa de informática do Governo do Estado de São Paulo, as aulas serão realizadas de forma remota, com uso de reconhecimento facial dos alunos.